Guerra na Europa

Rússia recebe demandas por escrito da Ucrânia, mas diz que não há sinal de avanço

Porta-voz do Kremlin disse que país não notou nada realmente promissor ou que parecesse um avanço e que ainda há um longo período de trabalho pela frente

Por  Reuters -

O governo da Rússia saudou nesta quarta-feira (30) o fato de o da Ucrânia ter apresentado por escrito suas exigências para o fim do conflito entre os dois países, mas disse que ainda não há sinal de avanço.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou a repórteres que a Rússia não notou nada realmente promissor ou que parecesse um avanço e disse que ainda há um longo período de trabalho pela frente.

A Ucrânia apresentou suas demandas ontem, terça-feira (29), quando negociadores dos dois lados se reuniram em Istambul, na Turquia.

A Rússia enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia em 24 de fevereiro, no que chamou de operação especial para degradar as capacidades militares de sua vizinha do sul e erradicar pessoas que diz serem nacionalistas perigosos.

As forças ucranianas montaram uma forte resistência e até agora impediram a Rússia de tomar qualquer grande cidade.

Os negociadores ucranianos disseram em Istambul que propuseram que a Ucrânia adote um status neutro em troca de garantias de segurança, o que significa que não se juntaria a alianças militares ou hospedaria bases militares para outros países.

As propostas, que entrariam em vigor apenas no caso de um cessar-fogo completo, também incluem um período de consulta de 15 anos sobre o status da península da Crimeia, que Moscou tomou da Ucrânia e anexou em 2014.

Peskov disse que o principal negociador russo nas negociações de paz fornecerá uma atualização ainda nesta quarta-feira – mas que a Crimeia faz parte da Rússia, e a Constituição russa impede discutir o destino de qualquer região russa com qualquer outra parte.

A Rússia disse em Istambul que reduziria drasticamente a atividade militar em torno de Kiev e da cidade de Chernihiv, no norte da Ucrânia, como um sinal de boa vontade.

Compartilhe