Varejo

Americanas (AMER3) tem prejuízo de R$ 137 milhões no 1º tri, queda de 38%

Ebitda ajustado foi o maior já registrado pela empresa, apesar do impacto negativo da inflação nas despesas

Por  Equipe InfoMoney -

A Americanas (AMER3) registrou prejuízo líquido de R$ 137 milhões no primeiro trimestre, montante 38,8% inferior ao do mesmo período do ano passado, de R$ 224 milhões.

Conforme a empresa, desconsiderando os efeitos não recorrentes do ágio da Local, no valor de R$ 100,9 milhões, o resultado líquido seria negativo em R$ 238,2 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado aumentou 57,9%, para R$ 660 milhões. A margem Ebitda ajustada aumentou 1,9 ponto porcentual, a 9,8%.

Segundo a empresa, o Ebitda ajustado foi o maior da história da empresa, “apesar do impacto negativo da inflação nas despesas”.

A empresa destacou que a margem foi beneficiada por ganhos com as sinergias da combinação de negócios, a monetização da Ame e as iniciativas de crescimento sustentável.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 462,8 milhões, crescimento de 82,3% em relação ao 1T21, sob efeito, basicamente, da elevação da taxa básica de juros.

Receitas da Americanas (AMER3)

A receita líquida atingiu R$ 6,765 bilhões, aumento de 28,4%. As vendas mesmas lojas avançaram 10,3% de janeiro a abril, para eliminar descasamento de efeito páscoa.

Enquanto isso, o lucro bruto somou R$ 2,064 bilhões, aumento de 30%, gerando uma margem bruta de 30,5% (+0,04 pp).

O volume bruto de mercadorias (GMV, na sigla em inglês) total atingiu R$ 14,202 bilhões, aumento de 21,7%, com GMV de parceiros somando R$ 6,197 bilhões (+16,9%).

O crescimento GMV “é reflexo da boa performance em todas as plataformas de negócios, com o físico crescendo 27% e o digital crescendo 20%, novamente acima da média dos nossos concorrentes, mesmo diante de uma base desafiadora (+89% no 1T21) e dos impactos do incidente de segurança ocorrido em fevereiro.”

Conforme a empresa, foram adicionados 4 milhões de clientes no período de 12 meses, com a base ativa atingindo 52 milhões ao final do primeiro trimestre, Houve crescimento de 20% no número de itens vendidos e de 17% das transações no período.

No período, a companhia ampliou seu sortimento em 37% nos últimos doze meses, totalizando 136 milhões de ofertas disponíveis.

“A baixa dependência de algumas categorias de tíquete médio alto, somada à alta recorrência de compras e à credibilidade conquistada junto aos clientes, ajudam a explicar essa performance.

Dívida e investimentos

A dívida líquida da Americanas encerrou o período em 1,568 bilhão, com um prazo médio de 1.940 dias. Um ano antes, a empresa tinha caixa líquido de R$ 4,800 bilhões. Para fins de comparabilidade, foi apresentado o endividamento de Lojas Americanas consolidado em dezembro de 2020.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe