Em mercados / politica

Bolsonaro lidera com 28%, mas vê rejeição subir e desempenho piorar no 2º turno, mostra XP/Ipespe

Segundo o levantamento, pela primeira vez Bolsonaro aparece numericamente atrás de Haddad em simulação de segundo turno

Jair Bolsonaro
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil )

SÃO PAULO - A nove dias do primeiro turno, o clima de polarização protagonizado pelos candidatos à presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) se aprofundou, com a dupla ampliando vantagem sobre os demais postulantes ao Palácio do Planalto e travando duelo equilibrado nas simulações de segundo turno. Cada vez fica mais difícil para os adversários a reversão da tendência de uma disputa, a partir de 8 de outubro, entre os dois candidatos mais bem posicionados na corrida presidencial.

Segundo pesquisa XP/Ipespe, realizada entre os dias 24 e 26 de setembro, a distância entre o primeiro pelotão e o segundo agora chega a 10 pontos percentuais, o dobro do que se observou uma semana atrás. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o código BR-00526/2018 e tem margem de erro máxima de 2,2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Na pesquisa, Bolsonaro manteve a liderança isolada da corrida, mas estacionou aos 28% das intenções de voto. O desempenho é superior em 5 p.p. ao registrado três semanas atrás, antes do atentado a facada sofrido pelo parlamentar durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Com apoio de 32% dos eleitores no Sul e 31% no Sudeste, além de 33% na classe C, o deputado diminui espaços para adversários na via antipetista. Por outro lado, uma de suas fraquezas consiste na expressiva diferença de 15 p.p. entre o apoio do eleitorado masculino (36%) e feminino (21%). Tais fatores podem prejudicá-lo em eventual disputa de segundo turno e até mesmo torná-lo alvo dos efeitos de possível perda de apoio para o chamado "voto útil".

No retrovisor, Bolsonaro vê Haddad cada vez mais próximo. O petista agora tem 21%, 5 pontos a mais do que na última pesquisa. Desde que foi oficializado candidato à presidência, substituindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele mais que dobrou seu nível de apoio. Nos resultados segmentados, Haddad agora conta com apoio de 31% dos nordestinos, de 26% do eleitorado com nível de escolaridade até o Ensino Médio completo e de 23% daqueles com renda familiar mensal de até 2 salários mínimos.

Com o crescimento, o ex-prefeito paulistano ampliou vantagem sobre seu principal concorrente no "campo vermelho", o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), que apenas manteve os 11% de intenções de voto que tinha na semana passada. O pedetista está tecnicamente empatado com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), do "campo azul", que oscilou de 7% para 8%. O tucano patina até mesmo em faixas de histórico positivo de seu partido em eleições, caso do Sul e do Sudeste, onde não consegue superar os 10% das intenções de voto.

Dono da maior fatia de tempo no horário de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, Alckmin endureceu os ataques a Bolsonaro para tentar reaver votos do antilulismo e garantir um assento na disputa de segundo turno. A estratégia pode ter ajudado a elevar a rejeição do adversário, mas não o fez crescer nas pesquisas até o momento.

Quer ganhar dinheiro nesta eleição investindo com taxa ZERO de corretagem? Abra sua conta agora na Clear

Em situação de empate técnico com Alckmin aparece a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 5% das intenções de voto. A candidata apresentou uma desidratação de 8 pontos em um intervalo de um mês e viu sua rejeição chegar ao patamar de 68%. Até o fim de agosto, ela era a segunda colocada na pesquisa. Marina chegou a ficar 7 pontos atrás do líder Bolsonaro, agora a diferença é de 23 p.p..

Também pontuam na pesquisa o empresário João Amoêdo (Novo), com 3% das intenções de voto, o senador Álvaro Dias (Podemos), com 2%, mesmo patamar do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), e o deputado Cabo Daciolo (Patriota), com 1%. O grupo dos "não voto" (composto por votos em branco, nulos e eleitores indecisos) agora soma 17% do eleitorado no cenário estimulado e 39% no espontâneo – quando os nomes dos candidatos não são apresentados aos entrevistados. Uma semana atrás, os respectivos percentuais estavam em 23% e 39%.

