Fazenda

Rumores de troca de Mantega por Gerdau na Fazenda ganham força

Cargo do ministro da Fazenda está ameaçado e presidente precisa da força do empresariado, diz Relatório Reservado

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O cargo do ministro da Fazenda, Guido Mantega, vem sendo colocado à prova pela imprensa internacional. A reeleição de Dilma Rousseff custaria a demissão do ministro, que permanece no posto por um tempo recorde no Brasil – desde 2005 -, indicou a revista britânica The Economist no começo do mês. Com essa possível porta aberta no ministério, ganham força especulações de que o cargo seria ocupado por Jorge Gerdau. Há alguns meses que o nome de Gerdau já é cotado pela imprensa para assumir o cargo de Mantega.

Aos 75, presidente do conselho de administração de um dos maiores grupos siderúrgicos do País, com faturamento de R$ 65,6 bilhões no ano passado, Gerdau é hoje o empresário mais próximo do governo, e preside a Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade. E é essa influência que pode estar abrindo brechas para especulações sobre a Fazenda. 

Um ex-banqueiro com participações em empresas de infraestrutura voltou de Nova York nesta semana e contou ao Relatório Reservado que a pergunta predominante entre os jornalistas com quem conversou foi o “timing” para o desembarque de Mantega do cargo. 

Segundo a mesma fonte, as apostas nos Estados Unidos são de que o ministério seria representado por um empresário, numa percepção de que Dilma precisa elevar a confiança do empresariado na política macroeconômica, enquanto o governo “bate em ponta de faca” num esforço em tomar medidas contracíclicas e imediatas dirigidas à otimização das expectativas empresariais. 

Nas últimas semanas, o governo anunciou medidas de desoneração, ampliação do incentivo fiscal e pacotes de fomentos setoriais, sendo quase um comunicado por dia, mas a reação do mercado tem sido fraca, e chegou a um ponto em que especialistas indicam que existem no Brasil duas bolsas: uma que sofre com o governo e outra que mostra saltos robustos em 2012. 

Além disso, a desaceleração da economia é evidente: o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu apenas 0,6% no terceiro trimestre, metade do número esperado por Mantega.

Mas procurada pelo InfoMoney, a assessoria de Jorge Gerdau disse que não está em seus planos profissionais ou pessoais a aceitação de convites para cargos públicos, em adição às atividades que já exerce.