EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / politica

William Waack: Brasil quebrado - a realidade da qual o próximo presidente não poderá fugir

Qualquer que seja o político de sua predileção, uma coisa é certa: o Brasil tem uma bomba fiscal que precisa ser resolvida

SÃO PAULO - Com as chapas presidenciais constituídas e com uma série de sabatinas com os candidatos e responsáveis pela elaboração dos programas econômicos já em curso, dá para ter uma boa ideia de quais são as ideias sobre como será conduzida a política econômica dependendo de quem vencer as eleições, aponta William Waack em seu comentário diário.

Gostou da análise? Clique aqui e receba a newsletter de William Waack!

Com isso, o atual momento é importante para uma "freada de arrumação" e para o Brasil ir realmente ao que interessa. Esta é uma boa hora de chegar a uma conclusão do que está acontecendo e de como chegamos a essa crise, depois de um período de 30 anos em que o Brasil simplesmente se acostumou a gastar o que não tem.

"Qualquer que seja o político de sua predileção, dessa realidade a gente não foge. Nós temos uma bomba fiscal em cima das nossas cabeças, nós temos uma sociedade que se acostumou a subsídios e a incentivos de mais variados tipos, de proteções para não precisar ser competitivo, se acostumou a bolsas, pensões, privilégios. Estamos anestesiados, acostumamos a gastar o que não tem e o resultado é que o País quebrou", aponta William Waack.

E isso está sim na cabeça dos candidatos, que precisarão de articulações para resolver um problema que está se tornando mais grave a cada hora. 

Quer investir pagando apenas R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

 

Contato