Presidente da Anbid diz que aplicação de até R$ 50 mil na poupança é “imbatível”

Consideração foi feita em relação aos ganhos dos fundos de renda fixa, qualquer que seja a taxa de administração

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O presidente da Anbid (Associação Nacional dos Bancos de Investimento), Marcelo Giufrida, afirmou nesta terça-feira (19) que considera que a rentabilidade de aplicações até R$ 50 mil na caderneta de poupança será “praticamente imbatível” em relação aos ganhos dos fundos de renda fixa.

“O governo criou uma rentabilidade muito boa para a poupança abaixo de R$ 50 mil, isenta de Imposto de Renda. Nesse caso, ela é praticamente imbatível, qualquer que seja a taxa de administração dos fundos”, disse o executivo durante entrevista coletiva que apresentou a mudança na denominação da área de autorregulação da Anbid.

A rentabilidade das cadernetas de poupança é de pouco mais de 6% ao ano mais a variação da TR (Taxa Referencial). Na última semana, o governo anunciou proposta para que o retorno das aplicações acima de R$ 50 mil seja tributado com o IR a partir de 2010. A medida ainda deve passar por aprovação do Congresso.

Aprenda a investir na bolsa

A ação se deve aos temores do governo de que, com o processo de redução das taxas de juros no País, ocorra uma migração dos investimentos da indústria de fundos, que financia a dívida pública, para a caderneta de poupança, na medida em que há incidência de IR sobre os ganhos da primeira aplicação.

Fundos ainda oferecem boa remuneração

Mesmo admitindo que a caderneta de poupança é “imbatível” para a faixa de aplicação abaixo de R$ 50 mil, o presidente da Anbid lembrou que existem outras modalidades de carteiras de fundos que também oferecem uma boa remuneração, como as de ações e de multimercados.

Além disso, Giufrida afirmou que, mesmo com a cobrança das taxas de administração, os fundos de renda fixa conseguem entregar uma rentabilidade competitiva. Segundo ele, o retorno da categoria nos últimos doze meses encerrados em abril ficou em 102,5% do CDI, já descontadas as taxas e considerando todo o universo de investidores (varejo, private e institucionais).