TV a cabo, internet e até telefone devem ficar mais mais baratos, prevê Anatel

O motivador é a aquisição da Vivax pela Net: empresa resultante aumentará a competitividade do setor

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Serviços de TV a cabo, internet banda-larga e até mesmo ligações telefônicas devem ficar mais baratas, estimulados pelo aumento da competitividade. Pelo menos é isso o que estimam especialistas do setor de telecomunicações, da Anatel e da Telecomp, ao comentar a compra da Vivax pela Net Serviços.

A Agência Nacional de Telecomunicações autorizou, em 16 de maio, a fusão. A proposta, anunciada em 12 de outubro do ano passado, segue, agora, para o Conselho Administrativo de Assuntos Econômicos (Cade), que aprovará, ou não, a negociação.

Competitividade

De acordo com o superintendente de Serviços de Comunicação de Massa da Anatel, Ara Apkar Minassian, como a companhia resultante terá mais representatividade no mercado, as demais operadoras presentes em São Paulo serão forçadas a melhorar seus produtos como forma de garantir a competitividade. E isso garante economia – ou serviços de maior qualidade – ao consumidor.

Para se ter uma idéia, atualmente a rede de cabos da Net atinge cerca de 7,2 milhões de domicílios. Somada à rede da Vivax, o total de casas e apartamentos cabeados subirá para 8,4 milhões.

Analisando pela ótica de mercado, a aquisição fará com que a participação da nova companhia no mercado de TV por assinatura passe de 39% para 46%; e no de banda larga de 13% para 15%. A idéia é que as Organizações Globo continuem com o controle.

“Notamos hoje que existe uma fusão entre empresas, e isso se deve ao fato de que a infra-estrutura requer investimentos relativamente pesados”, explicou. “Olhando do ponto de vista do assinante, com certeza essa fusão trará uma vantagem”, adicionou.

VoIP

Conforme Minassian, isso ocorre porque, além de toda a questão de uma melhora tecnológica nos serviços de banda larga e da TV a cabo, em cerca de três/quatro meses, o consumidor que tiver contrato com a Net (ou, atualmente, com a empresa comprada) poderá usufruir da parceria existente com a Embratel, que garante ligações telefônicas por meio da tecnologia de voz sobre IP (VoIP). Especialistas estimam que, de uma maneira geral, esse serviço garante uma economia de 70% no final do mês.

No Estado de São Paulo, são 116 empresas que fornecem serviços de banda-larga e TV a cabo. Na capital são cinco que possuem operações mais abrangentes. “Com isso, o consumidor que estiver insatisfeito com sua atual operadora poderá sair. Isso vai forçar uma competição e uma melhoria. Ninguém vai querer perder o assinante, nem na telefonia e nem na TV por assinatura”, adicionou, lembrando que quando se começa a surgir competição, aparecem ofertas mais em conta.

Principalmente para banda larga

Luis Cuza, presidente da Telcomp, é da mesma opinião do superintendente da Anatel. Contudo, o especialista destacou como principal melhora a questão do serviço de internet banda larga. “O consumidor será favorecido com maior oferta desse produto. A expectativa é que a banda larga fique mais barata e mais veloz”, explicou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em sua opinião, a TV a cabo também deverá ter melhorias tanto na qualidade quanto no preço. Contudo, a ampliação do acesso à rede mundial de computadores terá um impacto maior na vida dos brasileiros.

E os clientes da Vivax?

“O que nos preocupa é que a Vivax tem uma programação que não está presente na linha da Net. Então, não queremos que haja uma pressão em cima dos assinantes para que eles migrem para a programação da Net”, esclareceu Minassian.

Para não haver problemas aos clientes da Vivax, a Anatel sugeriu ao Cade que três condições sejam impostas às prestadoras envolvidas:

  • garantia de que os canais de programação diferenciada, produzidos por empresas pertencentes aos grupos econômicos da Vivax e Net, em especial às Organizações Globo, estejam disponíveis e possam ser disputados;
  • garantia de que os canais hoje disponíveis para assinantes da Vivax permaneçam disponíveis na grade de programação, no mesmo tipo de pacote comercializado ao assinante, enquanto o contratos estiverem em vigor;
  • abertura das redes das prestadoras envolvida aos canais de programação produzidos por programadoras brasileiras não pertencentes aos respectivos grupos econômicos, em especial às Organizações Globo, a ser garantida pela fixação de quantidade mínima de canais ou de percentual em relação ao número de canais integrantes da grade de programação.

Abrangência

Atualmente, a Net está presente em 44 cidades nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e no Distrito Federal. Com a união, passará a atuar em mais 35 cidades, que ampliam a atuação da empresa nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, além de incluir o Amazonas.

Compartilhe