Em mercados / politica

Bolsonaro descarta tributar dividendos e justifica escolha de Mourão como vice

Candidato à presidência do PSL conversou com o InfoMoney minutos antes de embarcar no aeroporto de Congonhas nesta sexta-feira (10)

bolsonaro na Band
(Kelly Fuzaro_Band _ Comunicação Band _ Flickr)

SÃO PAULO - Minutos antes de embarcar no aeroporto de Congonhas na tarde desta sexta-feira (10), o candidato à presidência líder nas pesquisas de intenção de voto, Jair Bolsonaro (PSL), conversou com o InfoMoney: ele disse que não pretende aumentar impostos de qualquer natureza, inclusive dividendos ou herança, e explicou o motivo da escolha do general Mourão como vice-presidente na sua chapa.

O capitão reservista do exército foi na contramão de seus competidores, que têm sido uníssonos ao dizer que pretendem tributar a fatia de lucro das empresas distribuída aos acionistas - medida que, dependendo do teor, afetaria em cheio milhares de investidores da bolsa. Ele foi bem enfático ao dizer que “de jeito nenhum” os brasileiros pagarão mais impostos, e incluiu a tributação sobre heranças nesse cesto.

Não é a primeira vez que Bolsonaro fala sobre isso (veja mais aqui), mas o posicionamento reforçado ganha importância em um momento em que o tema "tributação de dividendos" tem virado pauta dos candidatos à presidência. Uma das alternativas para taxar o dividendo seria trazer junto uma “compensação” via redução de carga tributária das empresas - algo adotado pela maioria dos países da OCDE. Assim, sobraria mais dinheiro para companhias investirem como "troca" do menor dividendo aos acionistas. Bolsonaro não deve seguir por essa linha, pelo menos na teoria.

Mourão vice e "dane-se" a popularidade
Deu tempo de Bolsonaro também explicar porque optou por Hamilton Mourão para ser vice-presidente da sua chapa: com o general, ele tem suporte para intervir em qualquer assunto emergencial que precise contar com o exército - o candidato citou várias vezes preocupação com as fronteiras e a entrada massiva de refugiados. "Seria como quando o [George W.] Bush colocou como vice o Dick Cheney", disse Bolsonaro. Vice de Bush nos EUA entre 2001 e 2008, Cheney teve importante atuação em conflitos bélicos do país, como na Guerra do Golfo.

Sobre o processo de escolher Mourão, ele foi bem enfático na explicação: "foi minha escolha e dane-se. Dane-se", disse Bolsonaro, em uma versão "publicável" da sua frase. A expressão também foi usada quando foi questionado sobre uma eventual queda de popularidade caso ele colocasse em prática a tão sonhada agenda liberal, que poderia resultar em queda de popularidade e/ou perseguição da imprensa. "Se você visse a capa da IstoÉ dessa semana, saberia que eu não me importo mais o que eles dizem sobre mim", disse o candidato. Na revista desta semana, a capa traz uma foto dele sorrindo com a frase "As Fake News de Bolsonaro".

Ao falar de economia, Bolsonaro usou a já conhecida esquiva "pergunte ao Paulo Guedes", citando economista com mestrado em Chicago e provável ministro da Fazenda caso e candidato do PSL vença as eleições. Ele disse entender a urgência em ajustar as contas públicas e que é possível privatizar muitas estatais, mas não venderá "empresas estratégicas" e não permitirá que os chineses continuem comprando tantas companhias brasileiras. E como impedir isso? "Como o Trump [fez]", rebateu.

Invista com a melhor assessoria financeira do mercado; clique aqui e abra sua conta na XP

 

Contato