Cenário Corporativo

Radar: OGX muda comunicação e Vale paga R$ 1,4 bi em royalties

Souza Cruz começa a exportar cigarros em 2013 e BM&FBovespa eleva plano de investimentos para o próximo ano

SÃO PAULO – Após o Ibovespa encerrar em alta de 0,63% na véspera e conquistar o terceiro pregão consecutivo de alta, os investidores devem manter a expectativa pela resultado da reunião do Federal Reserve. Às 15h30 (horário de Brasília), o banco central norte-americano revelará a decisão sobre a taxa básica de juros do país.

No Brasil, os negócios devem contar com uma volatilidade adicional por conta do vencimento de opções de futuros e opções sobre o Ibovespa. Já na zona do euro, os ministros de Finanças da União Europeia se reúnem nesta quarta, em Bruxelas, para tentar chegar a um compromisso sobre o mecanismo único de supervisão bancária.

Alta das ações de Eike após rumores de parceria estaria na mira da CVM
A forte alta das ações do grupo EBX, do empresário Eike Batista, chamou a atenção na última segunda-feira, com destaque para os ativos da OGX (OGXP3, R$ 4,88, +3,83%), LLX (LLXL3, R$ 2,34, +1,31%) e MMX (MMXM3, R$ 4,18, +0,97%), que encerraram na ocasião com valorizações de 8,8%, 6,8% e 3,9%, respectivamente.

Na ocasião, as empresas de Eike listadas na bolsa ganharam 5,61% de valor de mercado, passando de R$ 23,17 bilhões para R$ 24,47 bilhões. 

Após a sequência de fortes quedas, as ações do grupo subiram em função da informação divulgada na coluna Radar, da revista Veja, sobre uma possível compra de participações pelo BNDESPar, braço do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para aquisição de ações, o que abre suspeita de possíveis informações privilegiadas.

OGX muda comunicação para melhorar imagem
Entre as notícias em destaque no setor corporativo, a OGX (OGXP3, R$ 4,88,+3,83%), empresa de petróleo do bilionário Eike Batista, quer afastar a imagem de que promete mais do que faz, diz reportagem da Agência Estado. Conforme a agência, que cita o diretor Financeiro da empresa, a OGX alterou sua estratégia de comunicação e, com isso, irá se ater mais aos fatos e menos às projeções. 

Souza Cruz começa a exportar cigarros em janeiro de 2013
Além disso, a Souza Cruz (CRUZ3, R$ 32,36, +0,28%) está fazendo os últimos preparativos para enviar sua primeira remessa de cigarros ao exterior no próximo mês, afirma matéria publicada pelo Valor Econômico. Segundo a publicação, a expectativa é que em 2013 sejam exportados 300 milhões de unidades para Argentina, Cuba e Chile. 

Vale vai pagar R$ 1,4 bilhão em royalties
Enquanto isso, a Vale (VALE3, R$ 39,63, +1,54%; VALE5, R$ 38,67, +1,28%) começou a pagar parte de antiga dívida com o DNPN (Departamento Nacional de Pesquisa Mineral), afirma matéria publicada no portal Valor Econômico.

Segundo a publicação, depois de um ano e meio de negociações com o DNPM e o Ministério da Fazenda, a empresa reconheceu um débito de R$ 1,4 bilhão, menos de um terço do valor cobrado.

PUBLICIDADE

Locamérica pagará R$ 4,45 milhões em juro sobre capital próprio
Já a Locamérica (LCAM3) informou que pagará R$ 4,45 milhões em juros sobre o capital próprio, valor equivalentes a R$ 0,068540432 por ação. Neste valor, estão incluídos 15% de IR (Imposto de Renda) retido na fonte.

Multiplan pagará R$ 125 milhões em juros sobre o capital próprio
Por sua vez, a  Multiplan (MULT3, R$ 60,80, +0,35%) aprovou o pagamento de R$ 125 milhões em juros sobre o capital próprio. O montante correspondende a R$ 0,70082008 por cada ação da companhia.

