Balanço em destaque

Assaí (ASAI3) lucra R$ 319 milhões no 2º trimestre, alta de 20,7% na base anual

Resultado veio acima da média projetada pelo mercado; receita líquida somou R$ 13,291 bilhões no 2T22, alta de 33% na base anual

Por  Equipe InfoMoney -

O Assaí (ASAI3) divulgou seus resultados do segundo trimestre de 2022 (2T22) com um lucro líquido de R$ 319 milhões, um crescimento de 20,7% na comparação anual, informou a empresa de “atacarejo” nesta quarta-feira (27).

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado cresceu 29,9% no 2T22, totalizando R$ 978 milhões.

O resultado superou as estimativas. A projeção do consenso Refinitiv era de um lucro de R$ 210 milhões para a companhia, enquanto a projeção para o Ebitda era de R$ 928 milhões.

De acordo com a empresa, o desempenho é resultado do forte volume de vendas, advindo da bem-sucedida estratégia comercial, e do maior controle de despesas, mesmo diante da expansão acelerada e do contexto de juros elevados que impactou o resultado financeiro.

Leia também:

Já a margem Ebitda ajustado atingiu 7,4% entre abril e junho, alta de 0,8 p.p. frente a margem registrada em 2T21, decorrente da estratégia comercial bem sucedida e maior diluição e controle das despesas mesmo diante da forte expansão.

A receita líquida somou R$ 13,291 bilhões no 2T22, alta de 33% na comparação com igual etapa de 2021; a projeção Refinitiv era de receita de R$ 13,22 bilhões.

Segundo Assaí, o crescimento da receita se deve à forte contribuição da expansão orgânica nos últimos 12 meses, com a abertura de 33 novas lojas, bem como pelo avanço das vendas ‘mesmas lojas’, com crescimento duplo-dígito de +14,7%, mesmo diante de significativa base de comparação (+9,2%).

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 328 milhões no segundo trimestre de 2022, um aumento 97% na comparação com a mesma etapa de 2021.

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 2,145 bilhões no segundo trimestre de 2022, um aumento de 27,5% na comparação com igual etapa de 2021. A margem bruta foi de 16,1% no 2T22, um recuo de 0,7 p.p. frente a margem do 2T21.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 1,199 bilhão no 2T22, um crescimento de 25,4% em relação ao mesmo período de 2021.

Em 30 de junho de 2022, a dívida líquida da companhia era de R$ 8,096 bilhões, um crescimento de 61,2% na comparação com a mesma etapa de 2021.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 2,72 vezes em junho/22, queda de 0,82 vez em relação ao mesmo período de 2021.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe