,

Resumo Diário

,

arrow_forwardMais sobre

Operando todo o dia no positivo, mas nem por isso com menor volatilidade, o Ibovespa iniciou a semana em alta, no primeiro dia de pregão regular até às 17h30 (horário de Brasília), na tentativa de reduzir a diferença com o período de funcionamento do mercado dos EUA. O benchmark da bolsa registrou alta de 1,27%, aos 58.202 pontos, ganhando forças no final da sessão.

Vale ressaltar que, por volta das 14h, após a divulgação do indicador de atividade industrial nos EUA abaixo do esperado, o índice quase chegou a zerar os ganhos, chegando a ter alta de apenas 0,01%; entretanto, ele voltou a ganhar forças a partir de então. O giro financeiro foi de R$ 6,90 bilhões.

Mais cedo, os investidores se mostraram otimistas com os dados da indústria da China e a possível liberação da ajuda internacional à Grécia. Também chamou a atenção dos investidores o aviso de Timothy Geithner, secretário do tesouro norte-americano, que o partido Republicano aceitará o aumento de impostos por lá.

Já na Ásia, o PMI da indústria chinesa subiu para 50,6 em novembro – a maior leitura em sete meses, de acordo com dados oficiais. A melhoria do setor industrial do país foi confirmada pelo PMI do HSBC, o qual saltou para 50,5 na leitura final do mês passado.

Qualquer medição acima do patamar de 50 indica expansão da atividade. “Ainda é cedo para falar de um fim da desaceleração na China, mas os dados recentes foram certamente encorajadores”, afirma relatório do Danske Bank.

Ações da CESP lideram ganhos
Em um dia em que boas partes das elétricas estiveram no radar, as ações da Cesp registraram a maior alta da sessão, com ganhos de 8,71%, aos R$ 18,97, em meio aos rumores de que a empresa não renovaria antecipadamente as concessões de energia. As ações das imobiliárias também tiveram ganhos, com destaque para a Gafisa, em meio às expectativas por novos estímulos do governo.

Na outra ponta, estiveram as ações da Transmissão Paulista, com perdas de 2,40%, aos R$ 30,50, após chegar a ter queda de 10,98%, em meio à recomendação do conselho da companhia para renovar concessões.

Enquanto isso, os papéis da Marfrig recuaram 6,72%, atingindo os R$ 10,82, após o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) ser convocado a explicar a sua relação com a companhia. Por sua vez, os papéis ordinários da Eletrobras apresentaram queda de 2,35%, aos R$ 7,47.

Recompra de dívida
No Velho Continente, a Grécia anunciou uma recompra de € 10 bilhões em títulos públicos, com objetivo de aliviar sua difícil situação financeira. O sucesso da operação é a chave para liberação da parcela de ajuda internacional congelada desde junho.

PUBLICIDADE

Atenas oferecerá aos detentores de dívida a aquisição de bônus, com vencimento entre 2023 e 2042, por um preço abaixo do nominal para conseguir reduzir a carga financeira do país em pelo menos € 20 bilhões. A oferta ocorrerá às 17h00 – horário de Londres – em 7 de dezembro.

Em meio aos preparativos da oferta, os ministros de Finanças da zona do euro se reúnem nesta segunda-feira em Bruxelas. A chanceler alemã, Angela Merkel já admitiu, em entrevista ao jornal “Bild am Sonntag”, a possibilidade de um segundo perdão da dívida grega dentro de alguns anos, desde que o governo siga o roteiro de austeridade defendido pelos credores internacionais.

Outras referências
Na agenda europeia, o PMI do setor industrial da zona do euro subiu para 46,2 em novembro, de acordo com o instituto de pesquisas Markit. O número marca o patamar mais alto em oito meses, mas também o décimo sexto mês de deterioração da atividade – abaixo do nível de 50 pontos.

Já na agenda doméstica, o Boletim Focus do Banco Central mostrou novos cortes nas projeções de crescimento econômico para 2012 e 2013. As estimativas para Selic e a inflação oficial foram mantidas em relação a semana passada. Por fim, esteve a balança comercial reportada pelo MDIC, registrando um déficit de US$ 186 milhões no mês de novembro.

Dólar
O dólar comercial fechou em queda de 0,48% terminando a R$ 2,1205 na venda.

Renda Fixa
As taxas dos principais contratos de juros futuros fecharam em queda na sessão, refletindo as estimativas para baixo do PIB pelo relatório Focus. O contrato de juros de maior liquidez nesta segunda-feira, com vencimento em janeiro de 2015, registrou baixa de 0,07 ponto percentual, aos 7,76% ante 7,83%. 

No mercado de títulos da dívida externa, o título brasileiro mais líquido, o Global 40, fechou estável, a 126,86% do valor de face. Já o indicador de risco-País fechou em baixa de um ponto-base, aos 152 ante 153 pontos do dia anterior, com baixa de 0,65%.