BM&FBovespa eleva projeção de investimentos para 2013
Enquanto isso, a BM&FBovespa (BVMF3, R$ 13,95, +1,09%) anunciou seu orçamento de investimentos para os anos de 2013 e 2014. A bolsa estima investimentos entre R$ 260 a R$ 290 milhões no próximo ano, acima do estimado para 2012, num intervalo entre R$ 230 a R$ 260 milhões. Já a partir de 2014, a BM&FBovespa promoverá uma redução dos investimentos, e estima um valor entre R$ 170 a R$ 200 milhões no período.

JBS propõe incorporar subsidiária Cascavel Couros
Por fim, o frigorífico JBS (JBSS3, R$ 5,76, +1,59%) submeterá a uma assembleia geral de acionistas a proposta de incorporação de sua subsidiária Cascavel Couros. A incorporação será para simplificar a estrutura societária do JBS, “resultando em diminuição de custos operacionais, em uma administração mais eficiente e, consequentemente, em ganhos significativos para a companhia”.

Pet Manguinhos pede esclarecimentos ao governo do RJ sobre desapropriação
A Refinaria de Petróleo Manguinhos (RPMG3, R$ 0,29, 0,00%; RPMG4, R$ 0,27, 0,00%) informou nesta quarta-feira (12) que seus advogados pediram esclarecimentos no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro sobre o ato do governador do Estado, Sergio Cabral, que declarou a desapropriação da área onde a empresa está instalada. 

De acordo com nota enviada à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), as informações de esclarecimento foram enviadas no dia 22 de novembro ao relator do caso. O governador terá até o dia 17 de dezembro para prestar os esclarecimentos.

Aberdeen Asset atinge 5,01% das ações preferenciais da Petrobras
A Petrobras (PETR3, R$ 20,10, -0,69%; PETR4, R$ 19,91, -0,40%) informou nesta quarta-feira (12) que a gestora Aberdeen Asset Management atingiu em 3 de dezembro participação acionária de 5,01% em suas ações preferenciais.

A participação corresponde a 14.923.670 ações preferenciais e 132.936.369 ADRs (American Depositary Receipts), que correspondem a 265.872.538 papéis preferenciais.

PUBLICIDADE

Laep e Monticiano negam venda da Lacteos Brasil
Em comunicado divulgado nesta quarta-feira (12), a Laep (MILK11, R$ 0,47, 0,00%) negou que esteja negociando a venda da Lacteos Brasil, divergindo de rumores divulgados na imprensa.

Segundo o fato relevante, a empresa diz que apesar de sua finalidade ser a compra e venda de participações societárias e outros ativos, ela não está envolvida em qualquer negociação concreta de sua participação no capital de Monticiano, acionista indireta que tem participação na Lacteos Brasil.

Tecnisa promete acabar com atrasos até 2014
A construtora Tecnisa (TCSA3, R$ 7,95, -2,09%) prometeu zerar seus atrasos em obras até o começo de 2014, Nesta terça-feira (11), a empresa realizou sua reunião anual com investidores e acionistas, informando que reduziu o número de parceiros com o objetivo de ter maior controle de obras, além de cortar gastos e concentrar projetos em São Paulo e região metropolitana. A empresa alegou que nas obras em que atua como parceira, a evolução acaba atrasando.

BR Malls espera alta de cerca de 8% em vendas em 2013
A maior administradora de shopping centers do Brasil, BR Malls (BRML3, R$ 27,58, -1,04%), previu nesta quarta-feira (12) que espera fechar 2012 com crescimento de vendas no conceito mesmas lojas entre 7% e 8% e que a expectativa para 2013 é de expansão de cerca de 8%.

Segundo o presidente da companhia, Carlos Medeiros, a empresa vê espaço para aumentar valor de aluguéis de shoppings a partir do próximo ano.