Segundo analistas

Três motivos que fazem o Bitcoin resistir aos comentários “hawkish” de Jerome Powell

Para trader, a inversão da curva de rendimentos indica que o Fed pode voltar a aumentar a expandir a base monetária

Por  CoinDesk -

O Bitcoin (BTC) subiu um dia após o presidente do Federal Reservem (Fed), Jerome Powell, sinalizar que está preparado para fazer um aumento mais agressivo das taxas de juros dos Estados Unidos. A maior criptomoeda do mercado já é negociada a cerca de US$ 43 mil, em alta de quase 5% no dia.

O movimento interrompeu uma breve queda para US$ 41 mil logo depois do comentário de Powell. “Nós faremos o que for necessário para assegurar a volta da estabilidade de preço”, afirmou o mandatário do Fed, em conferência da National Association of Business Economics.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

“Se concluirmos que é adequado tomar medidas mais agressivas aumentando as taxas dos fundos federais em mais de 0,25%, então é o que faremos.”

Powell estabeleceu um aumento de 50 pontos-base na tabela para os próximos meses, tendo subido já 25 pontos-base na semana passada e indicado 175 pontos-base de crescimento até o final do ano.

Mas, por que o Bitcoin sobe se é considerado um ativo de risco e deveria reagir negativamente ao aumento dos juros? Veja três possíveis razões.

Aperto monetário já está precificado

As inquietações do mercado com o aperto do Fed começaram no início de novembro. Desde então, em vez de precificar três aumentos para este ano, traders passaram a esperar sete aumentos de 25 pontos-base.

Antes da invasão da Rússia na Ucrânia, os mercados previam um aumento de 50 pontos-base do Fed em março. Agora, traders estão considerando que ele ocorra em maio. Desde meados de novembro, o BTC já caiu 38%.

Ou seja, a menção de Powell aos aumentos agressivos nas taxas não surpreende ninguém. Na verdade, a reunião “hawkish” do Fed da semana passada e os comentários de Powell da segunda-feira confirmaram as expectativas de investidores e, pelo visto, removeram incertezas significativas do mercado.

“Hawkish”, que vem de “hawk” (falcão), e define os defensores de juros mais altos e de uma política de austeridade mais forte.

“Investidores odeiam incertezas mais do que resultados ruins. E é exatamente assim que se encontra o mercado hoje”, postou Jeff Dorman, CIO da gestora de ativos digitais Arca.

“A ‘calmaria antes da tempestade’ vinha se formando e parece que a tempestade finalmente passou. Visto que os mercados olham para o futuro e têm uma boa memória, investidores já precificaram um ciclo de aperto de três anos antes mesmo de começar. Olhar para além disso traz muito menos incertezas. É uma coisa boa”, apontou.

Medidas contra recessão pela frente

Mercados que olham para o futuro podem estar focando em uma recessão e na probabilidade de o Fed voltar à política de expansão monetária para ajudar a economia. Segundo os futuros do Fed Funds, traders de derivativos de taxas de juros estão colocando o corte de taxas para, no mínimo, 2023.

A curva de rendimentos do Departamento do Tesouro americano, representada pela extensão entre os rendimentos de dez e dois anos, está apenas 17 pontos-base abaixo de uma inversão — o que é um indicador de recessão. A inversão acontece quando os rendimentos de dois anos ficam acima dos de dez anos.

“A inversão da curva indica para os investidores que o Fed pode fazer concessões no futuro, então, em parte, é um bom sinal”, disse Griffin Ardern, trader de volatilidade da gestora de criptoativos Blofin.

“Se a economia enfrentar problemas, o Fed pode apenas reverter para a flexibilização quantitativa. Com base nos dados macroeconômicos atuais, a situação econômica deste momento pode apoiar a política hawkish do Fed, mas o período máximo não pode exceder dois anos.”

Segundo Ardern, a hora de comprar a queda nos ativos de risco é quando a curva do Tesouro inverter para o máximo.

Salto às vésperas do vencimento de opções

A tendência do Bitcoin para alcançar o chamado “max pain point” (ponto máximo de dor, ou seja, quando o preço chega a um ponto em que a maioria das opções de compra vencem sem nenhum valor) antes da validade das opções trimestrais pode ajudar a criptomoeda a se manter firme perante os comentários de Powell.

“No caso de grandes transações, quando a entrega de derivativos trimestral está chegando, o preço real tende a alcançar o ponto máximo de dor e se ancorar ali”, apontou Ardern. “Uma situação parecida aconteceu no dia 31 de dezembro de 2021.”

Dados observados na ferramenta Skew mostram que contratos de opções de US$ 3,56 bilhões vão expirar nesta sexta-feira (25). Segundo a Deribit, maior exchange de opções de criptomoedas do mundo por volume de trading e posições em aberto, o ponto máximo é de US$ 41 mil.

Teoricamente, o ponto máximo age como um ímã para preços à vista conforme a data da validade se aproxima. Isso acontece porque às vezes vendedores de opções — em sua maioria, instituições — tentam levar o preço a esse patamar e criar o máximo de perdas para os compradores de opções.

Desde o começo de 2021, o Bitcoin tem observado uma volatilidade maior antes do vencimento de opções trimestrais, com os preços recuando ou avançando perto do ponto de referência no período que antecede a liquidação, para somente então voltar à tendência vista antes do vencimento.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe