Powell evita sinalizar horizonte de corte de juros e diz que há tempo para decisão

Presidente do Fed alertou para riscos de cortes prematuros, bem como tardios

Equipe InfoMoney

Publicidade

Sob expectativas de novos sinais sobre o horizonte de corte dos juros nos EUA, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, apenas reiterou, em discurso nesta quarta-feira (3), que o banco central dos Estados Unidos “tem tempo” para deliberar em relação a redução das taxas.

Segundo ele, a economia americana está aquecida e os últimos dados de inflação elevados. “As leituras recentes sobre ganhos de emprego e inflação ficaram acima do esperado”, disse Powell, durante apresentação na Stanford Graduate School of Business.

“No entanto, os dados recentes não alteram substancialmente o quadro geral, que continua a ser de crescimento sólido, um mercado de trabalho forte, mas em reequilíbrio, e a inflação se aproximando de 2% em um caminho às vezes acidentado.”

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Conforme ele, dada a “força da economia” e o “progresso da inflação até o momento”, “há tempo” para esperar pelos próximos dados econômicos, como forma de “orientar” as decisões futuras, que serão tomadas “reunião por reunião”.

Powell espera ter confiança

Powell reiterou que a autoridade monetária não deve considerar apropriado cortar juros até obter “mais confiança” de que a inflação caminha sustentadamente de volta à meta de 2% nos Estados Unidos.

Ele reforçou que a taxa básica atingiu o pico no ciclo atual e lembrou que a maioria dos integrantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) espera que os juros comecem a cair em algum momento neste ano.

Continua depois da publicidade

O presidente do Federal Reserve admitiu que os dados de inflação em janeiro e em fevereiro nos Estados Unidos vieram acima das leituras do segundo semestre do ano passado, mas disse que ainda é muito cedo para concluir se esse movimento será sustentado ou “apenas um solavanco”.

No discurso na Universidade de Stanford, Powell disse que os indicadores recentes não mudam “materialmente” o cenário geral da economia.

Corte de juro nem prematuro, nem tardio

Powell alertou ainda que as perspectivas nos Estados Unidos seguem “bem incertas” e que há riscos diversos. Em particular, Powell alertou que um corte de juros prematuro poderia reverter os progressos no combate à inflação e exigir uma política mais apertada à frente.

Por outro lado, o dirigente ressaltou que um relaxamento tardio potencialmente enfraqueceria a atividade econômica e o emprego.

“À medida que os progressos na inflação continuam e que o aperto no mercado de trabalho arrefece, estes riscos continuam a evoluir para um melhor equilíbrio”, avaliou.

De qualquer forma, Powell acredita que a política monetária está “bem posicionada” para confrontar essas questões.

Cenário atual dos juros nos EUA

A inflação, com base na medida preferida do Fed, continua meio ponto percentual ou mais acima da meta do banco central, e o progresso recente tem sido mínimo. Isso fez com que algumas autoridades desconsiderassem a necessidade de reduzir os juros até perto do final deste ano.

Investidores ainda esperam um primeiro corte na taxa de juros na reunião do Fed de 11 e 12 de junho, embora as chances de isso acontecer tenham diminuído devido a dados mais sólidos. O relatório de empregos dos EUA de março será divulgado na sexta-feira, e novos dados de inflação sairão na próxima semana.

Na reunião do mês passado, o Fed manteve sua taxa de juros de referência na faixa de 5,25% a 5,50%, onde está desde julho.

Independência antes das eleições

Powell também usou seu discurso nesta quarta-feira para oferecer uma reafirmação, em ano eleitoral, de uma abordagem isenta de política para política monetária – uma postura que ele disse ser fundamental para que ela seja correta.

O Fed tem independência para definir a taxa de juros e outras decisões importantes, mas isso “exige que tomemos nossas decisões de política monetária sem levar em consideração questões políticas de curto prazo… O histórico mostra que bancos centrais independentes produzem melhores resultados econômicos”, disse ele.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)