programa câmbio

Por que o brasileiro prefere fazer hedge de câmbio com derivativos? Diretor da B3 explica

O programa Câmbio é apresentado semanalmente pelo professor do curso dólar para investidores do InfoMoney, Gustavo Cunha.   

arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)

SÃO PAULO – O programa Câmbio desta semana contou com a participação de Fabio Zenaro – Diretor de Produtos Balcão, Commodities e Novos Negócios da B3. O convidado explicou, entre outros pontos, porque no Brasil é muito mais comum fazer hedge de câmbio por meio de derivativos – enquanto em outros países o mais comum é faze hedge comprando ativos à vista (spot).

“O mercado futuro brasileiro define qual é a taxa spot (à vista). Não conheço outro lugar no mundo que isso aconteça. No mercado spot há uma limitação dos players. Só atuam players autorizados pelo Banco Central”, disse Zenaro.   

PUBLICIDADE

O diretor da B3 lembrou que no mercado futuro brasileiro, a quantidade de players é bem maior. “O que acabou acontecendo foi um aumento de liquidez no mercado futuro, fazendo com que ele se tornasse referência para o mercado spot – uma característica específica do nosso mercado”, explicou.

O programa Câmbio é apresentado semanalmente pelo professor do curso dólar para investidores do InfoMoney, Gustavo Cunha. 

Assista a entrevista na íntegra clicando no player no início da matéria.