Inverno cripto

Queda livre das criptomoedas pode continuar por causa da complexidade do sistema, diz Deutsche Bank

Como as criptos são ativos especulativos e de alto risco, elas são desproporcionalmente afetadas pelo aperto do banco central, disse o banco

Por  CoinDesk -

A queda livre nos mercados de criptomoedas pode continuar por causa da complexidade do sistema, disse o Deutsche Bank em um relatório divulgado nesta quarta-feira (29).

Conseguir que os preços dos tokens se estabilizem é difícil porque não existem “modelos comuns de avaliação como os do sistema de capital público”, escreveu o banco no documento. Além disso, segundo a empresa, o mercado de criptomoedas é altamente fragmentado.

O Deutsche Bank também citou que as negociações especulativas provavelmente envolverão o uso simultâneo de várias moedas, o que aumenta os efeitos colaterais. Qualquer liquidez que possa existir nesses mercados pode evaporar rapidamente, o que afetaria a confiança nos preços e aumentaria a probabilidade de contágio, acrescentou.

O risco macro também é uma preocupação.

Como o Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas são ativos especulativos e de alto risco, eles são “desproporcionalmente afetados pelo aperto do banco central”, disse o relatório.

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) está longe de terminar com seu ciclo de aperto, o Banco Central Europeu (BCE) “ainda não decolou” e o Banco do Japão (BOJ) está enfrentando “pressões de mercado que estão adicionando turbulência até mesmo a mercados de refúgio”, citou a nota.

Esses fatores macro são amplificados pela possibilidade de recessão nos EUA e pelo pessimismo dos investidores. Ambos são prejudiciais aos ativos especulativos, e qualquer choque macro pode testar as baixas recentes nos preços das criptomoedas e “reacender os riscos de contágio no ecossistema DeFi”, acrescentou.

Os economistas do banco preveem uma recessão nos EUA em 2023 e um pico de inflação no país de 9,1% em setembro; eles compararam os “ventos de estagflação (crescimento econômico lento e desemprego alto) global” de hoje com os anos 1970, quando a energia era a indústria de melhor desempenho. “A menos que o Bitcoin esteja se tornando petróleo digital”, seu desempenho pode ser modesto durante um período de alta inflação, acrescentou o banco.

O Deutsche Bank observou que o BTC e outros ativos digitais têm sido cada vez mais correlacionados com os índices de ações Nasdaq e S&P 500 nos últimos meses. Com base em sua correlação anterior com o S&P 500 e usando um preço básico do S&P 500 de 4.750, o banco disse que o BTC pode chegar a US$ 28.000 até o final do ano, acrescentando que isso seria um rali de 32% em relação aos níveis atuais, mas ainda menos do que metade de sua alta histórica registrada em novembro do ano passado.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe