Resultado Trimestral

Quem teve o melhor resultado trimestral: BB, Bradesco, Itaú ou Unibanco?

Itaú teve o maior lucro, Unibanco foi o único a cortar despesas, BB lidera no crédito e Bradesco teve melhor eficiência

gráfico de ações e índices em cuva de alta
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os quatro maiores bancos do país – Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e Unibanco – já divulgaram seus balanços referentes ao terceiro trimestre do ano. No quesito carteira de crédito, BB, Bradesco e Itaú tiveram crescimento percentual bem próximo na passagem do terceiro trimestre de 2006 para igual período desse ano.

Em termos absolutos, o Banco do Brasil manteve a liderança, encerrando o trimestre com R$ 150,2 bilhões em sua carteira de crédito. Cabe destacar que os dados dos quatro bancos consideram avais, fianças e recebíveis de cartões de crédito.

Resultado absoluto e relativo da carteira de crédito no 3º trimestre
InstituiçãoTermos AbsolutosVariação Percentual
Banco do BrasilR$ 150,2 bilhões+26,9%
BradescoR$ 140,1 bilhões+27,0%
ItaúR$ 114,1 bilhões+26,9%
UnibancoR$ 55,9 bilhões+29,0%

Por mais que a carteira do Unibanco tenha apresentado a maior evolução percentual, ainda ocupa o último posto em termos absolutos (montante). Tal afirmação não surpreende, já que avanços absolutos sobre montantes menores resultam em maiores variações relativas.

Aprenda a investir na bolsa

Itaú fica com o maior lucro
Passando para o lucro líquido, quem mostrou o melhor resultado no terceiro trimestre foi o Itaú, seguido por Bradesco, BB e Unibanco, respectivamente.

Em variação relativa, o Unibanco novamente leva a melhor, porém, é preciso ressaltar que a base comparativa é viesada uma vez que o resultado do terceiro trimestre de 2006 foi penalizado por fatores extraordinários.

Resultado absoluto e relativo do lucro líquido no 3º trimestre
InstituiçãoTermos AbsolutosVariação Percentual
ItaúR$ 2,428 bilhões+32,3%
BradescoR$ 1,850 bilhão+14,8%
Banco do BrasilR$ 1,364 bilhão+50,3%
UnibancoR$ 1,199 bilhão+1.031%

É comum que as instituições financeiras apresentem eventos não recorrentes influenciando positiva ou negativamente o lucro líquido. Os números acima, que relatam a variação absoluta (montante) e relativa (evolução percentual) no terceiro trimestre do ano, não consideram tais eventos.

Unibanco é o único a cortar despesas
Outro ponto que merece destaque é que, entre os quatro bancos, o único que apresentou redução na conta “despesas com pessoal e administrativo” foi o Unibanco. Do lado da rentabilidade, o Bradesco foi o único a ter piora de resultado, permitindo assim ao Itaú aumentar sua margem na liderança neste quesito.

Variação da rentabilidade no 3º trimestre
Instituição3T07Variação
(em p.p.)
Itaú35,6%+2,8
Bradesco32,8%-2,3
Unibanco26,5%+1,7
Banco do Brasil26,3%+6,2

Com a trajetória declinante das taxas de juros nos últimos anos, os bancos encontraram no corte de despesas, no aumento do volume de crédito concedido e incremento de receitas de serviços os principais alicerces para a manutenção do crescimento de receitas, daí a importância em controlar as despesas com pessoal e administrativas.

Outra comparação válida é a relação entre despesas administrativas e de pessoal sobre a receita bancária, medida pelo índice de eficiência. A eficiência de um banco melhora à medida que este indicador diminui, sinalizando que a parcela das receitas bancárias necessárias para cobrir os custos operacionais está menor.

Variação do índice de eficiência no 3º trimestre
Instituição3T07Variação
(em p.p.)
Bradesco41,8%-0,3
Itaú47,1%-2,7
Unibanco47,3%-1,9
Banco do Brasil54,2%+5,5

PUBLICIDADE

O único a apresentar piora de resultado na passagem do terceiro trimestre de 2006 para igual período em 2007 foi o Banco do Brasil. Adicionalmente, o BB ficou com o pior resultado, enquanto o Bradesco mostrou a melhor marca.