Em mercados / politica

Pérsio Arida critica plano de Ciro de ajudar inadimplentes

A proposta de aliviar a dívida dos brasileiros registrados no cadastro inadimplente do SPC é uma das principais bandeiras da campanha do pedetista

Persio Arida
(Divulgação/Bovespa)

(Bloomberg) -- A promessa do candidato à presidência Ciro Gomes (PDT) de limpar o nome dos consumidores inadimplentes via negociação com os bancos causaria prejuízo à população, disse o principal assessor econômico da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB), Pérsio Arida.

"Se você der uma anistia a todas as pessoas que são inadimplentes, no minuto seguinte, os bancos vão precificar o risco de uma segunda anistia e então o spread bancário sobe", disse à Bloomberg. Spread é a diferença entre o custo de captação dos bancos e a taxa cobrada das pessoas e empresas.

"E como parte dos bancos são públicos, a conta da primeira anistia ainda recai sobre a união. É uma medida que vai na contramão do que o país precisa, que é reduzir o spread bancário e déficit."

A proposta de aliviar a dívida dos brasileiros registrados no cadastro inadimplente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) é uma das principais bandeiras da campanha do pedetista.

Quer investir com taxa ZERO na Bolsa? Abra agora sua conta na Clear!

Combustíveis
Geraldo Alckmin defende uma política de preço de combustível que seja modulada em função da cotação do petróleo e do câmbio, segundo Arida. "Gostamos da solução europeia, que é basicamente ter impostos flex para todos os derivados de petróleo, como diesel, gasolina, GLP etc."

Para ele, quando o preço doméstico tende a subir, por influência da cotação internacional e do câmbio, a carga tributária teria que diminuir - e vice-versa. Esse modelo exigiria conversas com os governadores para tratar das distorções causadas pela diferença entre impostos federais e estaduais. A vantagem de um sistema flexível, segundo o economista, é aliviar a pressão sobre os cofres públicos.

O economista também defendeu que os subsídios ao diesel, concedidos pelo governo do presidente Michel Temer para encerrar a greve dos caminhoneiros, não sejam renovados após expirarem, em 31 de dezembro.

Quer investir com taxa ZERO na Bolsa? Abra agora sua conta na Clear!

 

Contato