Radar InfoMoney

Reajuste da Petrobras surpreende e gera ruído; Funcef pode vender fatia na Vale e mais 7 notícias

Confira os principais destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira

SÃO PAULO – Além do noticiário econômico bastante movimentado, com o mercado atento aos dados dos EUA, o grande destaque desta sexta-feira fica para o reajuste do diesel pela Petrobras. Chama a atenção ainda a notícia do Estadão do rombo de cerca de R$ 3 bilhões da Funcef, que estuda vender fatia na Vale. Confira estes e outros destaques desta sexta-feira (6):

Petrobras (PETR3PETR4)
A Petrobras decidiu elevar o preço do diesel nas refinarias em 6,1%, em média, com os novos valores passando a ser válidos a partir desta sexta. O preço da gasolina nas refinarias ficou inalterado. Segundo a estatal, o aumento é explicado principalmente “pelo efeito da continuada, embora mais discreta, elevação dos preços do petróleo nos mercados internacionais, pela valorização do real desde a última revisão de preços e por ajustes na competitividade da Petrobras no mercado interno de gasolina e diesel”.

A companhia ressaltou ainda que as revisões refletem também movimentos sazonais nas cotações globais dos derivados, com os preços do diesel respondendo a uma maior demanda em função de inverno no hemisfério norte. De acordo com a Petrobras, se o ajuste feito hoje for integralmente repassado e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode subir 3,8% ou cerca de R$ 0,12 por litro em média.

PUBLICIDADE

A decisão da companhia de não elevar o preço da gasolina surpreendeu o Itaú BBA. “A ausência de um aumento de preços para a gasolina foi surpreendente, dado o desconto ante a paridade internacional, o que sem dúvida exigiria um aumento de preços agora”, segundo relatório assinado por Diego Mendes e André Hachem. Segundo eles, o fato de que não houve mudança no preço da gasolina poderia levantar algumas perguntas sobre a racional dos ajustes e será um ponto a ser monitorado. 

“O desconto da gasolina ante a paridade das importações permaneceu estável em relação ao último aumento de preços implementado em 6 de dezembro e abre espaço para novos aumentos de preços”, apontam. Agora, o preço do diesel está com um prêmio de 10% em relação à paridade das importações, enquanto o preço da gasolina está com um desconto de 5%, assumindo custos de importação de US$ 12 o barril. Para o Bradesco BBI, a manutenção da gasolina também foi uma surpresa, mas os analistas não consideram que essa decisão tenha sido tomada visando o controle da inflação. 

Já a LCA Consultores aponta que, segundo os acompanhamentos dos preços internos e externos destes derivados, não haveria necessidade do reajuste do diesel. “Provavelmente, foi relevante nesta decisão a perspectiva de alta sazonal do consumo e, portanto, do preço do diesel nos EUA durante o inverno”, afirma a consultoria.

Ainda no noticiário, a Petrobras afirmou que “não procede qualquer informação” sobre a venda da refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, para a francesa Total. A informação da venda está no site do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA), coordenado pelo sindicalista Deyvid Bacelar, ex-membro do conselho de administração da estatal.

No site do sindicato aparece em caráter de denúncia, dizendo que a intenção da estatal era negociar todo o sistema logístico da RLAM, incluindo o terminal de Madre de Deus e as tubovias interligadas à refinaria. Vale lembrar que a Petrobras vendeu uma série de unidades na Bahia em dezembro, por US$ 2,2 bilhões.

Por fim, o jornal O Globo informa que a estatal, dando continuidade à sua política de reduzir ao máximo os custos operacionais, não renovou contratos com a Hope e a Personal Service, resultando no desligamento de 3.133 empregados no dia 25 de dezembro do ano passado. Esses empregados terceirizados trabalhavam na área administrativa principalmente no Rio de Janeiro. Desde 2016 já na gestão de Aldemir Bendine, a Petrobras iniciou um programa de forte redução de pessoal terceirizado que trabalhava na companhia, além da redução do quadro próprio com o lançamento dos Programas de incentivo ao desligamento voluntário.

PUBLICIDADE

Vale (VALE3VALE5)
A Vale Fertilizantes, da mineradora brasileira Vale, informou nesta quinta-feira que as operações de sua unidade 2, em Cubatão (SP), foram paralisadas após incêndio em uma correia transportadora, que alimenta o armazém da unidade de nitrato de amônio do complexo industrial.

Não há relatos de vítimas, segundo informação da Defesa Civil do Estado. Entretanto, a empresa explicou que durante o combate às chamas um bombeiro passou mal e foi atendido. O incêndio não atingiu outras unidades da empresa. Em atividade desde 1970, a Unidade 2 produz fertilizantes fosfatados e nitrogenados, segundo informações da empresa. O complexo tem capacidade anual de produção de 209 mil toneladas de amônia, 299 mil toneladas de ácido nítrico, 456 mil toneladas de ácido sulfúrico, 146 mil toneladas de ácido fosfórico, dentre outros insumos.

Em dezembro, a Vale anunciou a venda de ativos de fertilizantes para a Mosaic por aproximadamente 2,5 bilhões de dólares, mas o negócio excluiu unidades da mineradora em Cubatão (SP). A ideia da companhia é explorar a venda dos ativos em Cubatão ao longo deste ano. 

Além disso, o Estadão afirma que o Fundo de pensão dos funcionários da Caixa, o Funcef, terá déficit pelo 5º ano consecutivo e diretoria já discute a possibilidade de vender algumas participações relevantes, como investimentos na Vale, na hidrelétrica de Belo Monte e também na Odebrecht Utilities, diz O Estado de S. Paulo, citando pessoas não identificadas próximas à Funcef. 

A estimativa é de que 2016 tenha registrado perdas ao redor de R$ 3 bilhões, o que elevaria o déficit acumulado, desde 2012, para cerca de R$ 18 bilhões, diz o jornal, citando as fontes. Carlos Vieira, presidente da Funcef, disse ao jornal que ainda não é possível falar sobre desempenho de 2016 porque o balancete de dezembro não foi fechado. Em julho, o fundo registrava déficit de R$ 3 bilhões, disse Vieira ao jornal, mas, em função da valorização da bolsa nos últimos meses do ano, é possível que esse déficit tenha ficado menor. 

Vieira disse ao jornal que nenhuma decisão foi tomada sobre as possíveis vendas de ativos, principalmente a da participação na Vale, ressaltando o caráter sigiloso de algumas transações. A renegociação do acordo de acionistas da Valepar, controladora da Vale, prevista para ocorrer neste ano pode abrir caminho para que o fundo decida sair do investimento, diz o jornal, citando fontes não identificadas. O Funcef já teria contratado assessores para buscar potenciais compradores, segundo o Estadão.

Oi (OIBR4)
O Hedge fund liderado pelo bilionário Paul Singer, Eliott Management, prepara nova proposta de investimento para revitalizar a Oi, segundo 4 pessoas familiarizadas com os planos ouvidas pela Bloomberg.  

O plano revisado, que deve ser apresentado à Oi nas próximas semanas, tem como objetivo proporcionar um meio termo entre os diversos grupos de interessados na Oi, incluindo detentores de dívidas, acionistas e reguladores, disseram as pessoas. A Elliott está trabalhando com Lazard como assessor, uma das pessoas disse. 

A Elliott tentará mostrar que o fundo pode ser um parceiro com experiência em investir em dívidas inadimplentes na América Latina, assim como em telecomunicações, disseram as pessoas. Tanto a Elliott quanto a Oi não quiseram comentar. A Lazard não respondeu a e-mails pedindo comentários

O Elliot já apresentou uma proposta para investir até R$ 10 bilhões na companhia, disseram 2 pessoas próximas à negociação em outubro do ano passado. A Oi disse, em 5 de outubro, que negociações terminaram sem uma oferta firme do fundo com sede em Nova York. Em dezembro, um grupo de credores assessorados pela Moelis & Co., e formado pelo bilionário egípcio Naguib Sawiris e agências de crédito à exportação, apresentou proposta formal de conversão de R$ 24,8 bilhões de dívida em 95% do capital da Oi. O grupo rival de credores, assessorados pela G5 Evercore, discordou da proposta, disse Corrado Varoli, presidente da G5, alegando que Sawiris ficaria com fatia muito grande na Oi em relação ao valor investido. O plano de recuperação apresentado pela Oi em setembro encontrou resistência dos credores por não propor a conversão imediata da dívida em ações.

Já a Anatel ( Agência Nacional de Telecomunicações) deve anunciar nesta sexta-feira aprovação para a participação do grupo investidor Société Mondiale no conselho de administração da operadora em recuperação judicial Oi, disse à Reuters uma fonte a par do assunto. Em novembro, a Anatel havia suspenso dois membros do Conselho de Administração da Oi indicados pelo grupo. A suspensão era válida até que fosse decidido se o Société Mondiale precisa de consentimento da Anatel para se juntar ao bloco controlador da Oi, disse na ocasião o superintendente de competição da agência, Carlos Baigorri.

Contax (CTAX3)
A Contax aprovou Lívia Xavier de Mello como presidente do conselho em substituição a Shakhaf Wine.

Minerva (BEEF3)
O conselho de administração da Minerva Foods, aprovou a aquisição de uma sociedade não operacional na Argentina. Conforme ata da reunião do conselho da companhia, a sociedade não operacional será a subsidiária da Minerva e o veículo de investimentos da companhia na Argentina. Além de produzir carne bovina no Brasil, a Minerva atualmente tem operações no Paraguai, no Uruguai e na Colômbia.

Eletrobras (ELET3)
A Eletrosul, subsidiária da Eletrobras, está em negociações com a chinesa Shanghai Electric para a venda de um lote de concessões para a construção de linhas de transmissão de energia no Sul do Brasil, informou a empresa nesta quinta-feira.

De acordo com a Eletrosul, a Shanghai apresentou uma proposta pelos ativos em uma chamada pública aberta pela empresa. Os empreendimentos envolvidos na transação tiveram a concessão arrematada pela estatal em um leilão realizado em 2014 e tinham a implementação orçada à época em R$ 3,3 bilhões.

“Essa negociação… prevê a transferência integral do lote A, ou seja, 100% do empreendimento à empresa (Shanghai)”, explicou a Eletrosul, sem citar os valores envolvidos na transação. A subsidiária da estatal federal afirmou ainda que numa etapa posterior a Eletrosul poderá retomar uma participação acionária de até 25% no projeto.

Metalúrgica Gerdau (GOAU4)
A Metalúrgica Gerdau comunicou que o Morgan Stanley passou a deter 4,38% as ações preferenciais da companhia.  

Bancos
Em relatório, o BTG Pactual destacou que os bancos brasileiros devem se beneficiar de corte de juros. Os juros mais baixos serão grande ajuda para melhoria de tendência para bancos brasileiros, escreveram os analistas Eduardo Rosman e Thiago Kapulskis em relatório. O banco reitera viés positivo sobre o setor, citando inflação mais baixa, taxas de juros e PIB de volta ao modo de crescimento nos próximos anos, vendo mix de crédito melhorando com empréstimos concedidos com recursos livres ganhando espaço de novo.

Setor automotivo
O BTG Pactual também comentou os dados apresentados pela ANFAVEA sobre produção de automóveis brasileiros em dezembro. 
Foram 200.887 unidades fabricadas no último mês do ano, expansão de 40,6% em relação a dezembro do ano anterior, que foi o pior mês de 2015 e teve o menor nível de produção para o mês desde 2008. Na comparação com novembro, houve queda de 7,1%. Segundo o banco, o resultado foi impulsionado pelas exportações e a base fraca no ano anterior. 

Os analistas ainda destacam a queda dos estoques de caminhões pode preceder uma alta na produção nos próximos meses. O banco aponta Iochpe-Maxion (MYPK3) e Tupy (TUPY3) como as ações favoritas do setor. 

(Com Bloomberg, Agência Estado e Reuters)