Em mercados / politica

William Waack debate: o que o mercado espera das eleições?

Chris Garman, Murillo de Aragão e Ricardo Ribeiro participam do debate mediado por William Waack

SÃO PAULO - Após muitos traumas recentes na política brasileira, entre delações, greves, alta do dólar e queda da bolsa, chega o período eleitoral, com início dos debates e da campanha política. É nesta hora que cresce a importância de ouvir as análises dos consultores econômicos, que traçam cenários para o chamado TPE: Trauma Pós-Eleitoral.

E nesta sexta-feira (10), o Painel WW, apresentado por William Waack, recebeu três dos maiores consultores econômicos para debater exatamente o que o mercado espera das eleições: Chris Garman, analista-chefe da consultoria internacional Eurasia Group; Murillo de Aragão, presidente da Arko Advice; e Ricardo Ribeiro, analista político da MCM Consultores Associados.

Nas avaliações de Garman e Ribeiro, o debate de quinta na Band não alterou a corrida eleitoral, já que o confronto foi "morno", sem grandes confrontos. Por outro lado, Aragão acredita que o encontro mudou sim, já que houve repercussão nas redes sociais e trouxe a atenção do eleitor para o processo.

Sobre os candidatos, os consultores avaliam que quem mais tinha a perder era Jair Bolsonaro, que conseguiu defender suas posições. "Foi um debate defensivo em que todos temiam perder", disse Aragão, que ainda destacou que Ciro gomes estava à vontade.

Na avaliação de Garman, "essa vai ser uma eleição marcada por um desencanto profundo do eleitorado perante partidos e eleições". "Pela primeira vez, corrupção é uma demanda prioritária do eleitor. Esse desencanto profundo vai ser o pano de fundo da disputa", afirma.

Sobre a disputa, Aragão acredita que Bolsonaro e Alckmin estão lutando pelo segundo turno, enquanto Garman vê o PT com grandes chances de colocar o seu candidato na próxima fase do pleito. Confira o debate na íntegra no vídeo acima.

 

Contato