Em mercados / renda-fixa

Juros futuros sobem no curto prazo e caem nos contratos mais longos na BM&F

Agentes repercutem o aumento da inflação no cenário doméstico e a crise da Zona do Euro e nos Estados Unidos

SÃO PAULO – As taxas dos principais contratos de juros futuros fecharam em rumos opostos nesta terça-feira (6), com contratos mais curtos em alta e os mais longos em queda, dianto do aumento da aversão ao risco, principalmente em razão da crise da dívida da Zona do Euro e das preocupações em torno da economia dos Estado Unidos.

No mercado interno, os agentes acompanharam a divulgação de indicadores de inflação que apresentaram aceleração. Para o economista-chefe da Gadual Investimentos, André Perfeito, os resultados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) “não são ruins, mas levando-se em conta a atual estratégia de implementação da política monetária no país a impressão que dá é que o copo está meio cheio, e não meio vazio”.

Segundo o economista, vale apontar que o momento de estresse nos mercados internacionais irá segurar “na marra” a curva de juros para baixo, “mas isto não quer dizer que a inflação esteja por si só controlada por aqui”.

Agenda econômica
Na agenda dia, o destaque fica por conta do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que divulgou nesta manhã o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do mês de agosto - utilizado pelo Governo como referência para o sistema de metas de inflação, que apresentou resultado de 0,37%, aceleração de 0,21% em relação ao mês anterior, quando marcou taxa de 0,16%.

Outro indicador divulgado pelo IBGE nesta data, o INPC (índice nacional de preços ao consumidor) apresentou variação de 0,42% em agosto, 0,49% acima do apontado em agosto de 2010.

Apontando sentido contrário das úiltimas medições, o IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) marcou inflação de 0,61% em agosto. O resultado, que indica variação positiva de 0,66% em relação a julho, foi divulgado na manhã desta segunda-feira pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Contrato de janeiro de 2012 fechou com taxa de 11,40%
O contrato de juros de maior liquidez nesta terça-feira, com vencimento em janeiro de 2012, registrou uma taxa de 11,40%, 0,03 ponto percentual acima do fechamento de segunda-feira.

A seguir confira o fechamento das taxas dos principais contratos de juros futuros na BM&F:

Vencimento Taxa atual Taxa anter Diferença Contr Neg
 Outubro de 2011 11,88 11,89 -0,01 11.665
 Novembro de 2011 11,77 11,75 +0,02 8.475
 Dezembro de 2011 11,60 11,59 +0,01 14.500
 Janeiro de 2012 11,40 11,37 +0,03 383.580
 Abril de 2012 11,03 10,96 +0,07 4.150
 Julho de 2012 10,81 10,76 +0,05 165.525
 Outubro de 2012 10,71 10,63 +0,08 1.905
 Janeiro de 2013 10,62 10,57 +0,05 376.615
 Abril de 2013 10,59 10,62 -0,03 949
 Julho de 2013 10,70 10,69 -0,01 16.155
 Outubro de 2013 10,75 10,81 -0,06 2.485
 Janeiro de 2014 10,84 10,85 -0,01 137.125
 Julho de 2014 11,00 11,04 -0,04 50

 

Contato