O levantamento XP/Ipespe também mostrou que, a pouco mais de uma semana do primeiro turno, o nível de interesse pela eleição presidencial subiu de 60% para 64%. Agora, 39% dos eleitores se dizem muito interessados, enquanto 25% afirmam estar mais ou menos interessados no processo. Três semanas atrás, a soma desses grupos representava 52% do eleitorado. A faixa de eleitores que se diz desinteressada com o processo está em 20%, o que pode indicar uma ativação tardia e decisão de voto de parcela relevante durante o sprint final.

Confira os cenários de primeiro turno para a corrida presidencial testados pela pesquisa:

Pesquisa espontânea: sem apresentação de nome dos candidatos aos entrevistados

ipespe2809a

Pesquisa estimulada: com a apresentação dos nomes dos candidatos aos entrevistados

ipespe2809b

Confira a série histórica das pesquisas XP/Ipespe

Segundo turno

Foram testadas seis situações de segundo turno nesta pesquisa. Em eventual disputa entre Alckmin e Haddad, pela primeira vez na série histórica o quadro seria de empate técnico, com o tucano numericamente à frente com 38% das intenções de voto contra 35% para o petista. Votos em branco, nulos e indecisos agora somam 27%. Em nenhum momento o ex-prefeito liderou as simulações, mas, nas últimas três semanas ele apresentou um crescimento ininterrupto em seu nível de apoio. Enquanto Alckmin aparece estável aos 38% no período, Haddad saltou 10 pontos percentuais, fazendo a diferença entre os candidatos cair para 3 p.p..

No caso de enfrentamento entre Alckmin e Bolsonaro, o cenário também é de empate técnico, com o tucano voltando a aparecer mais forte numericamente, com 41% das intenções de voto contra 38% para o deputado. Brancos, nulos e indecisos somam 22% do eleitorado. No último levantamento, os dois candidatos apareciam empatados com apoio de 39%. A diferença entre os candidatos chegou a ser de 7 pontos percentuais a favor do parlamentar na quarta semana de maio. Na maior parte do tempo, Bolsonaro apresentou níveis de apoio mais elevados, mas a diferença, na maior parte do tempo, ficou dentro do limite da margem máxima de erro – de 3,2 p.p. até a primeira semana de setembro, quando passou para 2,2 p.p. com o aumento no número de entrevistas feitas na pesquisa (de 1.000 para 2.000).

Em eventual disputa entre Marina Silva e Bolsonaro, o quadro é de empate técnico, no limite da soma das margens de erro dos candidatos. Nesta simulação, o deputado aparece com 39% das intenções de voto, contra 35% para a ex-senadora. Brancos, nulos e indecisos somam 25%. Na última pesquisa, Bolsonaro interrompeu uma sequência de 14 semanas numericamente atrás e em situação de empate com Marina, ao liderar por diferença de 5 pontos.

Se o segundo turno fosse entre Ciro e Alckmin, o cenário também seria de empate técnico, com o pedetista numericamente à frente por 39% a 35%. Brancos, nulos e indecisos agora somam 26% do eleitorado. É a terceira vez que Ciro aparece numericamente à frente na disputa. Na semana passada, ele tinha 2 p.p. a mais que o ex-governador paulista. Em nenhum momento um dos candidatos teve vantagem superior ao limite da soma das respectivas margens de erro, mas na maior parte do tempo Alckmin esteve numericamente à frente.

Caso Bolsonaro e Ciro se enfrentassem, o pedetista venceria com 43% das intenções de voto, contra 35% do parlamentar. Brancos, nulos e indecisos somariam 21%. É a maior diferença já registrada a favor do ex-governador do Ceará. Há quatro semanas, Ciro contava com vantagem de apenas 2 pontos percentuais. Bolsonaro esteve numericamente à frente na maior parte do tempo, mas em quadro de empate técnico. Apenas nos dois primeiros levantamentos, realizados em maio, ele vencia com diferença superior à soma das margens de erro.

A pesquisa também simulou um segundo turno entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. Neste caso, o quadro também é de empate técnico, mas, pela primeira vez, o petista aparece numericamente à frente, por placar de 43% a 39%, no limite da soma das margens de erro dos candidatos. O grupo dos "não voto" agora soma 18%. Em abril, Bolsonaro chegou a contar com gordura de 11 pontos percentuais. Na semana passada, a diferença passou para apenas 3 pontos.

Leia também: Bolsonaro x Haddad: como votariam os eleitores de Ciro, Marina e Alckmin neste cenário?

Rejeição aos candidatos

A pesquisa também perguntou aos entrevistados em quais candidatos não votariam em hipótese alguma. Marina Silva lidera o ranking da rejeição com taxa de 68%, em uma oscilação ascendente de 1 ponto percentual em comparação com a semana anterior e um crescimento de 8 pontos em um intervalo de um mês. Foi a maior elevação em repúdio registrada entre os principais presidenciáveis.

Logo atrás aparece Geraldo Alckmin, rejeitado por 61% do eleitorado – oscilação positiva de 1 p.p. em relação aos percentuais registrados nas últimas duas semanas. O tucano é seguido de perto por Bolsonaro, que agora aparece com taxa rejeição de 60%, crescimento de 3 pontos em comparação com os percentuais dos últimos dois levantamentos. Antes do ataque a facada sofrido em Juiz de Fora (MG) há 22 dias, o deputado havia alcançado seu maior nível de repúdio entre o eleitorado: 62%. Também aparece com rejeição de 60% o candidato Fernando Haddad. O patamar é o mesmo registrado no último levantamento e 4 pontos superior ao de um mês atrás.

Já Ciro Gomes é repudiado por 54% dos eleitores, contra 53% de Álvaro Dias. O senador, porém, é desconhecido por 25%, contra 6% registrados do lado do pedetista. A trajetória dos índices de rejeição dos principais nomes nas últimas sete pesquisas está na tabela abaixo:

CANDIDATO DE 13 A 15/08 DE 20 A 22/08 DE 27 A 29/08 DE 3 A 5/09 DE 10 A 12/09 DE 17 A 19/09 DE 24 A 26/09
Jair Bolsonaro 58% 59% 61% 62% 57% 57% 60%
Marina Silva 60% 60% 60% 62% 64% 67% 68%
Ciro Gomes 59% 59% 59% 59% 56% 54% 54%
Geraldo Alckmin 59% 60% 59% 59% 60% 60% 61%
Álvaro Dias 48% 48% 48% 48% 49% 51% 53%
Fernando Haddad 54% 54% 56% 57% 57% 60% 60%

Fonte: XP/Ipespe

Leia também:
"Por que votarei em Geraldo Alckmin", por Andre Lichtenstein
"Por que votarei em Jair Bolsonaro", por André Gordon
"Por que votar em João Amoêdo", por Pablo Spyer
"Por que Henrique Meirelles seria o melhor presidente para o Brasil", por Jason Vieira

Metodologia

A pesquisa XP/Ipespe foi feita por telefone, entre os dias 24 e 26 de setembro, e ouviu 2.000 entrevistados de todas as regiões do país. Os questionários foram aplicados "ao vivo" por entrevistadores, com aleatoriedade na leitura dos nomes dos candidatos nas perguntas estimuladas, e submetidos a verificação posterior em 20% dos casos. A amostra representa a totalidade dos eleitores brasileiros com acesso à rede telefônica fixa (na residência ou trabalho) e a telefone celular, sob critérios de estratificação por sexo, idade, nível de escolaridade, renda familiar etc.

O intervalo de confiança é de 95,45%, o que significa que, se o questionário fosse aplicado mais de uma vez no mesmo período e sob mesmas condições, esta seria a chance de o resultado se repetir dentro da margem de erro máxima, estabelecida em 2,2 pontos percentuais. O levantamento está registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pelo código BR-00526/2018 e teve custo de R$ 60.000,00.

O Ipespe realiza pesquisas telefônicas desde 1993 e foi o primeiro instituto no Brasil a realizar tracking telefônico em campanhas eleitorais, a partir de 1998. O instituto tem como presidente do conselho científico o sociólogo Antonio Lavareda e na diretoria executiva, Marcela Montenegro.

Em entrevista concedida ao InfoMoney em 12 de junho, Lavareda explicou as diferenças de metodologias adotadas pelos institutos de pesquisa e defendeu a validade de levantamentos feitos tanto presencialmente quanto por telefone, desde que em ambos os casos procedimentos metodológicos sejam seguidos rigorosamente, com amostras bem construídas e ponderações bem feitas. Veja as explicações do sociólogo:

Quer ganhar dinheiro nesta eleição investindo com taxa ZERO de corretagem? Abra sua conta agora na Clear

 

Contato