Carteira

Socopa recomenda ações da BR Foods e CCR e foca no mercado interno

Corretora acredita que bolsa operará com pouca volatilidade neste mês, influenciada pelos temores com a crise nos EUA e Europa

Homem com carrinho de supermercado entre as prateleiras de alimentos
(Shutterstock)

SÃO PAULO – A Socopa Corretora acredita que a bolsa terá pouca oscilação neste mês, refletindo, ainda, a cautela com relação às incertezas na zona do euro. O abismo fiscal nos Estados Unidos colaborará para aumentar o receio dos mercados, segundo espera a corretora.

Diante disso, ela optou por fazer algumas alterações em seu portfólio recomendado para o período. As ações da Ambev (AMBV4) e da Duratex (DTEX3) foram substituídas pelas da BR Foods (BRFS3) e da CCR (CCRO3), mantendo o foco em empresas focadas no mercado interno. Os papéis da Suzano Papel (SUZB5), MRV (MRVE3) e OSX (OSXB3) completam a lista de recomendações.

No mês passado, o portfólio da corretora apresentou recuo de 1,99%, ante queda de 3,56% relatada pelo Ibovespa em igual período.

Confira as ações da carteira da Socopa para novembro:

BR Foods: A corretora espera que os números da empresa comecem a mostrar sinais de melhora neste último trimestre do ano, influenciado pelos aumentos de preços e pela menor pressão dos custos de grãos.

CCR: Segundo a Socopa, os papéis da CCR possibilitam boa exposição ao setor de infraestrutura doméstica, além de adicionarem perfil mais conservado para o portfólio. “A empresa conta com extenso pipeline de projetos, entre eles a privatização do aeroporto de Portugal, e confortável posição de caixa para fazer frente aos investimentos”, avalia a equipe.

MRV: De acordo com os analistas da corretora, a MRV tem apresentado resultados consistentes, mesmo que ainda não sejam considerados fortes, mas que tem destoado positivamente da média do setor. Eles acrescentam que eventuais mudanças no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), o que não descartamos, são diretamente capturadas pela empresa.

OSX: Na visão da corretora, as ações da empresa são veículo interessante para se posicionar no setor de óleo e gás brasileiro. Para a Socopa, os riscos associados à dependência da OGX ainda existem, mas estão cada vez menores, à medida que a empresa passou a fazer parte da cadeia de fornecedores da Petrobras.

“Recente rumor de fusão entre a OSX e a Sete Brasil circulou no mercado, evento que seria positivo para a empresa, porém, não considerado em nossa análise”, ressaltaram.

PUBLICIDADE

Suzano: As ações da companhia, apesar de terem subido no mês passado, ainda são boa oportunidade de investimento com horizonte de longo prazo, à medida que a alavancagem da empresa deve convergir para níveis mais aceitáveis, conforme dizem os analistas.

Para eles, o  atual preço dos papéis já incorpora o alto endividamento da empresa, que teve uma sensível melhora após aumento de capital de R$ 1,5 bilhão.