Destaques da Bolsa

Rali das commodities: CSN dispara 11%, Vale salta 9% e Petrobras sobe 5%

Confira os destaques da Bovespa na sessão desta terça-feira (19)

Petrobras (PETR3, R$ 12,32, +4,67%; PETR4, R$ 9,63, +4,22%)
A Petrobras dispara em dia de recuperação dos preços do petróleo com a greve de trabalhadores do setor no Kuwait, que paralisou mais de 60% da produção da commodity no país. O brent é negociado com alta de 1,54%, a US$ 43,57 o barril. 

Além disso, a companhia fica de olho na política, com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff passando agora para o Senado após ter sido admitido pela Câmara dos Deputados.  Destaque para a notícia da Reuters de que a endividada petroleira, controlada pelo governo federal, poderá ser uma das maiores beneficiárias de uma eventual aprovação pelo Congresso Nacional do impeachment da presidente, disseram à agência investidores e analistas na segunda-feira. A Câmara dos Deputados aprovou no domingo o pedido de abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma, tornando seu afastamento da Presidência praticamente irreversível. O vice-presidente Michel Temer, substituto de Dilma caso o impeachment seja aprovado pelo Senado, é considerado mais acessível à indústria em seus pedidos de alterações de regras do setor, criadas pela presidente e pelo Partido dos Trabalhadores.

No radar da empresa, destaque ainda para a notícia de que ela encerrou contrato do Havila Fortress, comunicou a segunda companhia. A tonelagem local foi suspensa e o certificado necessário para que barco de suporte operasse no Brasil não foi renovado, segundo comunicado da Havila. O contrato era válido até julho de 2016. 

Vale e siderúrgicas
As ações da Vale (VALE3, R$ 20,74, +8,87%;VALE5, R$ 15,71, +7,82%) disparam hoje com a forte alta do preço do minério de ferro, que subiu 4,13%, a US$ 62,85 a tonelada métrica, no porto de Qingdao, da China. As ações de siderúrgicas também disparavam hoje, com CSN (CSNA3, R$ 13,39, +10,66%), Usiminas (USIM5, R$ 2,14 +3,38%) e Gerdau (GGBR4, R$ 7,93, +7,16%). 

Sobre a Vale, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) deu o sinal verde para que os minoritários disputem uma vaga no conselho de administração da companhia na ago (Assembleia Geral Ordinária) marcada para o dia 25 de abril. Em resposta a uma consulta formulada pelo fundo Geração Futuro L .Par e a VIC DTVM, acionistas que articulam a busca por um assento no colegiado, a Superintendência de Relações com Empresas da autarquia entendeu que deve haver uma nova eleição para a vaga ocupada hoje pelo conselheiro Alberto Guth, sócio-fundador da Angra Partners.

Já a Usiminas foi rebaixada para “sector underperform” pelo Scotiabank. 

Gafisa (GFSA3, R$ 2,70, +0%)
As ações da Gafisa operam estáveis após a divulgação da prévia operacional.  O segmento econômico amenizou o forte recuo das vendas dos empreendimentos para a média e alta rendas no resultado consolidado da incorporadora no primeiro trimestre. De janeiro a março, as vendas contratadas do grupo somaram 333,3 milhões de reais, queda de 21,3% ante mesma etapa de 2015. Na base sequencial, o recuo foi de 30,9%. No segmento Gafisa (média e alta renda), o recuo anual foi de 63% e no trimestral, de 73%, a R$ 66,842 milhões“O primeiro trimestre de 2016, além da característica sazonal, teve sua performance operacional bastante impactada, especialmente nos meses de janeiro e fevereiro, pela contínua deterioração do ambiente macroeconômico e pelo conturbado ambiente político”, disse a empresa, em comunicado.

De acordo com o BTG Pactual, os dados operacionais da companhia foram ligeiramente abaixo das expectativas, com a Tenda registrando bons números, mas que foram ofuscados pelas vendas da Gafisa para média e alta rendas. Bradesco BBI destaca que os resultados mostram que construtoras do segmento de baixa renda devem continuar com desempenho acima da média do setor, com a unidade Tenda aumentando vendas, apesar da menor quantidade de lançamentos e piora das condições macroeconômicas. O Credit Suisse chamou atenção para a desaceleração da performance da Gafisa, uma vez que a empresa estava entregando VSO (velocidade de vendas) acima dos pares nos últimos trimestres. 

Recomendações
O Itaú BBA revisou a recomendação para algumas empresas: a Alupar (ALUP11, R$ 15,30, +2,07%) e a Telefônica Brasil (VIVT4, R$ 43,62, -0,84%) foram rebaixadas para market perform, enquanto a Sabesp (SBSP3, R$ 25,48, +0,47%) foi elevada para market perform.
BR Malls (BRML3, R$ 16,96, +2,23%)
De acordo com a coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, a BRMalls, maior empresa de shopping centers do Brasil,  contratou o Itaú BBA para negociar a venda de um pedaço da empresa para o fundo americano Blackstone e outros interessados.

Biosev (BSEV3, R$ 6,81, +5,42%)
A Biosev divulgou que o volume de moagem foi de 31 milhões de toneladas de cana na safra 2015/16, o maior volume em cinco safras. A elevação do rendimento ocorreu por conta da decisão de estender o processamento de cana no quarto trimestre fiscal de 2016.

São Martinho (SMTO3, R$ 44,62, -0,62%)
A São Martinho registra leve queda após a divulgação do guidance 2016/2017; A companhia estima moagem de 20,6 milhões de toneladas na safra 2016/2017, 2,6% acima da safra 2015/2016 e, em termos de receita,  tem mix de açúcar/etanol em 51%/49%, sugerindo produção de açúcar 10% maior na comparação anual. “No geral, o guidance está em linha com esperado e confirma expectativa de fortes margens. E, combinado com nossa visão de preços de açúcar melhores em 2016 (aumento de 2 dígitos na comparação anual em reais), reforça nossa visão de bom momento para o setor”, afirma o BTG Pactual.

Exportadoras
Em um dia de queda para o dólar, as ações de empresas exportadoras registram leve queda. A Fibria (FIBR3, R$ 31,56, -1,87%), Suzano (SUZB5, R$ 12,86, -1,68%) e Embraer (EMBR3, R$ 22,14, -0,58%) registram queda. Hoje, o dólar comercial registra queda de 0,75%, a R$ 3,570 na venda. 

PUBLICIDADE

No radar da Suzano, a companhia avalia ativos dentro e fora do Brasil, disse ao jornal Valor Econômico o presidente da companhia, WalterSchalka. O executivo não revela detalhes da estratégia, nem qual segmento específico está no radar, diz o jornal. Porém, ele defende que, apesar do declínio no consumo de papel de imprimir e escrever desencadeado pelo uso da tecnologia de informação, o tamanho do mercado seguirá relevante. 

BRF (BRFS3, R$ 49,12, -0,55%)
O BTG Pactual soltou uma prévia de BRF para o primeiro trimestre de 2016, destacando esperar resultado fraco no lado de receitas e margens. Segundo o banco, o trimestre deve apresentar uma série de pontos negativos: ciclo virando, puxando preços para baixo; preços de grãos para cima pressionando margens; companhia ainda perdendo participação; fraca demanda no Brasil afetando volumes.

“Por conta desses pontos e pela execução ainda não ideal da gestão (que segue mudando, vide acontecimentos recentes), decidimos ajustar estimativas para baixo, com o preço-alvo caindo de R$ 70 para R$ 63, e papel deixando de ser uma das nossas top picks no setor”, avaliam os analistas do banco. 

Especiais InfoMoney:

Carteira InfoMoney rende 17% no 1º trimestre; 5 novos papéis entraram no portfólio de abril

Trader que perdeu R$ 285.000 com Telebras conta como deu a volta por cima

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa