Em mercados / renda-fixa

Espanha vende dívida com juro maior, em meio às incertezas sobre resgate

Declarações da vice primeira-ministra espanhola, de que o país precisa saber quanto o BCE comprará com os títulos antes de decidir se pedirá um resgate, corroborou com a cautela do mercado

Asturias - crise - Espanha - viagem - touro
(Getty Images)

SÃO PAULO - Com uma redução de apetite para risco no mercado, o rendimento nos títulos públicos de países considerados mais problemáticos têm aumento mais expresivo. A declaração do FMI (Fundo Monetário Internacional), de que cortará a previsão de crescimento global para este ano, colaborou para calibrar a cautela do mercado.

A Espanha realizou leilão de títulos de curto prazo, e teve que pagar yield acima do que o da venda anterior, passando de 0,946% em agosto para 1,203% na manhã desta terça-feira (25).

Os papéis de dívida da Espanha e da Itália recuam com a preocupação de que o cenário de déficit dos países está se deteriorando. A vice primeira-ministra espanhola Soraya Saenz de Santamaria disse que o país precisa saber quanto o BCE (Banco Central Europeu) gastará com os títulos antes de decidir se pedirá ou não um resgate à autoridade monetária.

País Rendimento Variação Spread vs. Bund*
Grécia 19,43% -0,01% +17,87
Portugal 8,78% +1,35% +7,22
Itália 5,11% +1,21% +3,55
Espanha 5,76% +1,07% +4,69
França 2,27% +0,44% +1,83
Alemanha 1,56% +0,90% -

* Diferença calculada em pontos percentuais. Fonte: Bloomberg

Entenda: quanto maior, pior
Os títulos públicos são uma das maneiras que os governos possuem para se financiar, enquanto a variação diária dos rendimentos decorre das negociações no mercado secundário. O juro pago pelo governo e o valor do papel são definidos no momento da emissão dos títulos, mas este último sofre variação no mercado secundário.

Assim, quanto mais arriscado um investimento, maior será o prêmio demandado pelos investidores no mercado secundário. Portanto, o valor do título recua e, consequentemente, o rendimento no mercado secundário aumenta. Tal variação positiva é uma indicação de que caso o governo opte por emitir novos papéis o custo para se financiar deverá ser maior.

 

Contato