Radar: acompanhe algumas das principais oscilações na bolsa nesta quinta-feira

Mercados estendem perdas da véspera com temores sobre economia global; Ibovespa acompanha com queda de 2,62%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Pressionados por novos temores acerca da economia global, os mercados acionários internacionais vão dando sequência às perdas registradas na véspera com forte queda no pregão desta quinta-feira (21). Tal movimento é acompanhado de perto pelo Ibovespa, que apresenta recuo de 2,62% durante a tarde.

Despontando como uma das principais responsáveis pelo fraco desempenho do índice, as ações da Vale (VALE5) caem 3,60% em meio à notícias vindas da Ásia sobre as negociações de reajuste do preço do minério de ferro. Segundo a mídia internacional, a japonesa Nippon Steel, segunda maior siderúrgica do mundo, estaria próxima de fechar os contratos com um desconto entre 30% e 35% sobre o preço acordado em 2008. Vale lembrar que os representantes da mineradora brasileira estão no Japão negociando o reajuste.

Os ativos da Petrobras (PETR4), por sua vez, operam com queda de 2,38%, após os diretores da ANP (Agência Nacional do Petróleo) confirmarem a decisão de negar o pedido da estatal para a prorrogação dos prazos exploratórios nos campos do Pré-sal localizados na bacia de Santos.

Aprenda a investir na bolsa

No mesmo sentido, os papéis da Cemig (CMIG4) registram forte baixa de 3,77% e também pressionam os negócios na bolsa brasileira. Pela manhã, a empresa enviou um comunicado ao mercado informando que irá realizar estudos preliminares visando ampliar a parceria existente com a CEB – Companhia Energética de Brasília – embora não tenha utilizado a palavra aquisição para tratar do assunto.

Sadia e Perdigão

Do lado positivo, os ativos de Sadia (SDIA4) e Perdigão (PRGA3) voltam a liderar os ganhos do principal índice acionário do País com altas de 5,54% e 4,98%, respectivamente. Nesta quinta-feira, a primeira esclareceu que seus acionistas terão um prazo de 30 dias para efetuarem a retirada do valor correspondente às ações incorporadas à companhia, que ainda será calculado.

Justificando a inexistência do valor exato, a Sadia informou que no momento em que a incorporação de ações for apresentada aos acionistas da empresa para deliberação, a Sadia já será controlada pela BFR (Brasil Foods), de forma que não é possível “estabelecer, desde já, o valor a ser pago a título de reembolso, que poderá ser calculado com base no valor de patrimônio líquido constante de balanço da companhia”.

Concessões rodoviárias

Completando o noticiário, o direito de concessão rodoviária do complexo Ayrton Senna/Carvalho Pinto foi dado à Primav EcoRodovias, após a Triunfo Participações (TPIS3) ter seu pedido de ampliação de prazo para entrega de documentos negado.

A companhia, cujas ações caem 4,95%, havia vencido o leilão da rodovia em 6 de janeiro, porém após a perda do prazo, a Artesp (Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo) declarou a decadência do direito da Triunfo de assinar o contrato.