Standard Chartered: BC já está no segundo passo de contenção do real

Para analista da instituição, declarações de alerta quanto a uma euforia cambial constituem nova medida de intervenção

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Mike Moran, estrategista de câmbio do Standard Chartered, classificou as declarações do presidente do Banco Central brasileiro, Henrique Meirelles, como a subida ao segundo passo do processo de contenção da valorização do real.

Na última quinta-feira (21), Meirelles alertou para o excesso de euforia no mercado cambial, assim como para o perigo associado a um suposto comportamento consensual muito otimista por parte dos investidores, expostos aos movimentos rápidos e bruscos do mercado.

Para Moran, as palavras do presidente da autoridade monetária do Brasil sinalizam que, após compras de dólar no mercado de câmbio nos últimos dias, o BC deve partir para uma intervenção retórica mais intensa, a fim de segurar a força da divisa brasileira. O próximo passo, segundo o analista, corresponde ao início de “intervenções mais agressivas”.

Rali do real

Aprenda a investir na bolsa

O real foi a moeda que mais se valorizou desde maio, dentre as seis divisas latino-americanas mais negociadas, disparando mais de 20%. Esse movimento ascendente é atribuído à retomada dos preços das commodities exportadas pelo Brasil, assim como ao retorno do apetite por risco dos investidores internacionais, que voltaram a buscar os mercados emergentes.

A adoção de medidas para segurar a escalada do real, conforme disse à Bloomberg Roberto Padovani, economista-chefe do Banco WestLB no Brasil, entram em pauta toda vez que a divisa brasileira ameaça atingir o nível de R$ 2,00/US$.

Quando isso acontece, surgem especulações de que o BC atuará imediatamente no sentido de impedir a marca. Entretanto, Henrique Meirelles já se mostrou descomprometido com números fixos. “Ele quis dizer que a taxa de câmbio está vinculada a fundamentos”, diz Padovani, que entende não haver comprometimento da autoridade monetária brasileira com relação a “níveis de câmbio”.

Quanto já foi enxugado

Apesar de o BC não disponibilizar os montantes que retira do mercado de câmbio ao promover suas operações, analistas estimam que tenham sido adquiridos US$ 150 milhões diários desde o início deste mês. Na última quarta-feira, especula-se que o montante tenha chegado a US$ 1 bilhão.