Pedido de vista

Privatização da Eletrobras (ELET3;ELET6): Impasse sobre prazos cerca análise no TCU nesta quarta-feira

É dado como certo um pedido de vistas por parte do ministro Vital do Rêgo

Por  Estadão Conteúdo -

Às vésperas da análise da segunda etapa da privatização da Eletrobras (ELET3;ELET6), ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) ainda divergem em relação ao período em que o julgamento ficará suspenso, já que é dado como certo um pedido de vistas por parte do ministro Vital do Rêgo.

Com o cronograma em xeque, o governo espera que o prazo máximo concedido seja de sete dias. O adiamento ainda garantiria a realização da privatização em 13 de maio.

Assim como fez durante o julgamento da primeira parte da privatização da Eletrobras, Vital do Rêgo deve pedir vistas por 60 dias.

Saiba mais: 

Eletrobras: privatização pode dobrar valor de mercado da empresa, apontam analistas

À época, o TCU tentou contornar a situação e permitiu que o governo continuasse o andamento dos trâmites para a desestatização, mas o julgamento só foi concluído em fevereiro.

O ministro Jorge Oliveira, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao TCU, tentará reduzir o prazo para sete dias – assim como fez na análise do leilão do 5G.

Mas também não há consenso sobre esse prazo. Outros integrantes do colegiado tendem a optar por uma proposta intermediária: nem sete dias nem 60. Nos bastidores, comenta-se que o prazo sugerido iria para algo entre 20 e 30 dias, o que também coloca em risco a operação.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe