Direto da Bolsa

TEMPO REAL: Educacionais e Gol sobem mais de 3%; Ambev segue em queda e lidera perdas

Porto Seguro sobe mais de 1% refletindo resultado do primeiro trimestre e BB Seguridade avança após assinar acordo de cessão

Por  Rodrigo Tolotti

12h27: Ambev
Após liderar as perdas do índice na quarta-feira, a Ambev (ABEV3) volta a cair e vê seus papéis recuarem 1,35%, para R$ 16,08. Segue impactando nos papéis a notícia de que o governo do Brasil irá aumentar novamente a tributação da cerveja e refrigerante no País – 2º aumento na carga tributária do setor de bebidas frias em menos de um mês e deve impactar em 1,3% o preço final dos produtos.

O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, informou que, a partir de 1º de junho, serão corrigidas as tabelas de preços que servem como base para a incidência do IPI e do PIS/Cofins. Segundo ele, a medida resultará numa arrecadação adicional de R$ 1,5 bi este ano e valerá para cervejas, refrigerantes, refrescos, isotônicos e energéticos.

11h12 Educacionais
Além da Anhanguera (veja abaixo), as ações da Kroton (KROT3, R$ 49,92, +4,52%) e da Estácio (ESTC3, R$ 24,40, +3,03%) também sobem forte nesta sexta-feira. Após a temporada de vestibulares de começo de ano, os dados de matrículas nas universidades indicam mais um bom ano para o setor. Essa expansão foi impulsionada novamente pelo Fies, financiamento estudantil do governo federal, que somente nos quatro primeiros meses do ano, fechou cerca de 380 mil contratos, o que representa 68% do total concedido durante todo o ano passado.

A Estácio deve o melhor desempenho nos vestibulares, com o número de calouros aumentando 18%, além dos 6,7 mil alunos transferidos da Gamar Filho e da UniverCidade. Já a Kroton teve um total de 204 mil calouros se matriculando em suas instituições de ensino, o que representa um aumento de 16,2% em relação ao vestibular do ano passado. A Kroton estima que mais 14 mil alunos vão se inscrever nos cursos técnicos durante este ano letivo. Com esses números, analistas esperam fortes capitalizações das companhias no primeiro trimestre.

11h03: Porto Seguro
A Porto Seguro (PSSA3) registra alta de 1,69%, a R$ 33,05, após divulgar seu resultado do primeiro trimestre na noite de quarta-feira. A companhia registrou lucro líquido de R$ 153 milhões, alta de 41% ante o mesmo período do ano passado, desempenho impulsionado pelo resultado financeiro, que subiu 124% e atingiu R$ 210 milhões. Segundo a XP Investimentos, o balanço veio em linha com as expectativas, mas o desempenho operacional foi mais fraco que o esperado.

10h55: Anhanguera
Após disparar 6,5% na quarta-feira, as ações da Anhanguera (AEDU3) voltam a subir forte, com valorização de 7,39%, cotadas a R$ 14,82. Na última terça-feira à noite a empresa divulgou sua prévia operacional do primeiro trimestre, apresentando um lucro líquido de R$ 99,4 milhões, valor 18% maior do que o mesmo período no ano anterior. Além disso, a empresa teve um aumento de 20,3% no Ebitda, que atingiu R$ 152,3 milhões neste trimestre.

Além disso, a FIL Limited informou que aumentou sua participação na companhia para 5,06%, com um total de 22.130.468 ações ordinárias. A FIL destacou “que se trata de um investimento minoritário que não visa a alterar a composição do controle ou a estrutura administrativa da companhia. Esclarece, ainda, que não detém debêntures conversíveis em ações, nem qualquer acordo ou contrato regulando o exercício do direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários de emissão da companhia”.

10h52: Tempo Participações
A Tempo Participações (TEMP3) vê suas ações subirem 4,59%, a R$ 4,39, após a notícia de que a Qualicorp (QUAL3), administradora de benefícios de saúde, fechou acordo pelo qual irá incorporar empresas controladas pela Tempo. Segundo a Qualicorp, as empresas Connectmed e Gama Saúde, conjuntamente chamadas de Unidade Saúde Soluções, serão incorporadas após reorganização societária que será feita pela Tempo.

O valor referencial da transação para a Qualicorp, baseado no pregão de 28 de abril, é de R$ 160 milhões, condicionado ao alcance de metas operacionais e financeiras futuras da Unidade Saúde Soluções. O valor considera a emissão de 3.352.601 ações ordinárias da Qualicorp, que serão dadas à Tempo como parte do pagamento, além de um bônus de subscrição que dará direito a Tempo receber mais 2.994.367 ações ordinárias.

10h33: BB Seguridade
A BB Seguridade (BBSE3, R$ 26,58, +1,72%) vê suas ações subirem após anunciar que seu controlador Banco do Brasil, a BB Corretora de Seguros, a Icatu e a Brasilcap assinaram contrato de cessão de direitos para iniciar a venda de produtos de capitalização nas agências do Banco do Brasil originárias do Banco Nossa Caixa.

Segundo comunicado, o acordo prevê a cessão pela Icatu à Brasilcap de seus direitos e obrigações como parceira no acordo operacional para comercialização de títulos de capitalização com o Banco Nossa Caixa. Também deve ocorrer a cessão pelo BB à BB Corretora dos direitos de venda de títulos de capitalização nas agências do BB oriundas do Nossa Caixa, o que permitirá à BB Corretora iniciar a venda de produtos de capitalização da Brasilcap Nas agências. O acordo prevê também a obrigação da Brasilcap pagar à Icatu Cap R$ 61,664 milhões em quatro parcelas anuais, como preço da cessão.

10h33: Gol
A Gol (GOLL4) segue para sua quinta alta em 6 pregões, chegando nesse momento a ganhos de mais de 19% no período. Apenas nesta sessão, a companhia vê suas ações subirem 3,08%, cotadas a R$ 14,22. Desde a última semana, os papéis da empresa têm registrado fortes ganhos com notícias positivas de demanda de voos domésticos no Brasil, que impulsionaram os resultados operacionais da companhia no 1º trimestre. Apesar da alta e das notícias, a companhia anunciou na noite de segunda-feira uma perda financeira de R$ 75,9 milhões por conta dos problemas enfrentados na Venezuela.

10h33: Prumo e MMX
Após a última prévia da nova carteira teórica do Ibovespa confirmar a saída das ações da Prumo Logística (PRML3), antiga LLX, as ações da companhia lideram as perdas do índice com queda de 1,69%, cotadas a R$ 1,16. A nova carteira do benchmark entrará em vigor a partir da próxima segunda-feira (5) e será válida pelo próximo quadrimestre. Apesar das perdas, as ações da companhia ainda acumulam ganhos de 7,41% em 2014.

Por outro lado, a MMX (MMXM3), que voltará ao Ibovespa na próxima semana, vê suas ações zerarem os ganhos a R$ 2,59, após chegar a avançarem 2,32%, para R$ 2,65. A companhia volta a fazer parte do índice após ser retirada no final do ano passado devido ao baixo valor dos ativos, que valiam apenas centavos. Diante disso, a companhia realizou um grupamento para aumentar o valor de suas ações, o que possibilitou sua volta para o benchmark.

Compartilhe