SUPER LIVES Elena Landau (economista e ex-diretora do BNDES) e Cassiana Fernandez (economista-chefe do JP Morgan) debatem o cenário econômico e a agenda de reformas no Brasil

Elena Landau (economista e ex-diretora do BNDES) e Cassiana Fernandez (economista-chefe do JP Morgan) debatem o cenário econômico e a agenda de reformas no Brasil

,

Resumo Semanal

,

arrow_forwardMais sobre

Na primeira semana com horário estendido de operação, o Ibovespa registrou pregões de forte volatilidade, mas fechou com alta de 1,76%, aos 58.487 pontos. O índice engatou uma forte alta na sexta-feira – de 1,44% -, influenciado principalmente pelos dados positivos do mercado de trabalho norte-americano.

Durante o período, as referências também ficaram com as atuações do governo nos setores de portos, imobiliário e infraestrutura. O índice também foi bastante influenciado pela continuidade das discussões sobre o abismo fiscal nos EUA, que também contribuíram para dar volatilidade à sessão, além da agenda mista da maior economia do mundo. Já no continente asiático, destaque para os sinais de recuperação econômica da China.

No começo da semana, nos EUA, Barack Obama garantiu que um acordo sobre o abismo fiscal poderia ser alcançado em uma semana, caso os republicanos aceitassem a proposta de impostos mais elevados para pessoas mais ricas. No entanto, os republicanos disseram que os conversas estavam em um impasse e que exigiram uma reunião com Obama para avançar com as negociações.

Estas discussões prosseguiram durante a semana, com o líder do partido republicano na Câmara dos Deputados, John Boehner, afirmando que a Casa Branca perdeu outra semana de negociações, que acabaram não avançando. O republicano afirmou ainda que as discussões sobre o orçamento dos EUA não são sérias.

Na agenda econômica do país, tanto notícias positivas quanto negativas movimentaram o mercado. A divulgação do indicador de atividade industrial nos EUA abaixo do esperado deprimiu os mercados na segunda-feira; entretanto, a criação de postos de trabalho nos EUA em novembro muito acima dos 90 mil estimados animaram na sexta-feira. A taxa de desemprego, cujas estimativas rondavam os 8%, despencou para 7,7%, a menor desde dezembro de 2008.

Governo brasileiro atua mais uma vez
Durante a semana, o governo brasileiro realizou novamente através de novas medidas de estímulo, agora atuando por duas frentes: o setor imobiliário e o de portos. A presidente da República, Dilma Rousseff, anunciou a desoneração da folha de pagamento nesta terça-feira durante evento para comemorar a entrega de um milhão de casas do programa Minha Casa, Minha Vida. A presidente também anunciou expansão do FGTS, de modo a trazer um novo impulso para o setor.

Para o setor portuário, o governo anunciou investimentos totalizando R$ 54,2 bilhões até 2017. O plano inclui investimentos de 31 bilhões em 2014 e 2015 e o restante entre 2016 e 2017, impulsionando a Santos Brasil. Mais uma vez, as elétricas estiveram no radar, com as decisões da Cesp, Cemig e Copel de não renovar as concessões da totalidade das usinas geradoras e transmissoras pelo governo.

Na agenda econômica brasileira, destaque ficou por conta do IPCA, que mostrou inflação de 0,60% em novembro, acima das expectativas de 0,50% do mercado. Em outubro, a alta nos preços foi de 0,59%, informou o IBGE. Esteve ainda no radar a ata da última reunião do Copom do Banco Central, que decidiu pela manutenção da Selic em 7,25% ao ano. Na minuta, o comitê repetiu que os juros devem permanecer no atual patamar por um “período suficientemente prolongado” de tempo.

Economia chinesa: recuperação e cautela
Na Ásia, o PMI da indústria chinesa animou os mercados, subindo para 50,6 em novembro – a maior leitura em sete meses, de acordo com dados oficiais. A melhoria do setor industrial do país foi confirmada pelo PMI do HSBC, o qual saltou para 50,5 na leitura final do mês passado.

PUBLICIDADE

Qualquer medição acima do patamar de 50 indica expansão da atividade. “Ainda é cedo para falar de um fim da desaceleração na China, mas os dados recentes foram certamente encorajadores”, afirma relatório do Danske Bank. Entretanto, há um sentimento de maior cautela dos próprios governantes. Um comunicado do novo líder chinês, Xi Jinping, afirmou que o país continuará a ajustar as políticas econômicas em 2013 para garantir crescimento estável.

Grécia segue no radar
No Velho Continente, a Grécia anunciou uma recompra de € 10 bilhões em títulos públicos, com objetivo de aliviar sua difícil situação financeira. O sucesso da operação é a chave para liberação da parcela de ajuda internacional congelada desde junho.

Atenas oferecerá aos detentores de dívida a aquisição de bônus, com vencimento entre 2023 e 2042, por um preço abaixo do nominal para conseguir reduzir a carga financeira do país em pelo menos € 20 bilhões.

No final da semana, o destaque ficou ainda para a reunião do BCE, decidindo pela manutenção dos juros na União Europeia, no patamar de 0,75% ao ano. Além disso, a autoridade alertou que buscará derrubar os rendimentos dos títulos soberanos com seu novo programa de compra de títulos – mas não fará isso com a Espanha até que um pedido formal seja realizado. O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, defendeu maior integração fiscal na zona do euro.

Cenário corporativo
No cenário corporativo, além da decisão sobre renovações das companhias elétricas, esteve em destaque os papéis da Marfrig, que tiveram forte baixa de 8,45%, aos R$ 27,16. A companhia enfrentou uma semana agitada, com a precificação dos ativos a R$ 8,00 em oferta pública primária, a perda de espaço na primeira prévia da carteira teórica do Ibovespa e o impasse envolvendo o frigorífico e o governo.

Recentemente, a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados pediu ao BNDES para que explicasse sua relação com o Marfrig. Por fim, esteve a redução do preço-alvo dos papéis pelo BTG Pactual, ao enxergar um cenário arriscado.

Em destaque ainda, estiveram as ações da MMX Mineração, que tiveram forte alta um dia antes da subscrição dos papéis, após o controlador Eike Batista se comprometer a comprar todas as ações que não fossem subscritas no aumento de capital. Assim, ele garantiu que a empresa fosse capitalizada em R$ 1,36 bilhão.

Esteve em pauta ainda a demissão pelo Santander Brasil de cerca de mil funcionários como parte de uma reestruturação organizacional do banco. A instituição bancária afirmou que a redução no quadro de funcionários representa aproximadamente 2 por cento de sua força de trabalho, de cerca de 55 mil empregados no país.

PUBLICIDADE

As demissões também atingiram a VSE – uma associação entre a Vale o BNDES e a Sygma, com operação no parque tecnológico de São José dos Campos -, com redução de de 220 funcionários no seu quadro de pessoal. A mineradora anunciou ainda redução de investimentos e de produção para 2013.

Agenda da próxima semana
Dentro da agenda para a próxima semana, os investidores ficarão atentos para a última reunião do ano do Fomc, o comitê de política monetária norte-americano. Os dados de produção industrial nos Estados Unidos também devem movimentar o mercado.

Outros destaques por lá ficam por conta da divulgação do orçamento governamental, apresentado pelo Departamento do Tesouro. Enquanto isso o Departamento de Comércio divulga a balança comercial mensal norte-americana.

Na agenda doméstica, o destaque fica com o vencimento de opções sobre ações e contratos de Ibovespa Futuro. Além disso, os investidores se atentarão ao IBC-Br de outubro, considerado uma prévia do PIB a ser divulgado pelo Banco Central. Enquanto isso, teremos a Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada pelo IBGE.