Em mercados / politica

Rejeição a Bolsonaro cresce e indica dificuldades em possível segundo turno

Entre maio e agosto, o percentual dos eleitores que declaram que não votariam em Bolsonaro "de jeito nenhum" saltou de 47% para 57%

Jair Bolsonaro
(Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil )

Embora lidere as pesquisas de intenção de voto nos cenários que desconsideram a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) tem observado uma elevação em sua taxa de rejeição como candidato, ao passo que mantém o nível de adesão entre fiéis.

Entre maio e agosto, o percentual dos eleitores que declaram que não votariam em Bolsonaro “de jeito nenhum” saltou de 47% para 57%. Esse índice cresceu em todo o eleitorado, mas teve uma intensidade diferente entre segmentos distintos da população. O crescimento da rejeição foi mais intenso nos grupos que já não votavam no candidato – esses eleitores, que pertencem a faixas com inclinação por outros candidatos, passaram a dizer que não votarão no deputado em nenhuma hipótese.

Leia também: Sem Lula, Bolsonaro mantém liderança com 23%, mas rejeição é de 57%, mostra XP/Ipespe

Isso significa que ele continua com espaço nos grupos que já são simpáticos a sua candidatura, mas terá mais dificuldades de conquistar novos votos em outras faixas do eleitorado, o que indica um obstáculo adicional em um eventual segundo turno. Pode ser resultado de sua estratégia de fidelizar o próprio eleitor e não de expandir seu público alvo.

Leia também: TSE estuda cassar tempo de Lula na TV para forçar "plano B" do PT

Esse foi o caso de três grupos símbolo em que o desempenho de Bolsonaro é comparativamente pior: entre mulheres, no Nordeste e entre eleitores menos jovens.

Entre as mulheres, a rejeição de Bolsonaro saltou 11 pontos percentuais, atingindo 62%, contra um crescimento de 8 pontos percentuais na rejeição entre os homens, estrato em que o “não votaria de jeito nenhum” chega a 51%. Na intenção de voto, Bolsonaro atinge 15% entre mulheres e 32% entre homens.

Movimento semelhante acontece entre os eleitores do Nordeste, onde Bolsonaro tem 16% das intenções de voto contra 23% no total do país. Nessa região, a rejeição ao deputado saltou de 56% para 68%.

O terceiro estrato que acompanha o movimento são os eleitores de 35 a 54 anos e com mais de 55 anos, grupos em que a rejeição ao deputado saltou 12 e 14 pontos percentuais no período, atingindo 60% e 62%, respectivamente. Entre as faixas etárias, essas são as duas em que Bolsonaro tem mais dificuldades.

xppolitica

xppolitica1

Fonte: pesquisas XP/ Ipespe, realizadas de 15 a 18 de maio e 6 a 8 de agosto, com 1.000 entrevistas cada, registradas no TSE sob os números BR-09600/2018 e BR-08988/2018, respectivamente, com margem se erro se 3,2 p.p.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato