Em mercados / politica

Ao negar coalizão, Bolsonaro montou sua própria armadilha, diz cientista política

Para Andréa Freitas, Bolsonaro optou pelo caminho mais difícil para governar, e ainda esbarra na falta de experiência e na ausência de coordenação política com parlamentares e lideranças partidárias

SÃO PAULO - Passados 133 dias de mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) enfrenta dificuldades para fazer sua pauta avançar no Congresso Nacional, embora conte com agenda mais enxuta do que seus antecessores. Enquanto a reforma da Previdência tropeça nos prazos otimistas inicialmente estabelecidos, um conjunto de medidas provisórias corre o risco de perder a validade nas próximas semanas. É o caso da MP 870, que define a organização dos ministérios da nova gestão. Se o texto não for aprovado nos próximos 21 dias, a Esplanada volta à distribuição do governo Michel Temer (MDB).

Os resultados colhidos até aqui podem ser reflexo das escolhas feitas por Bolsonaro desde que assumiu o cargo. É o que avalia a cientista política Andréa Freitas, professora da Unicamp e coordenadora do Núcleo de Instituições Políticas e Eleições do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). A especialista, autora da obra "O presidencialismo da coalizão", foi a convidada do programa InfoMoney/Um Brasil da última sexta-feira (10), que também contou com a participação do cientista político Humberto Dantas. Assista à íntegra da entrevista pelo vídeo acima.

Para Freitas, o presidente optou pelo caminho mais difícil para governar e ainda esbarra na falta de experiência e na ausência de uma coordenação política com parlamentares e lideranças partidárias. Ela acredita que, com a insistência dos ataques à chamada "velha política", o presidente montou uma armadilha contra sua própria gestão. "Esse é um governo de novatos na gerência do Poder Executivo. E o próprio partido do presidente no Legislativo é composto basicamente por pessoas de primeiro mandato. Por esses fatores, ele já teria dificuldades, mas ainda está optando pelo caminho mais difícil", observa.

"Com uma agenda muito reduzida, Bolsonaro está tendo enormes dificuldades de passar o que é mais elementar. O fato de ter optado por não compartilhar poder com os partidos implica em alguma resistência e até em certa desconfiança", diz a especialista. "O governo não tem coordenação. O primeiro aspecto que falta é uma boa comunicação com os partidos. E o fato de eles estarem ausentes dos ministérios dificulta enormemente a ponte entre os dois Poderes".

A descoordenação, na avaliação de Freitas, mostra contornos ainda mais graves em episódios de conflitos internos entre alas do governo, como o mais recente, envolvendo o grupo mais ideológico, vinculada ao filósofo e escritor Olavo de Carvalho, e os militares.

Para a cientista política, a articulação entre governos e parlamentares via partidos é condição indispensável para o êxito de agendas propostas. "Forma-se uma coalizão não só atribuindo um cargo, mas dividindo responsabilidade sobre as políticas de governo. O que se faz quando se atribui ministérios a partidos específicos é construir uma agenda comum e determinar qual é o canal de coordenação entre os dois Poderes e como vai ser a coordenação no interior do Legislativo a partir dos partidos da coalizão. É isso que não temos visto no governo", afirma.

"Como você constrói a partir de um discurso que era a negação da política?", questiona. Para Freitas, a reabilitação da política é caminho fundamental para a superação da crise na qual o Brasil se encontra e para a aprovação de medidas necessárias para as mais diversas áreas, como a própria economia.

"Em algum momento vamos ter que voltar a um estado natural de possibilidade de se fazer política. Se isso não acontecer e acontecer rápido, a gente não consegue passar medidas que são importantes para o país. Tenho a impressão que coalizões tendem a ser mal vistas em quase qualquer lugar do mundo. As pessoas tendem a pensar que, quando um partido faz concessões sobre sua agenda, ele está fazendo algo que não devia. Mas o que as pessoas não entendem é que não se faz política de outro jeito", observa a especialista.

Para ela, contudo, o fenômeno da negação da política tem se mostrado mais forte no Brasil em comparação com outros países e foi fator decisivo sobre o processo eleitoral. Agora, como consequência, a insistência do atual governo em não compor com partidos o coloca em posição de vulnerabilidade política. "Se Bolsonaro tenta agora construir uma coalizão de governo, talvez ele ficasse muito mal visto. De certa forma, ele montou uma armadilha da qual é muito difícil escapar. Ele se sabotou", conclui.

Insira seu e-mail abaixo e receba com exclusividade o Barômetro do Poder, um estudo mensal do InfoMoney com avaliações e projeções das principais casas de análise política do país:

 

Contato