Em mercados / politica

Bolsonaro fideliza próprio eleitorado, Ciro cresce e Marina desidrata: a análise do Datafolha

Na avaliação da XP Política sobre o impacto político do ataque a Bolsonaro, afirmou-se que o evento lhe renderia votos, mas que não resolveria sua eleição - e não resolveu

Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e Marina Silva
(Reprodução)

A pesquisa Datafolha, primeiro levantamento nacional do instituto depois do ataque a Jair Bolsonaro, mostra que, a despeito da oscilação positiva das intenções de voto no deputado, a comoção criada com o atentado não foi suficiente para inverter a trajetória de alta em sua rejeição, que até se intensificou. Os eleitores que dizem não votar de jeito nenhum no deputado saltaram de 39% em 22 de agosto para 43% agora.

Na avaliação da XP Política sobre o impacto político do ataque a Bolsonaro, afirmou-se que o evento lhe renderia votos, mas que não resolveria sua eleição. Não resolveu.

Sobre isso, o professor e cientista político Carlos Melo também foi muito feliz em seu texto “não se deve confundir solidariedade pessoal com adesão eleitoral”. Recomendamos a leitura.

Ao lado dos resultados nos cenários de segundo turno – em que o congressista melhorou apenas na disputa contra Marina Silva e está numericamente atrás de todos os rivais - inclusive agora Bolsonaro também perderia para Fernando Haddad –, o dado é importante porque, mesmo com o atentado, mostra a sequência de um movimento que já ocorria na campanha até então: Bolsonaro fideliza os próprios eleitores, mas cria barreiras para acessar um eleitorado além do seu próprio. O crescimento de seu voto espontâneo, que agora atinge 20%, reforça a tese.

Leia mais: 
Ibope e Datafolha devem conter euforia dos mercados, diz economista
- Datafolha: Bolsonaro perde para Alckmin, Marina e Ciro no 2º turno e empata com Haddad
Datafolha: Bolsonaro passa de 22% para 24% e 4 candidatos ficam em segundo lugar

Notável o crescimento de Ciro Gomes nos cenários de primeiro e segundo turnos e a queda expressiva de Marina Silva no primeiro turno e as oscilações negativas nos cenários de segundo turno. Marina nunca esteve nos cenários da XP Política como candidata competitiva, e as últimas pesquisas tem confirmado isso.

Importante notar que a queda expressiva nas intenções de voto de Lula no cenário espontâneo, de 20% para 9%, são em parte compensadas pelo crescimento de Fernando Haddad, de 0% para 4%, e pelas menções a “13”, “candidato do Lula” e “candidato do PT”, que somam 2%.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato