Em mercados / politica

Conheça o livro de cabeceira de Jair Bolsonaro: "A Verdade Sufocada"

Livro escrito pelo coronel Brilhante Ustra foi citado pelo candidato durante sua sabatina no Roda Viva

Verdade Sufocada
(Reprodução)

SÃO PAULO - Quem acompanhou o programa Roda Viva da última segunda-feira (30) até o fim ficou sabendo qual é o "livro de cabeceira" do candidato Jair Bolsonaro: "A Verdade Sufocada - A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça", escrito pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Apesar de estar em sua 14ª edição e chegar a ficar esgotado por um tempo, o livro lançado em 2006 conta com 657 páginas e já não é tão fácil de ser encontrado. O livro estava custando R$ 90,00 no site da Livraria Cultura, mas se esgotou durante a tarde. Agora é possível encontrá-lo apenas no Mercado Livre, Estante Virtual, na Amazon ou clicando aqui para o arquivo em PDF gratuitamente.

O livro traz o ponto de vista dos militares sobre o que ocorreu durante a ditadura, focando sua maior parte no atentados que eram praticados por grupos da esquerda durante aquele período. "Além dos relatos, procuro desfazer mitos, farsas e mentiras divulgadas para manipular a opinião pública e para desacreditar e desmoralizar aqueles que as venceram", diz o coronel na descrição da obra.

Apenas pela sua proposta, o livro já é bastante polêmico, já que tem a intenção de mostrar uma visão completamente diferente sobre o que ocorreu entre 1964 e 1985 no Brasil. Na escola, aprendemos que este foi um período de grande repressão, com prisões aleatórias e torturas por parte dos militares. Porém, a versão de Ustra para o período é diferente.

Além da grande quantidade de páginas, o livro não é tão simples de se ler por apresentar um aspecto mais técnico do cenário político, uma vez que foi escrito com a colaboração da esposa de Ustra, que é historiadora. O volume apresenta uma narrativa histórica e uma série de dados para oferecer ao leitor uma versão distinta sobre o período militar, dando grande ênfase ao contexto de disputa hegemônica entre os EUA e a OTAN de um lado e a URSS e o Pacto de Varsóvia de outro.

Além dessa contextualização sobre a guerra fria, o coronel apresenta dados e documentos para justificar que o regime militar não estava enfrentando pessoas que desejavam derrubar um regime autoritário para substituí-lo por uma democracia, mas terroristas que desejavam implementar uma ditadura comunista.

Leia também
No Roda Viva, Bolsonaro deixou escapar contradições e expôs fragilidades
Do liberalismo à ditadura: os destaques de Bolsonaro no Roda Viva
Alckmin é “irrelevante” e centro terá que escolher quem apoiará no 2º turno, diz Paulo Guedes

Ustra comandou o DOI-Codi, um dos principais órgãos de repressão, e foi "homenageado" por Bolsonaro em 2016, durante o seu voto pelo impeachment de Dilma Rousseff. Em 2008, o coronel se tornou o primeiro militar a ser reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura.

Em sessão da Comissão Nacional da Verdade, em 2013, ele negou ter cometido crimes e disse que recebeu ordens de seus superiores no Exército para fazer o que foi feito, e que suas ações à frente do órgão tinham como objetivo o combate ao terrorismo, reafirmando a tese do seu livro.

Ustra faleceu em 15 de outubro de 2015, mas a memória dele segue bem viva tanto para quem repudia os seus atos quanto para quem o defende, caso de Bolsonaro. A fala do deputado da última segunda apontando o livro do coronel como o seu preferido deve elevar ainda mais a temperatura do debate sobre o assunto - e a campanha mal começou. 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato