RADAR INFOMONEY Por que a Bolsa sobe e o PIB cai? O Ibovespa segura os 120 mil pontos, diante do caos na economia?

Por que a Bolsa sobe e o PIB cai? O Ibovespa segura os 120 mil pontos, diante do caos na economia?

Recomendações

Telefônica é lider em recomendações de dividendos pelo 3º mês consecutivo

Emrpesa foi citada em 7 das 9 carteiras de dividendos compiladas pela InfoMoney no mês; Ambev e Tractebel dividem a 2ª posição com 4 recomendações

SÃO PAULO – Pelo 3º mês seguido, as ações da Telefônica Brasil (VIVT4) foram a mais recomendada nas carteiras recomendadas com estratégia de dividendos compiladas pelo Portal InfoMoney em novembro. Dos 9 portfólios acompanhados, os papéis VIVT4 foram citados em 7 deles.

Destaque positivo também para os papéis da Ambev (AMBV4), que em outubro não figuraram entre os primeiros lugares e neste mês recebeu quatro indicações, dividindo a segunda posição com a Tractebel (TBLE3). Por outro lado, as ações da Coelce (COCE5)  quase sumiram das carteiras recomendadas, passando de 4 recomendações recebidas em outubro para apenas uma em novembro.

De acordo com a Rico Corretora, ainda existem muitas dúvidas em relação às ações das companhias elétricas, principalmente aquelas que possuem concessões com vencimento entre 2015 e 2017, caso da Cemig, Cesp, Eletrobrás e Transmissão Paulista. Com isso, os analistas preferem aguardar os termos das negociações para a renovação destas empresas junto ao governo federal para realizar alguma mudança em suas recomendações.

Para a compilação deste mês de novembro, foram utilizadas para as carteiras de dividendos elaboradas pela Bradesco Corretora, Citi Corretora, Coinvalores, HSBC, Itaú BBA, Planner, Souza Barros, Rico e XP Investimentos. 

Recomendações em carteiras de dividendos
AçãoNovembro/12Outubro/12
Telefônica Brasil PN75
Ambev PN4
Tractebel ON43
Banco do Brasil ON32
Cielo ON33
Taesa33
Comgas PNA23
Contax PN21
AES Tietê PN23
Grendene22
Metal Leve21
Valid23
Bradespar PN 1
BM&FBovespa12
Cemig PN12
Coelce PNA14
 Souza Cruz1
Siderúrgica Nacional1– 

VIVT4: líder em telefonia móvel e excelente em pagamento de dividendos
Assim como nos últimos dois meses, um dos grandes pontos a favor da empresa é a combinação de bom pagamento de dividendos e perspectivas de crescimento através de sinergias.

De acordo com a Citi Corretora, a Telefônica Brasil tem fortes indicadores operacionais, principalmente no mercado de telefonia móvel, onde a empresa é líder de mercado. Além disso, o segmento de telefonia fixa favorece para um fluxo de caixa elevado e estável.

Já a Planner Corretora, destaca que sua recomendação se pauta na boa previsibilidade de resultados e bom desempenho apresentado nos últimos anos pela empresa. Além disso, a Telefônica Brasil tem um baixo nível de endividamento e se destaca por sua excelência no pagamento de dividendos, com payout de 100%.

Ambev: resultado positivo e boas perspectivas
Destacada como uma ação defensiva, os resultados da Ambev vieram acima do projeto no terceiro trimestre, com lucro líquido de R$ 2,51 bilhões. Além disso, as perspectivas para os últimos três meses do ano mostram-se positivas, apontam os analistas.

Para a Planner, a companhia se destaca pela liderança no mercado nacional de cerveja, crescente presença na América Latina, elevada geração de caixa, além de ser uma boa pagadora de dividendos, com yield estimado para 2013 de 3%.

PUBLICIDADE

Tractebel: corrigida a forte queda vista nos papéis em setembro
No terceiro trimestre, a companhia apresentou um lucro líquido de R$ 392,3 milhões, 18,1% acima do observado no mesmo período de 2011. Para a XP Investimentos, em outubro, o mercado corrigiu a diferença vista no mês anterior, quando o ativo apresentou queda 5,2% essencialmente por conta dos receios de intervenção do governo, após a MP 579.

Além disso, os analistas entendem que não existe grande risco regulatório para a empresa, já que seus contratos oram firmados por outro regime ante a Medida Provisória. Vale lembrar que a Tractebel aprovou o pagamento de juros sobre o capital no montante de R$ 0,4231379607 por ação, com as ações passando a ser negociadas “ex” juros a partir de 26 de novembro.