Radar InfoMoney

Possível aliança entre TIM e GVT, dividendos, resultados e mais 11 notícias no radar

Ainda entre os destaques, MP recomenda à Sabesp que apresente projeto para imediata implantação do racionamento de água; Gerdau fechará as portas de fábrica em Sorocaba

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – A terça-feira (29) inicia agitada no mercado brasileiro, em meio à temporada de balanços, recompras de ações, dividendos e mais uma série de notícias corporativas. 

Entre os destaques, Marco Patuano, presidente do conselho da Telecom Italia, discutiu possível aliança entre TIM Brasil (TIMP3) e GVT com a presidente Dilma Rousseff, segundo El Economista, citando pessoas não identificadas com conhecimento da situação. Analistas, no entanto, dizem que a Telefónica, acionista da Telecom Italia, preferem vender a TIM Brasil para 3 operadores locais: Vivo, Claro e Oi.  

Oi
As ações da Oi (OIBR4) que serão entregues pela Portugal Telecom para salvar a fusão das companhias não precisarão ser mantidas na tesouraria da empresa brasileira nem da companhia resultante, a CorpCo, segundo fato relevante divulgado na segunda-feira pela Oi. 

O calote de uma dívida de 897 milhões de euros da Rioforte, uma holding do Grupo Espírito Santo, que é o principal sócio da Portugal Telecom, ameaçou a união luso-brasileira no setor de telecomunicações. Há duas semanas, para garantir o prosseguimento da fusão, a Portugal Telecom aceitou entregar quase 475 milhões de ações ordinárias e perto de 950 milhões de ações preferenciais da Oi à empresa brasileira. Em troca, o grupo português receberá títulos de dívida vencidos e não pagos pela Rioforte no valor de 897 milhões de euros e terá uma opção de compra das ações da Oi que serão entregues ao longo de seis anos.

Sabesp
O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Sabesp (SBSP3) e ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que apresentem projetos para a imediata implantação do racionamento de água nas áreas atendidas pelo sistema Cantareira. 

A iniciativa tem como objetivo evitar um colapso do conjunto de reservatórios, que abastece 45% da região metropolitana da capital, informou o MPF, em comunicado enviado por e-mail. 

Segundo estudo realizado por pesquisadores da Unicamp, o volume do sistema Cantareira pode secar totalmente em menos de 100 dias, explicou o Ministério. Desde 15 de maio, a Sabesp vem captando água do chamado “volume morto” dos reservatórios, porque os níveis regulares se esgotaram. “Estudos mostram que nesse estrato há maior concentração de poluentes”, explicou o MPF.

Gerdau
Os reflexos da crise na indústria brasileira começam a ser vistos em uma das maiores siderúrgicas do País. A Gerdau (GGBR4) informou que fechará as portas de uma fábrica que tinha em Sorocaba, interior de São Paulo, e resultará na demissão de 160 funcionários.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) pediu ajuda dos governos municipal e estadual para tentar evitar as demissões, mas a desativação das fábricas deverá ocorrer até setembro, quando ela deve concluir a transferência da produção do laminador para fábrica de Mogi das Cruzes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em comunicado, a Gerdau explica que tomou esta decisão “frente ao complexo cenário vivenciado pela indústria de aço no Brasil e no mundo”. A decisão se deveu “à necessidade de otimização das atividades de operações da empresa no segmento de aços especiais”, explica a companhia.

Ademilson Terto da Silva, presidente do sindicato dos metalúrgicos, informou que pediu reunião com a direção da Gerdau a fim de tentar evitar as demissões. So total de 170 funcionários em Sorocaba, a companhia informou que parte deles deverá ser transferida para outras unidades da empresa, mas aqueles que serão desligados receberão um pacote de benefícios diferenciados. Até agora, poucos funcionários receberam a proposta de transferência.

Quanto ao terreno da fábrica, a empresa informou que ainda está avaliando o que será realizado no local, já que a região é próxima do centro de Sorocaba, tida como região nobre. Além desta, a Gerdau ainda tem unidades industriais em Pindamonhangaba e Araçariguama.

JBS
Aquisições de unidades de aves pela JBS (JBSS3), maior processadora de carnes do mundo, elevaram a fatia da empresa no mercado brasileiro, reduzindo a distância para a líder BRF. Mas esse avanço da JBS – um novo passo foi dado nesta segunda-feira – ainda não é capaz de abalar a posição da BRF (BRFS3) como principal empresa em carne de frango no país, avaliou analista do setor.

“Aumentando o share (participação), a JBS certamente se coloca como competidor mais representativo no mercado…, mas a empresa ainda terá que se organizar bastante em aves e suínos para chegar a competir com força com a BRF”, avaliou a analista da consultoria Agrifatto, Lygia Pimentel.

A JBS anunciou nesta segunda-feira acordo para comprar os negócios de aves da norte-americana Tyson Foods no Brasil e no México por 575 milhões de dólares, em mais um lance na expansão da sua carteira de ativos neste segmento, após a aquisição recente do grupo local Céu Azul.

