Em mercados / politica

Ibope x Datafolha: o que veio de diferente entre as duas pesquisas

Os dois levantamentos divulgados em menos de 24 horas mostraram números bastante diferentes

Candidatos
(Reprodução)

SÃO PAULO - Nas últimas 24 horas, duas das principais pesquisas eleitorais do país foram divulgadas, Ibope e Datafolha, com grande expectativa por serem as primeiras após o ataque contra Jair Bolsonaro (PSL), e apesar de ambas mostrarem o candidato liderando a disputa, os cenários apresentados foram bastante diferentes.

No caso do Datafolha, o deputado oscilou apenas dentro da margem de erro, de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, saindo de 22% para 24%. Enquanto isso, no Ibope desta terça-feira (11), Bolsonaro passou dos mesmos 22% para 26%, acima da margem, que também é de 2 pontos.

Vale fazer algumas ponderações sobre as comparações. A primeira, e provavelmente a mais importante, é o tempo da realização: o Datafolha fez todo o levantamento no dia 10 de setembro, enquanto o Ibope fez pesquisas entre o dia 8 e 10. Este é um fator relevante que pode explicar a grande diferença nos números. Por conta disso, ganha ainda mais importância as próximas pesquisas, que podem dar melhores sinais do cenário real atual.

Além disso, é importante notar que todos os candidatos aparecem com uma diferença igual ou menor de 2 pontos percentuais entre as duas pesquisas, ou seja, dentro da margem de erro.

Já o segundo lugar, em ambos os casos, está embolado entre quatro candidatos, mas todos aparecem com números maiores no Datafolha. Ciro Gomes (PDT) tem 13%, contra 11% no Ibope; Marina Silva (Rede) aparece com 11% no Datafolha e 9% no Ibope; Geraldo Alckmin (PSDB) teve 10% em um e 9% no outro levantamento; e Fernando Haddad (PT), 9% contra 8% em cada pesquisa.

Entre os "nanicos", Álvaro Dias (Podemos), João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) aparecem nas duas pesquisas com 3% cada um. Vera Lúcia (PSTU) e Cabo Daciolo (Patriota) têm 1% em cada levantamento. A diferença está em Guilherme Boulos (PSOL), que tem 1% no Datafolha e não pontuou no Ibope. Os outros não chegaram a 1% em nenhum caso.

Já o cenário de brancos e nulos ficaram no limite da margem de erro entre uma pesquisa e outra: 19% no Ibope contra 15% no Datafolha. Por outro lado, não souberam ou não responderam 7% em cada levantamento.

Segundo turno
Já na disputa de segundo turno, comparando apenas os quatro cenários feitos pelo Ibope (Datafolha analisou nove situações diferentes). Na pesquisa de ontem, Bolsonaro perdia em todos os cenários, empatando na margem com Haddad, enquanto no levantamento publicado hoje ele empatou contra todos os adversários.

Na disputa com Ciro Gomes no Ibope, Bolsonaro tem 37%, contra 40% do candidato do PDT, enquanto no Datafolha a disputa está em 35% e 45%, respectivamente.

No cenário contra Geraldo Alckmin, o deputado tem 37% contra 38% no Ibope. Já no Datafolha, Bolsonaro perde de 43% a 34% na simulação com o ex-governador de São Paulo.

Contra Marina Silva, no Ibope, o candidato do PSL está estritamente empatado, com 38% para cada um, enquanto no Datafolha ele tem 37%, ante 43% da presidenciável da Rede.

Por fim, na simulação com Haddad, Bolsonaro venceria em um segundo turno com 40%, contra 36% do petista. Por outro lado, o Datafolha mostra um cenário de 39% contra 38% para o agora candidato do PT.

Rejeição
Já na análise da rejeição dos candidatos, os dois levantamentos também mostraram números diferentes em todos os casos, mas em ambos Bolsonaro e Marina lideram. Em uma das principais mudanças, Haddad aparece em terceiro na rejeição do Ibope, mas quarto no Datafolha, posição que "troca" com Alckmin nos levantamentos.

Na tabela abaixo é possível comparar, para os principais candidatos, dentro do próprio instituto como evoluíram os números. Fica clara uma grande diferença na tendência de alguns candidatos: no Datafolha, Bolsonaro, Marina e Haddad elevaram sua rejeição, enquanto no Ibope estes números caíram ou se mantiveram.

Confira os números:

Candidato Ibope Datafolha
Jair Bolsonaro (PSL) de 44% para 41% de 39% para 43%
Marina Silva (Rede) de 26% para 24% de 25% para 29%
Geraldo Alckmin (PSDB) de 22% para 19% de 26% para 24%
Fernando Haddad (PT) manteve 23% de 21% para 22%
Ciro Gomes (PDT) de 20% para 17% de 23% para 20%
Henrique Meirelles (MDB) 11% 17%
Cabo Daciolo (Patriota) 11% 19%
Eymael (DC) 11% 18%
Guilherme Boulos (PSOL) 11% 17%
Vera Lúcia (PSTU) 11% 19%
João Amoêdo (Novo) 10% 15%
Álvaro Dias (Podemos) 9% 14%
João Goulart Filho (PPL) 8% 15%
Votaria em qualquer um 2% 2%
Rejeita todos não divulgado 5%
Não sabe 11% 6%

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato