Radar: acompanhe algumas das principais oscilações na bolsa nesta sexta-feira

Indicadores trazem apreensão aos investidores e bolsas seguem instáveis; por aqui, resultados e blue chips ficam em destaque

Por  Thiago Salomão

SÃO PAULO – Em meio à divergência na agenda econômica norte-americana, o Ibovespa segue a trajetória dos principais índices acionários de Wall Street nesta sexta-feira (12) e, sob forte volatilidade, acumula leves perdas nesta tarde.

Nos EUA, as vendas no varejo subiram 0,3% em fevereiro, superando as expectativas dos analistas, que esperavam queda de 0,2% no período. Contudo, esse desempenho é ofuscado pelo índice de confiança do consumidor do país, que apontou 72,5 pontos, contra os 74 pontos esperados pelos mercados no resultado prévio de março.

Essas referências também afetaram o rumo dos negócios na Europa, que amenizaram a trajetória positiva vista durante a manhã e fecharam com modestos ganhos. O maior avanço mensal de toda a série histórica – iniciada em 1990 – da produção industrial na Zona do Euro em janeiro e os rumores de um pacote de ajuda da União Europeia à Grécia, orçado em US$ 55 bilhões, impulsionaram os mercados da região no começo do dia.

Lojas Americanas: destaque de alta
Contrariando o dia negativo da bolsa brasileira, as ações da Lojas Americanas (LAME4) aparecem na ponta mais alta do Ibovespa, ao operarem com valorização próxima a 2,3% nesta tarde. A varejista registrou um aumento de 69,8% em seu lucro líquido durante 2009, somando um montante total de R$ 152 milhões frente aos R$ 89,5 milhões conquistados em 2008. 

A representante da Lojas Americanas nas vendas online, A B2W (BTOW3) também trouxe seus dados contábeis. A companhia revelou que seu lucro líquido durante o último trimestre de 2009 avançou 386% em relação ao mesmo período do ano anterior, indo para R$ 14,14 milhões. Contudo, no acumulado do ano, o ganho ficou em R$ 47,6 milhões – queda de 23% ante 2008. As ações da empresa recuam 0,8% nesta tarde.

Subsidiária da Petrobras é multada em US$ 639 milhões
A disputa envolvendo a refinaria de Pasadena, no Texas, custará caro para a Petrobras America, filial norte-americana da estatal brasileira. Uma decisão da justiça federal do Texas, assinada na última quarta-feira (10), ordena que a Petrobras (PETR4) pague cerca de US$ 639 milhões à Astra Oil pela refinaria. As ações da petrolífera avançam 0,3%, no lastro da valorização do preço do petróleo.

Vale: negociações suspensas
Segundo reportado pela agência de notícias Dow Jones, a Vale (VALE5), a BHP Billiton e a Rio Tinto teriam suspendido as negociações com as siderúrgicas chinesas para o reajuste dos contratos benchmark do produto neste ano. A Vale propôs aumento de 90% em relação ao último acerto, o qual foi rejeitado pelas siderúrgicas chinesas. Em contrapartida, as siderúrgicas teriam oferecido um reajuste muito baixo.

Em meio a essas discussões acerca do reajuste dos preços da commodity metálica, as ações preferenciais classe A da mineradora acumulam perdas de 0,25%, em linha com o Ibovespa.

Resultados – Ibovespa
Outras duas empresas que fazem parte da composição da carteira teórica do Ibovespa também trouxeram a público seus balanços. Uma delas foi a GOL (GOLL4), que após amargar prejuízo em 2008, encerrou 2009 com ganhos líquidos de R$ 890 milhões, conquistados com um lucro líquido de R$ 397,8 milhões somente no quarto trimestre. As ações da companhia aérea sobem 0,65%.

Já a OGX Petróleo (OGXP3) reportou um lucro líquido de R$ 10,8 milhões no acumulado do ano passado, número bem abaixo do montante visto em 2008 (R$ 359,8 milhões). A empresa ainda anunciou a descoberta de novos indícios de petróleo no poço OGX-6 na Bacia de Campos. Os papéis da petrolífera também seguem a tendência oposta do mercado brasileiro e operam com valorização de 0,6%.

Resultados – setor elétrico
Contudo, nem todas as companhias que fazem parte do índice paulista e que divulgaram seus resultados apresentam ganhos no último pregão da semana. É o caso da Transmissão Paulista (TRPL4), cujas ações declinam 1,5%. A companhia teve ao longo de 2009 um lucro líquido de R$ 828 milhões, praticamente estável em relação aos R$ 827 milhões ganhos em 2008.

Já a Eletropaulo (ELPL6) encerrou 2009 com lucro de R$ 1,06 bilhão, alta de apenas 3,5% em relação ao ano anterior. Com um avanço mais expressivo, o lucro da AES Tietê (GETI3) subiu 12,5% na mesma base comparativa, fechando 2009 em R$ 780,2 milhões. Vale destacar que ambas as companhias, pertecentes ao grupo AES, irão realizar uma emissão de debêntures no valor de R$ 900 milhões.

Enquanto as ações ordinárias da AES Tietê recuam 0,6% nesta tarde, os ativos ELPL6 são negociados bem próximos da estabilidade.

Outros resultados
Outras empresas de menor porte também lançaram mão de seus resultados, como a Helbor (HBOR3). A companhia registrou nos três últimos meses de 2009 um lucro líquido 161,2% maior que o apresentado no mesmo período de 2008, somando R$ 28,09 milhões. Suas ações sobem 0,3% na bolsa brasileira.

Já a Dasa – Diagnósticos da América (DASA3) – somou ganhos de R$ 129,5 milhões em todo o acumulado do ano passado, revertendo prejuízo de R$ 13 milhões visto em 2008. Os papéis da empresa avançam 0,3%. Enquanto isto, a Rodobens (RDNI3) revelou contração de 89% em seu lucro líquido no quarto trimestre de 2009 frente a igual período de 2008, totalizando R$ 288 mil. Os ativos da companhia recuam 0,4%.

Por fim, a Cetip (CTIP3) conquistou um crescimento de 44% em seu lucro líquido ajustado nos três últimos meses do ano passado, somando R$ 32,6 milhões. Os papéis da empresa são negociados com valorização de 1,5%.

Nova oferta na bolsa
A JBS (JBSS3) entrou com pedido de análise de oferta pública primária de ações junto à Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). A empresa pretende distribuir ações ordinárias em uma operação voltada para investidores brasileiros, contando também com esforços de colocação de papéis no exterior. Os papéis da fabricante de carnes recuam 1,5%.

Geração Paranapanema: prévia e conversão de ações
Enquanto não divulga seu balanço contábil de 2009, agendado para esta sexta-feira após o fechamento dos negócios, o Grupo Paranapanema (PMAM4) apresentou sua prévia de seus resultados referentes ao ano. Segundo os números, a receita bruta totalizou R$ 3 bilhões nos 12 meses, sendo que cerca de 30% – aproximadamente R$ 900 milhões – foi obtido apenas no quarto trimestre.

Além disso, a companhia realizará uma conversão de ações ordinárias em preferências, na proporção de 1:1. Os papéis PN da empresa recuam mais de 2,5% nesta tarde.

Aquisições e financiamentos
A Amil (AMIL3) fechou nesta sessão o contrato para aquisição da totalidade das ações da ASL – Assistência à Saúde Ltda. – pelo valor de R$ 8,6 milhões. A empresa adquirida possui uma carteira de aproximadamente 70 mil beneficiários, com uma participação de mercado de 20,3% no Rio Grande do Norte. As ações da compradora caem mais de 2,5% na bolsa brasileira.

Já a Companhia Providência (PRVI3) anunciou a contratação de um financiamento nos Estados Unidos no valor de até US$ 9,1 milhões. Segundo a companhia, o empréstimo está sendo feito por intermediação de sua subsidiária no país, a Providência USA. Os ativos da empresa registram quedas de mais de 2,5% nesta tarde.

Compartilhe