Preocupação

Recessão à vista? Por que o mercado tem tanto medo da inversão da curva de juros nos EUA

Mercado tem mostrado cada vez mais preocupação com a possibilidade de uma recessão na maior economia do mundo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Desde o ano passado tem aumentado o debate no mercado sobre a proximidade de uma recessão nos Estados Unidos. E, no fim da semana passada, foi dado mais um forte sinal de que a maior economia do mundo pode estar caminhando para este cenário: a inversão de curva de juros.

O que aconteceu é que o yield (rendimento) dos títulos do Tesouro norte-americano de curto prazo (neste caso, de 3 meses) agora está acima do yield da título de longo prazo (10 anos), algo que não acontecia desde 2007. Mas será que isso realmente indica que uma recessão pode estar a caminho?

Basicamente, esta interpretação ocorre porque a curva de juros está diretamente relacionada à expectativa de inflação. Ou seja, o yield de longo prazo tende a ser maior que o curto porque a expectativa “normal” é que a economia cresça, e com isso a inflação também avance.

PUBLICIDADE

Neste cenário, se o título de curto prazo agora está maior, é sinal de que o mercado está precificando que a inflação de longo prazo será menor do que está hoje, mostrando que sua expectativa é que a economia norte-americana não vá crescer.

Para pesquisadores do Federal Reserve de São Francisco, a reversão entre os yields de 3 meses e 10 anos é o sinal mais confiável de recessão futura. Nesta terça-feira (26) o título de 10 anos era negociado a 2,412%, enquanto o de 3 meses estava na casa de 2,456%

As inversões desse spread precederam as últimas sete recessões do país, incluindo a de 2007-2009, segundo o Fed de Cleveland, que afirma ainda que existiram apenas dois falsos positivos: uma inversão no final de 1966 e uma curva “muito plana” no final de 1998.

No fim de semana, o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, disse que a inversão da curva de juros indica probabilidade ligeiramente maior de a economia americana entrar em recessão. Por outro lado, ele ressaltou que a tendência de achatamento da curva de juros não é uma surpresa.

Em entrevista à TV Bloomberg, Evans também comentou que o crescimento dos EUA deverá ser mais fraco neste primeiro trimestre, mas previu uma recuperação da atividade já no trimestre seguinte.

Diante destes sinais, é comum ver o mercado ligar o modo “pânico” quanto um evento como este acontece, mas é preciso avaliar com calma o cenário. Nem todos os especialistas acreditam que haverá uma recessão em breve e, mesmo para os que acreditam nesta virada da economia, avaliam que não será no curto prazo.

PUBLICIDADE

A curva inverteu, mas não entre em pânico
Diante do caso que se instalou no mercado por conta desta virada, muitos economistas e analistas foram à público dizer que não é preciso se preocupar com esta reversão do juros. É o caso da ex-presidente do Fed, Janet Yellen, que não vê este evento como um sinal de que a economia irá entrar em recessão, mas que isso pode sinalizar a necessidade de corte nas taxas de juros.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

“Não, não visualizo isso como um sinal de recessão”, afirmou em evento realizado pelo Credit Suisse. “Ao contrário de tempos passados, existe uma tendência agora para a curva de yield ser muito flat”, explicou, dizendo ainda que a inversão da curva agora é mais fácil de ocorrer. Isso porque os esforços extraordinários de estímulos feitos pelo Fed e outros Bancos Centrais pelo mundo para comprar títulos de dívida têm levado a um “achatamento” da curva, o que leva a uma inversão temporária dela. 

Em relatório para clientes, a estrategista-chefe da Schwab & Co., Liz Ann Sonders, destaca que é preciso avaliar os efeitos na economia. Quando a curva está “normal” (taxas curtas menores que as longas), “os bancos podem emprestar de forma lucrativa à medida que ganham o spread, tomando empréstimos no curto prazo e emprestando no longo prazo”.

“Mas, uma vez que a curva se inverte, a ausência de lucratividade leva a empréstimos compactados, com o consequente aperto nas condições de crédito, contribuindo para uma recessão”, escreve a estrategista. Ela ressalta ainda que não se sabe se esta inversão é um cenário único ou se irá durar por um tempo longo.

Por outro lado, há esperança com a liquidez ainda alta em meio a spreads de crédito apertados. “O ROIC (Retorno Médio sobre o Capital Investido) para as empresas dos EUA permanece acima das taxas de curto e longo prazo, enquanto taxas menores de longo prazo são cada vez mais favoráveis ao segmento habitacional da economia americana”, explica Sonders.

O Goldman Sachs também ficou no time das instituições que não acreditam que seja momento para entrar em pânico. Para os analistas Alessio Rizzi e Christian Mueller-Glissmann, a proporção da curva de juros invertida não é tão alta quanto nas recessões anteriores, e parte da razão pela qual os rendimentos do Tesouro de 10 anos caíram pode ser atribuída a dinâmicas fora dos EUA.

Por um lado, os rendimentos dos títulos de 10 anos caíram abaixo das taxas de três meses, mas seguem acima dos títulos de dois anos. “O risco de recessão permanece um pouco baixo, mesmo em meio a um ambiente de retornos mais baixos”, escreveram os estrategistas do Goldman. Embora o cenário econômico, na verdade, possa ser menos favorável, prejudicando o crescimento do lucro, “os ativos de capital e de risco em geral podem ter desempenho positivo com uma curva de juros uniforme”, afirmaram.

Já o estrategista Matthew Hornbach, do Morgan Stanley, acredita que a inversão de três meses e dez anos precisaria continuar pelo menos até a reunião de política monetária do Federal Reserve de junho, antes que os formuladores de políticas se sentissem desconfortáveis. “Se continuar além disso, o Fed pode começar a contemplar as ações necessárias para manter a festa”, afirmou.

Segundo os analistas Matheus Soares e Thiago Salomão, da Rico Investimentos, é importante ficar atento a este cenário já que qualquer mudança brusca na política monetária dos EUA afetará os mercados do mundo todo.

Eles lembram que, embora o juro baixo nos EUA seja positivo para as economias emergentes no curto prazo, no longo prazo o impacto de uma recessão da maior economia do mundo pode rapidamente ofuscar isso e levar a um cenário negativo.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos