Quebrando o mito

Por que criminosos preferem moeda convencional a cripto para esconder dinheiro

Especialista diz que infratores ainda acham mais fácil praticar atividades ilegais via sistemas isolados de pagamentos

Por  CoinDesk -

Ao contrário do folclore popular, as criptomoedas não são um refúgio para criminosos anônimos.

Na verdade, por causa da possibilidade de extrair e analisar dados de blockchains, é mais fácil seguir trilhas de dinheiro nessas redes descentralizadas do que em sistemas legados (antigos e isolados) de pagamentos, por mais que elas possam seguir rotas tortuosas.

O que ainda é difícil de descobrir – pelo menos por enquanto – é a identidade dos criminosos que usam vários endereços de blockchain para movimentar fundos roubados. Isso é especialmente verdadeiro se eles usarem carteiras auto-hospedadas (não custodiadas e privadas).

Blockchains são mais transparentes do que redes de pagamento de moeda fiduciária

Blockchains transparentes são plataformas muito mais fáceis para rastrear pagamentos criminais do que os sistemas legados de pagamentos, que são isolados. Hoje, cerca de 23 blockchains públicas representam praticamente 99% do valor total do mercado de criptomoedas.

Isso significa que os sistemas de detecção de fraudes de blockchain devem se integrar a apenas 23 plataformas transparentes, em vez de milhares de redes de pagamentos corporativas e fiduciárias isoladas.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

A parte difícil é transformar metadados indescritíveis de blockchains em informações significativas. Se isso for bem-feito, usando análises escaláveis em tempo real, os insights automatizados podem ajudar os usuários a ver através de todas as plataformas de blockchain de uma só vez, rastrear pagamentos e endereços criminosos e suspeitos e identificar padrões anormais de movimentação de dinheiro que são frequentemente repetidos.

Crescimento da Inteligência em blockchains

Fornecedores como Chainalysis, Ciphertrace, Elementus e TRM Labs fornecem informações sobre rastros de dinheiro para autoridades que investigam hacks. Seus serviços são cada vez mais usados por exchanges e protocolos de finanças descentralizadas (DeFi) para evitar fraudes.

Em 2021, hacks que atraíram muita publicidade tiveram dois desfechos: criminosos devolvendo os fundos roubados ou a polícia recuperando os valores.

Os criminosos estão achando difícil se esconder dos investigadores que identificam endereços nos quais os fundos roubados estão guardados. Uma vez que os valores são marcados, eles não podem ser facilmente removidos da blockchain sem serem apreendidos por equipes de vigilantes e autoridades.

Está ficando mais difícil para os criminosos transferirem fundos roubados de redes de criptomoedas. Vemos isso repetidamente, por exemplo, nos hacks da Poly Network e do BadgerDao e no congelamento da stablecoin Tether ( USDT).

Vinculando endereços a identidades: o elo perdido

A detecção de endereços de blockchain usados por criminosos não fornece a identidade do proprietário do endereço. Nenhum KYC (Conheça seu Cliente, em inglês) é necessário para usar uma blockchain, a menos que um usuário faça a integração por meio de um provedor de serviços de ativos virtuais (VASP, em inglês) que esteja em conformidade com os regulamentos. A maioria dos criminosos usa carteiras auto-hospedadas e são seus próprios “bancos”.

Várias startups preenchem esse gap de identidade para as autoridades e conseguem rastrear criminosos ou investidores analisando estratégias de investimento bem-sucedidas.

Essas startups identificam os proprietários de endereços coletando dados de sites e, por meio de análises, conseguem associar endereços a vários atributos de usuários, como perfis de redes sociais, geolocalizações, números de celular e e-mails. Elas coletam dados da darknet, redes sociais e fóruns de código aberto, e até compram dados de fontes quando possível.

Centenas de empresas já se envolvem em agregação de dados semelhante da Web 2 para dar suporte à inteligência de ameaças cibernéticas, marketing, aprovação de empréstimos e outros casos de uso, gerando mercados de dados lucrativos avaliados em bilhões de dólares.

Com o tempo, os usuários se autenticarão cada vez mais em aplicativos da Web 3 usando carteiras blockchain. Os provedores de serviços precisarão confiar na análise de dados de redes descentralizadas para mitigação de riscos, marketing, monitoramento de mercado de criptomoedas e muito mais. A análise de dados de blockchain se transformará em um grande mercado lucrativo, sujeito a restrições regulatórias.

Retrocesso: protocolos de privacidade para endereços de blockchain

Os endereços de blockchain são fundamentais para as identidades da Web 3 e, portanto, os traders de criptomoedas sensíveis à privacidade tomam medidas para se manterem no anonimato. Por exemplo, eles espalham criptos em vários endereços, usam mixers (serviços que misturam ativos digitais) para transações ou negociam moedas de privacidade como Monero ( XMR), Pivx (PIVX) ou Zcash ( ZEC).

Novos protocolos de privacidade de proprietários vão além e ocultam endereços e saldos individuais da visão pública. Em breve veremos “serviços” de privacidade que darão aos traders de criptomoedas a possibilidade de realizarem transações sem revelar endereços. No entanto, esses serviços provavelmente serão centralizados e não necessariamente confiáveis.

À medida que os protocolos de privacidade que ocultam os endereços dos usuários ganham mais adoção, as empresas de inteligência de blockchain contarão com indicadores de identidade alternativos para seguir os rastros de dinheiro. Por exemplo, elas podem identificar um ponto final de uma transação e usar gráficos sociais para vincular a atividade – por exemplo, metadados de texto e chamadas, frequências de interação e tamanho – à inteligência de código aberto que pode levar a um e-mail ou a número de telefone celular vinculado a um endereço.

Os criminosos vão se comunicar mais por meio de canais privados criptografados, dificultando a determinação de suas identidades no mundo real. O jogo do gato e do rato continuará, e os bandidos ágeis provavelmente ficarão um passo à frente dos mocinhos atolados por processos burocráticos.

O “Faroeste” se estabelece

É um mito que as redes blockchain são paraísos para criminosos. Relatórios da Força-Tarefa de Ação Financeira (GAFI, na sigla em inglês) e provedores de inteligência de blockchain confirmam esse fato com números concretos.

Sem dúvida, os criminosos acharão cada vez mais fácil se esconder em códigos espaguetes (mal feitos) de milhares de sistemas legados do que em redes blockchain transparentes.

Por fim, vale ressaltar que a noção de que os usuários controlam sua identidade na Web 3 vai apenas até certo ponto. Indivíduos, criminosos ou não, têm controle zero sobre os metadados públicos usados para determinar identidades do mundo real. Os bancos de dados estão rapidamente vinculando identidades a endereços de blockchain. Novos regulamentos, como a “regra de viagem” do GAFI, reduzem ainda mais a privacidade do endereço, forçando a exposição de dados associados de informações de identificação pessoal (PII, na sigla em inglês)

No final, a maioria dos criminosos perderá em ambos os níveis, seja ocultando transações de blockchain ou ocultando suas identidades do mundo real.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe