Bancos

Rombo do Banco Cruzeiro do Sul atinge R$ 3,1 bilhões

Para sanar o desequilíbrio, FGC lançará em nome próprio uma oferta de compra dos títulos emitidos pelo banco no mercado externo

Por  Lara Rizério

SÃO PAULO – O FGC (Fundo Garantidor de Crédito) lançará em nome próprio uma oferta de compra dos títulos emitidos pelo Banco Cruzeiro do Sul (CZRS4) no mercado externo. Essa oferta ocorrerá de forma a sanar suas contas financeiras, segundo informou a instituição financeira em regime de administração temporária em fato relevante o enviado nesta terça-feira (14).

De acordo com o FGC, esta foi a solução encontrada para resolver a situação complicada em que o Banco Cruzeiro do Sul passa. A instituição financeira registrou patrimônio líquido de R$ 3,1 bilhões na data-base de 30 de junho deste ano, indicando a necessidade de adoção de providências imediatas para a sua capitalização.

A proposta prevê a compra dos títulos pelo FGC, com a aplicação de um deságio, que considera o prazo de maturação de cada uma das séries das emissões, sua participação relativa no passivo do banco Cruzeiro do Sul e a sua senioridade, tendo encerramento previsto em 12 de setembro. Para estruturar essa operação, o fundo contratou os bancos HSBC e Bank of America Merrill Lynch. 

No mesmo período, e com prazo de encerramento previsto para a mesma data, o FGC ofertará a possibilidade de aquisição do controle acionário do Banco Cruzeiro do Sul às instituições ou conglomerados financeiros já em funcionamento no País, dentro de certas condições.

Dentre os requisitos, a entidade exige que a instituição interessada possua patrimônio líquido mínimo do grupo econômico compatível com o porte econômico da operação e superior a R$ 2,5 bilhões, além de garantias para o aporte de capital mínimo necessário, a ser feito em dinheiro. A inexistência de risco de crédito em operações de reestruturação celebradas anteriormente com o FGC e não ter pendência ou situação que possa inviabilizar sua aprovação imediata pelo BC também são condições exigidas pelo FGC.

Compartilhe