Fora da Curva

Sobrevivente do BC em 2002, Figueiredo explica por que aquela crise foi pior que a atual

Sócio da Mauá Investimentos, o ex-diretor do Banco Central Luiz Fernando Figueiredo concedeu entrevista exclusiva ao "InfoMoney Fora da Curva" 

SÃO PAULO – Um dos responsáveis pelo processo de transição político-econômico entre a gestão FHC e Lula não tem dúvida ao responder qual crise foi mais difícil para o governo: “sem dúvida aquela época foi muito mais difícil”, afirma ao InfoMoney Fora da Curva o sócio-fundador da Mauá Investimentos e ex-diretor do Banco Central, Luiz Fernando Figueiredo.

Na última pergunta da entrevista, Figueredo explicou cada um dos pontos que justifique por que a situação atual está confortável frente ao que ele enfrentou no começo deste século. Ele também explicou por que trabalhar no Banco Central é uma experiência que “nenhum doutorado ensinaria” e relata como ajudou no processo de transição dos dois governos (veja o roteiro da entrevista abaixo do vídeo).

InfoMoney Fora da Curva é um projeto de entrevistas do InfoMoney com os participantes do livro Fora da Curva. A partir do dia 5 de dezembro, uma nova entrevista será divulgada diariamente, e todas elas ficarão disponibilizadas na página especial do projeto (clique aqui para acessá-la).

PUBLICIDADE

Confira abaixo a entrevista com Luiz Fernando Figueiredo e o instante em que cada pergunta foi respondida:

Perguntas respondidas no vídeo:

1) 1:10 – Você disse: “nenhum doutorado me ensinaria o que eu aprendi no Banco Central, foi disparado o melhor momento da minha carreira”. Poderia tentar nos passar o que de tão bom você vivenciou no BC que não viveu em lugar nenhum?

2) 3:30 – Como foi lidar em 2002 com a sensação de que, a qualquer momento, o Brasil iria quebrar?os 3 pontos que vocês seguem na hora de investir em uma empresa (resultados, gestão das pessoas e estratégia da empresa) se unem na hora de escolher aplicar em uma empresa?

3) 5:45 – Como foi sua atuação no processo de transição de governo (de FHC 2002 para Lula 2003)? 

4) 8:10 – Como funciona aquele primeiro dia de reunião do Copom, em que vocês recebem uma verdadeira overdose de informações?

PUBLICIDADE

5) 10:30 – Você compara as crises de 2002 e 2015 pelo fim do ciclo político nesses dois momentos. Sendo assim, será que iremos vivenciar muitos anos de euforia na Bolsa, como vimos entre 2003 e 2008?

6) 13:10 – Qual dos dois momentos estão mais difíceis para a equipe econômica: 2002 ou 2016?

Para ver as outras entrevistas do InfoMoney Fora da Curva, clique aqui.