DIRETO DA BOLSA

TEMPO REAL: Petrobras cai 2% e Gol avança; Vale e siderúrgicas voltam a subir

Acompanhe aqui a atualização dos principais destaques da Bovespa nesta quarta-feira

11h51: Estatais e Bancos
As ações da Petrobras (PETR3, 23,05, -1,50%;PETR4, R$ 24,43, -1,26%) aumentam as perdas nesta sessão, enquanto os papéis do Banco do Brasil (BBAS3, R$ 37,70, +0,64%) operam entre perdas e ganhos com grande volatilidade. Em contrapartida, os papéis da Eletrobras (ELET3, R$ 8,51, +1,31;ELET6, R$ 12,31, +0,98%) intensificam os ganhos. No radar delas continua a divulgação das novas pesquisas eleitorais Datafolha e Ibope ainda nesta quarta-feira. 

Vale mencionar que os bancos privados, Bradesco (BBDC3, R$ 40,55, -0,95%; BBDC4, R$ 41,44, -0,26%) e Itaú (ITUB4, R$, %), que também apresentaram grande movimentação no “rali eleitoral”, caem nesta sessão. 

Ontem à noite, pesquisas eleitorais regionais mostraram um forte crescimento de Marina Silva na corrida presidencial. Em São Paulo, a candidata do PSB cresceu 4 pontos, em relação a última pesquisa, atingindo 39% das intenções de voto e aumentou sua vantagem para Dilma Rousseff em 16 pontos percentuais. Já no Rio de Janeiro, Marina ultrapassou a atual presidente e agora tem 38% dos votos, ante 30% da última pesquisa.

 Vale mencionar que essa é a 14ª alta das ações do BB em 15 sessões. Além dele, ontem as ações preferenciais da Petrobras ultrapassaram por R$ 0,01 em sua máxima do dia (R$ 24,90) o maior patamar registrado em 2011 para voltar aos valores registrados em junho de 2010. As ações PETR4, no entanto, perderam um pouco de força no fechamento e encerraram com alta de 3,06%, a R$ 24,56. 

11h34: CCR (CCRO3, R$ 20,60, -2,37%)
As ações da CCR lideram as perdas do Ibovespa nesta sessão e voltam a cair após 3ª dias consecutivos de alta. Vale mencionar que desde a mudança no cenário político em 14 de agosto até hoje, os papéis da concessionária acumulam forte valorização de 20% no período.

11h09: Siderúrgicas
Os papéis do setor de siderurgia – Gerdau (GGBR4, R$ 13,10, +3,31%), Gerdau Metalúrgica (GOAU4, R$ 15,96, +3,03%), CSN (CSNA3, R$ 9,95, +3,11%) e Usiminas (USIM5, R$ 8,40, +3,70%) – continuam o movimenta da última sessão.

Ontem, foram divulgados os dados da produção industrial nacional, que demonstrou crescimento de 0,7% para julho, de acordo com o IBGE. Os resultados romperam 5 meses seguidos de dados negativos, período em que acumularam queda de 3,5%. No primeiro semestre deste ano, a indústria registrou queda de 2,6%.

10h49: Vale (VALE3, R$ 29,37, +2,16%; VALE5, R$ 26,09, +2,31%)
As ações da Vale intensificam os ganhos nesta quarta-feira, apesar da nova queda no preço do minério de ferro – principal produto da exportadora. A commodity atingiu US$ 85,75 por tonelada, o menor patamar desde outubro de 2009.

Em contrapartida, a China, maior destino das exportações da Vale, divulgou que o setor de serviços medido pelo banco HSBC, subiu para 54,1 em agosto, de 50,0 em julho.

PUBLICIDADE

As ações da Bradespar (BRAP4, R$ 20,45, +0,44%), holding que detém forte participação no capital da mineradora também avançam nessa sessão, atingindo 2,10% na máxima do dia.

10h36: Gol (GOLL4, R$ 15,20, +3,75%)
O grande destaque de alta fica para a Gol, que sobe mais de 3% em meio aos dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) sobre o tráfego aéreo. No mês de julho, a demanda no transporte aéreo de passageiros cresceu 0,6% em relação a mesmo período de 2013. “Com esse resultado, a demanda doméstica completa dez meses consecutivos de crescimento, acumulando alta de 5,6% no ano. Nesse mesmo período, a oferta acumula retração de 0,3%”, ressalta a Planner Corretora.

10h30: “Kit Marina”
Unindo-se às estatais e aos bancos, as ações do setor sucroalcooleiro aparecem como protagonistas do rali eleitoral e voltam a subir nesta sessão. Destaque para Cosan (CSAN3R$ 45,93, +1,64%), São Martinho (SMTO3R$ 46,85, +1,28%) e Tereos (TERI3R$ 2,94, 0,00%), que apesar de queda hoje, já acumula alta de 19,10% no mês.

Além do “fator Marina”, essas empresas refletem hoje a notícia de que o Senado aprovou na véspera a Medida Provisória 647, que eleva o percentual de edição de biodiesel e autoriza o aumento do percentual de mistura de etanol anidro da gasolina. Segundo a Planner Corretora, a aprovação já era esperada, um antigo pleito do setor sucroalcooleiro. Entretanto, o aumento da oferta de etanol é positivo para as usinas que sofrem neste período de hidrologia desfavorável. Além do que, a manutenção dos preços da gasolina influencia diretamente na competitividade do etanol hidratado. A MP segue agora para sanção presidencial e deve ser aprovada dado que o Senado manteve integralmente o texto aprovado pela Câmara.

Para acompanhar o desempenho do “portfólio Marina”, clique aqui.

10h22: Ambev (ABEV5, R$ 16,15, +1,13%)
As ações da Ambev sobem nesta sessão reagindo à notícia de que o aumento da tributação das bebidas frias, categoria que reúne cerveja, água, isotônicos e refrigerantes, previstos para o início deste mês de setembro, ainda não tem prazo para acontecer e deverá ficará para depois das eleições, segundo informações do jornal Valor Econômico. A possibilidade de se jogar a correção para o próximo ano também não está totalmente descartada, afirma o jornal. Vale mencionar que os papéis da companhia caíram 4 dias nos últimos 6 pregões, sendo que uma vez fecharam estáveis e na outra em alta de apenas 0,06%.