Perspectivas

Reunião “decisiva” na Grécia e mais 3 eventos para ficar de olho na semana que vem

Grécia e China voltarão a tomar conta dos noticiários macro, com a divulgação do PIB do gigante asiático podendo afetar a Vale

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A semana mais agitada do ano nem pareceu assim pelos 0,14% de alta que o Ibovespa registrou em meio a vitória do “não” em referendo na Grécia, medidas da China, paralisação nos mercados dos Estados Unidos e muitos outros acontecimentos marcantes. Nos próximos dias o principal evento a se monitorar é a reunião “decisiva” dos líderes da zona do euro para que a Grécia encaminhe suas propostas para um possível acordo com seus credores internacionais. Ainda no cenário externo, será divulgado na terça-feira o PIB (Produto Interno Bruto) da China para o segundo trimestre de 2015. 

Por aqui ainda teremos a divulgação do IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado por muitos uma prévia do PIB brasileiro. Para João Pedro Brugger, economista da Leme Investimentos, as previsões são de um crescimento de 0,5% do indicador, mas também pode haver queda devido aos dados desanimadores que têm sido divulgados nos últimos tempos, como a queda de 13,7% da produção industrial de São Paulo em maio na comparação anual. 

Segundo ele, a semana tem uma maior probabilidade de ser de baixa para o Ibovespa e alta para dólar e DI, já que apesar de toda a esperança que o mercado deposita nesta reunião da zona do euro, as negociações entre a Grécia e seus credores continuam nebulosas. “Pelo que a gente tem visto a [chanceler alemã Angela] Merkel e o [presidente francês François] Hollande querem um acordo. Mas aqui a gente já trabalha com o cenário de saída do país da zona do euro”, explicou. 

Aprenda a investir na bolsa

Com relação à China, a projeção da Leme Investimentos é de um avanço de 6,8% do PIB, em linha com a mediana das expectativas do mercado, mas abaixo da meta do governo, que é de entregar um crescimento de 7%. “Neste ponto, se os números forem ruins, ou seja, abaixo do que o mercado espera, o Ibovespa pode cair até os 50 mil pontos, mas não haverá muito impacto se eles forem bons”. As grandes impactadas pelos dados chineses são empresas ligadas a commodities, como a Vale (VALE3; VALE5). As siderúrgicas CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5) também podem reagir de forma negativa a números fracos. 

Confira os principais destaques da agenda da próxima semana:

Vendas no varejo
Na terça-feira (14), será divulgada a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), com os dados de vendas do varejo no Brasil referentes a maio. As projeções do mercado são de recuo de 0,2% mês a mês e de 3,7% na nase anual de comparação. O indicador sairá às 9h. Em relatório, o Credit Suisse destacou três fatores que sinalizam um crescimento menor no varejo. (1) O aumento da inflação de alimentos, de 6,6% no acumulado em 12 meses em abril para 7,9% em maio. (2) O menor número de dias úteis, com um dia a menos em maio na comparação com o mesmo mês do ano anterior e estabilidade em abril nessa mesma base de comparação. (3) O expressivo recuo das vendas de automóveis, conforme sugerido pela contração de -26,2% dos licenciamentos de automóveis novos em maio ante -24,4% em abril no indicador da Fenabrave.

Livro Bege do Fed
Também na semana que vem será divulgado o Livro Bege do Federal Reserve, relatório que compila dados econômicos trazidos pelos diversos Feds regionais do país. O indicador, como todos os que saem dos EUA, serve para que os investidores tenham uma ideia de em que pé está a recuperação da economia norte-americana e quando o Fed começará a elevar os juros. Ainda vale a pena ficar de olho no discurso da presidente do Fed EUA, Janet Yellen, no Senado às 11h da quinta-feira (16). 

Reunião do BCE
O Banco Central Europeu decidirá sobre a taxa de juros do bloco na quinta-feira às 8h45. As expectativas do mercado são de que a autoridade monetária mantenha as taxas em 0,05% ao ano, sem grandes novidades. “Acredito não haverá indicação de mudanças também no programa de estímulos [conhecido como Quantitative Easing], a menos que a Grécia sai do euro, o que poderia obrigar o BCE a fazer uma política mais forte de estímulo”, explica Brugger. 

LDO de 2016
Na semana que vem será votado o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO PLN 1/15) de 2016 depois de acabado o período para a apresentação de alterações ao texto. As emendas serão, agora, analisadas pelo relator do projeto da LDO, deputado Ricardo Teobaldo (PTB-PE), que deve entregar o relatório final na segunda-feira (13). A próxima reunião da comissão, em que a LDO 2016 pode ser votada, está marcada para as 11 horas de terça-feira (14).

PUBLICIDADE

Outros indicadores:

Initial Claims
Os pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos, serão divulgados também na quinta-feira (16), às 9h30. As expectativas do mercado são um número de 283 mil novos pedidos pelo benefício contra 297 mil na semana anterior. 

Produção industrial da zona do euro
A zona do euro divulgará a sua produção industrial em maio, para o qual espera-se um crescimento de 0,9%, contra os mesmos 0,9% no mês anterior.

Para conferir todos os eventos da semana, veja a agenda InfoMoney clicando aqui.