AO VIVO COO do Mercado Livre fala sobre o impacto do coronavírus no no e-commerce; assista pelo seu celular no perfil do InfoMoney no Instagram

COO do Mercado Livre fala sobre o impacto do coronavírus no no e-commerce; assista pelo seu celular no perfil do InfoMoney no Instagram

Política

Santana diz que cancelou viagem de retorno ao Brasil após alerta de Dilma sobre risco de prisão

Declaração veio após o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo comentar que há contradição nas delações dos marqueteiros

SÃO PAULO – O marqueteiro João Santana afirmou nesta quarta-feira (17), por meio de nota, que decidiu, juntamente com sua mulher, Mônica Moura, cancelar uma passagem de retorno ao País após terem sido alertados pela ex-presidente Dilma Rousseff sobre a expedição de uma ordem de prisão contra o casal.

A nota do marqueteiro, divulgada hoje à imprensa, é uma resposta à entrevista do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT) ao jornal O Globo, na qual aponta contradição entre os depoimentos prestados na delação premiada do marqueteiro do PT e de sua mulher no âmbito da Operação Lava Jato.  

Na nota, Santana, que foi o responsável pelas campanhas presidenciais de Dilma em 2010 e 2014, faz dois questionamentos sobre o cancelamento da viagem de volta ao Brasil: 1) “Se não estivéssemos sendo informados da iminência da prisão, por que chamaríamos, na sexta, 19 de fevereiro, o nosso então advogado, Fabio Tofic, para que viesse às pressas a S. Domingos?; 2) “Por que cancelaríamos nosso retorno ao Brasil, dias antes, com a viagem comprada e com reserva já confirmada”. 

PUBLICIDADE

Em entrevista, Cardozo disse que a diferença de versões apresentadas por Santana e Mônica desacredita os relatos. “É uma versão grotesca. Que coisa ridícula”, disse ao Globo sobre a declaração de Mônica sobre o fato de a ex-presidente ter avisá-los com antecedência sobre o risco de prisão. 

O marqueteiro  afirmou também, por meio de nota, que o ex-titular da Justiça agiu “de forma cínica” ao não declarar que não houve pagamentos não contabilizados nas campanhas de 2010 e 2014. “Pra cima de mim, José Eduardo?”, diz Santana.