,

Resumo Diário

,

arrow_forwardMais sobre

O Ibovespa teve a sua terceira alta nesta quinta-feira, após registrar queda durante todo o dia, mesmo com a expansão acima do estimado do PIB dos Estados Unidos. Este movimento ocorreu no final do pregão, na esteira dos maiores ganhos da bolsa norte-americana, em meio às declarações do líder da Câmara dos Deputados Republicano, John Boehner.

Com isso, o benchmark da bolsa fechou em leve alta de 0,46%, aos 61.276 pontos, após ter chegado a cair 0,62% na sessão, renovando assim a máxima desde 24 de setembro, quando atingiu os 61.909 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,52 bilhões.

Com a votação sobre o “plano B” ocorrendo no Senado, o republicano John Boehner defendeu a proposta de encargos mais altos para os que ganham mais de US$ 1 milhão ante a proposta de Obama para US$ 400 mil, afirmando que está protegendo a população norte-americana de um aumento de impostos. Apesar de ver otimismo com relação à chegada a um acordo, Boehner afirmou que os democratas fizeram muito pouco pelos EUA e que a principal questão é a fiscal.

Blue chips diminuem perdas
Durante boa parte da sessão, as principais blue chips da bolsa brasileira pressionaram o índice, mas também chegaram a registrar menores quedas ou até leve altas no final da sessão. Os papéis da Vale, Petrobras e OGX Petróleo fecharam em leve alta, enquanto Itaú Unibanco e Bradesco terminaram em perdas. Enquanto isso, a PDG Realty, registrou a terceira maior alta do índice, após ficar estável durante a manhã.

Dentre as maiores quedas do Ibovespa na sessão, estiveram os papéis da Ambev, com baixa de 2,86%, aos R$ 86,65, seguidos pelos da Cia. Hering e da ALL Logística, com baixas respectivas de 2,84% e 2,68%, aos R$ 42,75 e R$ 8,35. Já as ações da BM&FBovespa registraram queda de 2,31%, aos R$ 13,97. Em contraponto, estiveram as ações da LLX Logística, com ganhos de 5,43%, seguida pelos papéis da Cetip, com alta de 4,51%, aos R$ 25,50.

Agenda norte-americana
A terceira prévia do PIB dos Estados Unidos referente ao terceiro trimestre de 2012 apontou que a economia teve avanço de 3,1% em bases anuais, ficando acima das projeções dos analistas, que esperavam uma expansão de 2,7% na atividade econômica.

PIB brasileiro a 1%
Já por aqui o Banco Central cortou a estimativa para o PIB brasileiro, faltando apenas 11 dias para terminar o ano. Antes projetado em 1,6%, agora o crescimento foi revisto para 1% neste ano, conforme publicado no Relatório Trimestral de Inflação.

Além disso, o fim da última tarde foi marcado por alguns estímulos. O ministro da Fazenda Guido Mantega desonerou a folha de pagamentos para o comércio varejista, em uma renúncia de R$ 1,27 bilhão no próximo ano e de R$ 2,1 bilhões em 2014, assim como estendeu a redução do IPI para carros, eletrodomésticos, móveis e materiais de construção.

Agenda norte-americana
A terceira prévia do PIB dos Estados Unidos referente ao terceiro trimestre de 2012 apontou que a economia teve avanço de 3,1% em bases anuais, ficando acima das projeções dos analistas, que esperavam uma expansão de 2,7% na atividade econômica.

PUBLICIDADE

PIB brasileiro a 1%
Já por aqui o Banco Central cortou a estimativa para o PIB brasileiro, faltando apenas 11 dias para terminar o ano. Antes projetado em 1,6%, agora o crescimento foi revisto para 1% neste ano, conforme publicado no Relatório Trimestral de Inflação.

Além disso, o fim da última tarde foi marcado por alguns estímulos. O ministro da Fazenda Guido Mantega desonerou a folha de pagamentos para o comércio varejista, em uma renúncia de R$ 1,27 bilhão no próximo ano e de R$ 2,1 bilhões em 2014, assim como estendeu a redução do IPI para carros, eletrodomésticos, móveis e materiais de construção.

Dólar
O dólar comercial fechou em queda de 0,31% e terminando a R$ 2,0640 na venda.

Renda Fixa
As taxas dos principais contratos de juros fecharam em leve alta. O contrato de juros de maior liquidez nesta sexta-feira, com vencimento em janeiro de 2013, fechou aos 6,96%, com alta de 0,02 ponto percentual em relação à sessão anterior. 

No mercado de títulos da dívida externa, o título brasileiro mais líquido, o Global 40, fechou em alta de 0,01%, a 126,56% do valor de face. Já o indicador de risco-País fechou com queda de quatro pontos-base, aos 136 pontos ante 134 pontos da sessão anterior, registrando alta de 1,49%.