Medida de choque

Por que a recuperação de 12% do minério de ferro não traz alívio?

Commodity disparou em meio às medidas do governo chinês para estancar a queda das ações por lá, mas analistas seguem céticos sobre os preços

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O minério de ferro já dispara 12,4% desde o fechamento de quarta-feira, quando bateu a mínima de maio de 2009, na sua décima sessão seguida de perdas. Ontem, a commodity subiu 10%, seguindo o movimento de alta nesta sexta-feira, quando avançou mais 2,3%, para US$ 50,10, segundo cotação do minério com teor de 62% entregue no porto de Qingdao, na China. 

O movimento veio acompanhado da recuperação das ações chinesas em meio às medidas adotadas pelo governo para tentar estancar a derrocada das bolsas por lá, enquanto analistas seguem com previsões pessimistas sobre a commodity e o mercado de capitais do país.  

Os principais bancos mundiais, como o Citigroup segue “bearish” (pessimista) com a commodity, prevendo que os preços vão cair para baixo de US$ 40 a tonelada neste ano devido a oferta aquecida. O HSBC, enquanto isso, espera que os preços fiquem em torno de US$ 45 a tonelada durante o terceiro trimestre.

Aprenda a investir na bolsa

Na quarta-feira, o BTG Pactual disse que o mercado de minério de ferro entrou em “modo pânico”. “Não conseguimos nos lembrar de uma semana mais desastrosa para a negociação de minério de ferro”, diz BTG Pactual em relatório. Preços à vista do minério estão sob pressão com excesso de oferta. Segundo os analistas, há “muito” minério de ferro à caminho da China, o que pode pressionar ainda mais os preços, enquanto as tentativas de estímulo da China têm se mostrado “ineficientes”.

Já um economista independente foi mais enfático: a queda do minério de ferro vista nas últimas semanas é só o começo, seu declínio se prolongará para a casa dos US$ 30 a tonelada neste ano. A opinião é de Andy Xie, um economista independente que previu um colapso dos preços em fevereiro. A explicação para a continuidade da queda é simples: a demanda por aço na China está se contraindo, enquanto a oferta de minério de ferro continua aumentando.