Investigação

Por ele de construtoras na Lava Jato, TCU vai investigar obras da usina de Belo Monte

O órgão decidiu analisar o caso porque o consórcio responsável pelas obras da usina é formado por empresas envolvidas nas investigações da Lava Jato, como Andrade Gutierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS, entre outras companhias

Aprenda a investir na bolsa

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai investigar o uso de recursos públicos nas obras da usina de Belo Monte, no Pará. O órgão decidiu analisar o caso porque o consórcio responsável pelas obras da usina é formado por empresas envolvidas nas investigações da Operação Lava Jato, como Andrade Gutierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS, entre outras companhias.

 

Embora não haja nenhuma denúncia ou suspeita concreta sobre a hidrelétrica, o ministro José Múcio avaliou que “não custa nada dar uma reparada lá”. A concessionária Norte Energia, dona da usina, é uma empresa privada. Como as atribuições do TCU se restringem à fiscalização do uso de recursos públicos, a investigação deve se ater à parcela de investimentos da Eletrobras e de suas subsidiárias Chesf e Eletronorte, que são donas de praticamente metade da empresa (49,98%).

Aprenda a investir na bolsa

 

O restante do capital da Norte Energia pertence aos fundos de pensão Petros e Funcef (20%) e a outras empresas, como Neoenergia, Cemig, Light, Vale, Sinobrás e J.Malucelli Energia. A investigação foi proposta pelo procurador do Ministério Público junto ao TCU, Sergio Ricardo Costa Caribé. O objetivo é prevenir e reduzir os riscos e eventuais prejuízos às empresas estatais que integram a concessionária.

 

“Conclui-se ser de inafastável prudência instaurar procedimento de fiscalização nos principais empreendimentos de geração e transmissão de energia elétrica sob a responsabilidade ou participação de empresas estatais federais, para identificar eventual ocorrência de práticas criminosas similares às verificadas na Petrobras, dadas suas nefastas consequências para o agravamento da crise no Sistema Elétrico Brasileiro e o patrimônio dessas estatais”, diz o acórdão.

 

O TCU destacou que os custos da usina de Belo Monte aumentaram de R$ 19 bilhões para R$ 33 bilhões, com predomínio de capital público e 70% dos financiamentos com origem no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para o órgão, esse aumento dos custos pode estar relacionado à “falta de controle das estatais quanto ao processo decisório e às condições favoráveis de financiamento oferecidas pelo BNDES”.

PUBLICIDADE

 

“Em face da possibilidade de haver incremento proposital dos investimentos, pelos sócios não públicos, para obtenção de vantagens indevidas dos aportes das estatais e do crédito benéfico do banco de desenvolvimento, concordo com a unidade técnica que se mostra adequada a realização de fiscalizações específicas a respeito da questão”, diz o acórdão.

 

Belo Monte está com 65% de suas obras concluídas. A usina terá 11.233 MW de potência. O TCU chegou a avaliar a possibilidade de investigar também as usinas de Santo Antônio e Teles Pires, cujas concessionárias também são integradas por empresas da Eletrobras. Porém, devido ao estágio avançado das obras dos empreendimentos, o órgão chegou à conclusão de que não haveria risco sistêmico para o setor elétrico.

 

Distribuidoras

 

Múcio disse ainda que a cautelar que impede a renovação automática das concessões das distribuidoras deve ser avaliada no dia 8 de julho, antes da audiência pública sobre o tema na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), marcada para o dia 13.

PUBLICIDADE

 

Segundo o ministro, a intenção do TCU ao conceder a cautelar era obrigar o governo a enviar as informações sobre o processo rapidamente. O ministro disse que, em casos anteriores, o governo demorava para remeter a documentação necessária ao TCU e, ainda assim, pressionava por uma decisão célere. A cautelar foi dada na semana passada e o Ministério de Minas e Energia já prestou esclarecimentos ao órgão. Cerca de 40 contratos de concessão de distribuidoras vencem no início de julho.