Saraiva (SLED4) demite funcionários e fecha últimas livrarias físicas

Livraria, que já foi a maior do Brasil, com cerca de 100 unidades, deve funcionar, a partir de agora, apenas como e-commerce

Felipe Moreira

Publicidade

A Livraria Saraiva (SLED4), em recuperação judicial, demitiu os funcionários de suas últimas 5 lojas na última quarta-feira (20). A rede, que já foi a maior do Brasil, com cerca de 100 unidades, deve funcionar, a partir do dia 25 de setembro, apenas como e-commerce.

Até esta semana, a empresa tinha quatro lojas em São Paulo – na Praça da Sé, a segunda inaugurada pela empresa, ainda nos anos 1970, e também no Shopping Aricanduva, Jundiaí e Novo Shopping – e uma em Campo Grande (MS).

Em 2018, a Saraiva fez seu primeiro movimento de fechamento de lojas. Naquela ocasião, a rede ficou com 84 unidades e com o site. Um mês depois, ela entrou com pedido de recuperação judicial. A dívida revelada naquele momento era de R$ 674 milhões.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ao longo dos últimos anos, sem conseguir se reerguer, a Saraiva continuou reduzindo sua operação física e foi focando cada vez mais no negócio online.

A Saraiva informa, ainda, que recebeu, nesta quinta-feira (21), por questões de foro pessoal, o pedido de renúncia do Sr. Marcos Guedes Pereira, membro do Conselho de Administração da empresa.

Assembleia de acionistas preferencialistas da Saraiva

A empresa realizará Assembleia Geral Especial de Preferencialistas (AGESP) amanhã (22) para discutir, entre outros temas, a transformação das ações preferenciais em ações ordinárias, segundo o PublishNews, publicação especializada em mercado editorial. Assim, o controle da empresa, atualmente com a família Saraiva, poderia ser transferido para os principais acionistas preferenciais.

Continua depois da publicidade

Além disso, os acionistas também deve decidir sobre o cronograma para a recomposição do Conselho de Administração após a renúncia de dois membros do conselho, alegando existir uma falsa ata do Conselho de Administração assinada pelo presidente.

“A companhia se encontra em recuperação judicial e com situação complexa frente ao cenário econômico do varejo brasileiro. Como já apresentado em fatos relevantes a atividade da companhia reduziu-se expressivamente e, infelizmente, alguns pagamentos, inclusive o de Conselheiros, estão atrasados, o que, provavelmente irá gerar outras renúncias de conselheiros eleitos”, disse a empresa na terça-feira (19).

Saraiva em números

A Saraiva, rede de livrarias em recuperação judicial, registrou prejuízo líquido ajustado, antes do resultado líquido de operações descontinuadas, de R$ 16,2 milhões no segundo trimestre de 2023 (2T23), 26% melhor em relação ao 2T22.

Na mesma base de comparação, a receita líquida caiu 60,8%, para R$ 7,3 milhões, em decorrência da redução do número de lojas na rede de 31 para 6 lojas. A receita líquida das lojas físicas caiu 60,2%, para R$ 7,2 milhões.

Já Same Store Sales, ou seja, as vendas das mesmas lojas comparadas entre o 2T23 e 2T22, teve redução de 43%.

(Com Estadão Conteúdo)