A JBS atualmente conta com uma capacidade de abate diário de entre 4,5 milhões a 4,6 milhões de aves, que deve subir a quase 5 milhões com a incorporação da divisão de aves da norte-americana Tyson no país, informou uma fonte com conhecimento da operação, que pediu para não ser identificada. A BRF, a maior exportadora de carne de frango do mundo, conta atualmente com uma capacidade de abate diário de aproximadamente 7 milhões de frangos no Brasil.

Prumo
A LLX Brasil Operações Portuárias, subsidiária integral da Prumo Logística (LLXL3), assinou, em 24 de julho, documentos que formalizam a decisão pelo não prosseguimento do Projeto Porto Brasil, localizado no município do Peruíbe, São Paulo, conforme comunicado ontem à noite. Desde junho do ano passado, diante das incertezas quanto à solução das pendências legais relacionadas à área do projeto, a administração da companhia já havia optado por provisionar a perda da totalidade do valor contábil desse ativo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Arezzo
A Arezzo (ARZZ3) informou o mercado que o conselho de administração da companhia aprovou a distribuição de dividendo intercalar aos acionistas, com base no lucro líquido apurado no balanço patrimonial da Companhia levantando em 30 de junho de 2014. 

No total, serão distribuídos R$ 11,07 milhões – montante que equivale a R$ 0,1248390529 por ação ordinária de emissão da Companhia – a partir de 29 de agosto, data em que os papéis serão negociados “ex-dividendos” (ou seja, não garantirão o benefício ao acionista que adquirir a ação a partir deste dia). Também foi anunciada a alteração da política de distribuição de proventos da companhia, referente aos exercícios de 2014 e 2015.

Autometal
Em mais um dia pela temporada de resultados, foi a vez da produtora de autopeças Autometal (AUTM3) prestar contas para com seus investidores e apresentar o balanço do exercício referente ao segundo trimestre de 2014. Conforme informou a companhia, a receita obtida no período foi de R$ 938,96 milhões, sendo o resultado ajustado R$ 509,10 – uma queda de 3,1% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Já o Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ficou em R$ 113,16 milhões entre abril e junho – ajustados, R$ 66,51 milhões (montante que corresponde a uma queda de 23,8% na observação anual). Também apresentou queda significativa o lucro da companhia nos mesmos parâmetros: 43,8%, marcando R$ 37,98 milhões (R$ 22,21 milhões ajustados).

JSL
A empresa de logística JSL (JSLG3) fechou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 9,8 milhões, queda de 56,7% ante mesma etapa de 2013. 
Já o resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês), somou R$ 200,2 milhões, alta de 18,2%, informou a companhia na noite de segunda-feira. 

A receita líquida cresceu 21,4% na comparação anual, para R$ 1,41 bilhão. Em bases recorrentes, o lucro líquido foi de R$ 19,5 milhões, queda de 15,2%. O Ebitda recorrente que desconsidera despesas com empresas pré-operacionais, foi de R$ 214 milhões, avanço de 26%.

Multiplan
O lucro líquido da empresa de shopping centers Multiplan (MULT3) cresceu quase 33% no segundo trimestre na comparação anual, com impulso das receitas de aluguel e estacionamento e recuo de despesas no período, sem impacto negativo da Copa do Mundo. A companhia informou nesta segunda-feira que o lucro foi de R$ 93,4 milhões no mesmo período, alta de 32,7% sobre o lucro um ano antes. Entre abril e junho, a receita líquida da Multiplan, por sua vez, subiu 14,8% ano a ano, para R$ 272,5 milhões.

As vendas totais nos shoppings da companhia subiram 15,2%, a R$ 3 bilhões, enquanto as vendas nas mesmas lojas (abertas há mais de 12 meses) aumentaram 9,4%, ante 5,8% um ano antes. O aluguel nas mesmas lojas cresceu 10,1% no período, ante 8% no segundo trimestre de 2013. A receita de locação aumentou 21,6% e atingiu R$ 186,2 milhões, impulsionada pela consolidação do portfólio e entrega de novas áreas, disse a empresa. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já a receita de estacionamento cresceu 25%, para R$ 38,6 milhões entre abril e junho. Ao mesmo tempo, as despesas com shoppings centers caíram 27,8% no segundo trimestre sobre um ano antes, a R$ 24,8 milhões. O Ebitda foi de R$ 187,1 milhões de abril a junho, crescimento de 25,6 por cento na comparação com igual período em 2013, informou a empresa.

A Multiplan apresentou crescimento de vendas de 18,3% nos primeiros onze dias do mês de junho de 2014, e de 1,4% no período da Copa do Mundo, entre 12 de junho e 13 de julho, quando foram registradas vendas de R$ 1,35 bilhão, disse a empresa. Do total de 64 partidas realizadas na Copa do Mundo no Brasil, 35 (ou 55%) aconteceram em cidades onde a Multiplan tem shopping centers.

“O fluxo de turistas nos shoppings da companhia foi mais forte do que esperado, principalmente no Rio de Janeiro, que registrou crescimento de vendas de 23,7% no início de junho e de 10,3% durante a Copa do Mundo”, disse a companhia em seu relatório trimestral. O aumento no fluxo de consumidores compensou os feriados parciais nas cidades que sediaram as partidas, e que afetaram apenas marginalmente as vendas, acrescentou. Segundo a companhia, os jogos do Brasil e a final da Copa do Mundo anteciparam vendas. Nos dias dessas partidas, a queda no movimento foi compensada por vendas mais fortes nos dias entre os jogos.

Even
A Even (EVEN3) comunicou que na manhã de hoje ocorreu a reintegração de posse do seu terreno no Morumbi, que estava ocupado desde 20 de junho por integrantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto). Segundo o comunicado, “esta ação cumpre uma determinação judicial, que garante o direito à propriedade privada, previsto na Constituição Brasileira”.

“A Even reconhece que o país enfrenta um déficit habitacional e entende que a luta por moradia é legítima, entretanto acredita que o assunto precisa ser endereçado ao poder público”, completou a nota da companhia.

Hering
A Hering (HGTX3) informou que a gestora Coronation Fund Managers, adquiriu ações da companhia, e que em 23 de julho atingiu, de forma agregada, 16.704.017 ações ordinárias da empresa, representativas de aproximadamente 10,15% do total de ações emitidas pela Hering. Vale destacar, que segundo consta no site da BM&FBovespa, no dia 16 de julho, a Coronation tinha 5,47% de participação na companhia.

Bradespar e Totvs anunciam recompra
A Bradespar (BRAP4), holding que detém papéis da mineradora Vale, e a Totvs (TOTS3) anunciaram que irão iniciar um novo programa de recompra de ações envolvendo milhões, ambas com prazo de 1 ano.

A Bradespar pretende realizar a recompra de até 1,5 milhão de ações, sendo 500 mil ordinárias (BRAP3) e 1 milhão preferenciais (BRAP4). A quantidade é pouco significativa em relação às 249 milhões de ações em “free float” (circulação no mercado). Segundo a companhia, as ações adquiridas ficarão em tesouraria e posterior alienação ou cancelamento. As compras serão intermediadas pela Bradesco Corretora e Ágora Corretora.

Já a Totvs pretende recomprar até 1,4 milhão de suas ações, representando 1% das 134 milhões de ações em “free float”. Segundo a empresa, as ações serão destinadas para atender ao exercício de opções de compra de ações no âmbito do Plano de Incentivo baseado em ações da companhia, podendo ser mantidas em tesouraria, canceladas ou posteriormente alienadas. As corretoras intermediadoras serão BTG Pactual, Itaú CV, Brasil Plural Corretora, Santander Corretora, e Morgan Stanley Corretora.

Além do programa de recompra de ações, a Totvs também aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio aos acionistas. O montante será de R$ 21,7 milhões, relativos ao primeiro semestre de 2014, e equivale a R$ 0,13342. O dividendo será pago em 20 de agosto e presenteará os acionistas detentores de TOTS3 até o fechamento de 1 de agosto.

Lupatech
A Lupatech (LUPA3) deu um prazo extra para seus credores dizerem se vão participar ou não da conversão da debêntures em ações ou ADRs (American Depositary Receipts) da companhia. A nova data para se manifestar é até 12 de agosto.

“O prazo final é prorrogado para a data que representa 10 dias antes da data de término de exercício do direito de preferência pelos acionistas da Companhia, no âmbito do aumento de capital anunciado ao mercado na última semana”, informa a empresa via fato relevante.

Ela diz que a extensão se configura como uma finalização do período inicial de manifestação, de acordo com o Plano, e não representa nenhuma postergação do prazo de conclusão do plano de reestruturação do endividamento da companhia. Além disso, ela reforça que o prazo não será mais prorrogado.

BHG
A BHG (BHGR3) comunicou que foi creditado em conta bancária de controlada da companhia, o valor total do depósito judicial efetuado pela BHG no início da disputa em face da Nova Riotel Empreendimentos Hoteleiros para a aquisição do Hotel Rio Palace.

Em comunicado, a companhia informou que o valor total que retornou ao caixa atingiu a soma de R$ 205,4 milhões, com os acréscimos legais, dos quais aproximadamente R$ 72,2 milhões serão utilizados para quitar o empréstimo contraído junto à instituição bancária para a aquisição do Hotel.

“Desta forma, o saldo de R$ 133,2 milhões fortalecerá o caixa da companhia, contribuindo para a execução do planejamento estratégico da companhia e a realização de novos investimentos no segmento de turismo de negócios em regiões com alto nível de atividade econômica”, complementou a empresa.

Com Reuters e Bloomberg

Compartilhe