Em mercados / politica

Partido de Bolsonaro foi o mais fiel ao governo Temer no 1º semestre

PSL  foi o que mais se alinhou às pautas do atual governo Temer em 107 votações realizadas no primeiro semestre de 2018 na Câmara, de acordo com estudo da Arko Advice

Jair Bolsonaro e Michel Temer
(Reprodução)

SÃO PAULO - Na convenção do PSL que oficializou a sua candidatura à presidência, no último domingo (22), Jair Bolsonaro atirou para todos os lados, com críticas ao seu adversário eleitoral, Geraldo Alckmin, mas também contra os governos de Dilma Rousseff e de Michel Temer. 

Contudo, apesar dos ataques, o partido de Bolsonaro - o PSL - foi o que mais se alinhou às pautas do atual governo Temer em 107 votações realizadas no primeiro semestre de 2018 na Câmara. É o que aponta um levantamento da consultoria política Arko Advice, que mostrou 67,73% de fidelidade dos deputados do PSL às pautas do governo. Esse índice supera até mesmo o partido de Temer, o MDB, que tem fidelidade de 64,34%, sendo seguido por PSDB (63,05%), PPS (63,03%) e PP (58,26%). 

Dentre as pautas, estão a questão da intervenção no estado do Rio de Janeiro, o cadastro positivo e temas ligados à Petrobras (PETR3;PETR4) e à Eletrobras (ELET3;ELET6). 

fidelidade_partidária

Fidelidade cada vez menor

Vale destacar que a média de apoio aos projetos de interesse do governo na
Câmara em julho atingiu seu menor índice desde que Temer assumiu a presidência, em maio de 2016, de acordo com o levantamento. O apoio foi de 41,84%, número decorrente da análise de 21 votações entre os dias 1º e 18 de julho, quando os parlamentares entraram em recesso. Das 21 votações analisadas, o governo foi derrotado em uma, durante a análise da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) sobre o reajuste salarial e a contratação de funcionários públicos em 2019.

Assim, julho fechou um semestre marcado também pelo menor índice de apoio de Temer desde que ele assumiu, de 57,27%. Os índices são decrescentes
desde 2016. "Vale ressaltar que no primeiro semestre de 2018 foram analisadas apenas as votações de meados de maio, junho e julho. Antes disso, a presidente era Dilma Rousseff", destaca a Arko. 

Leia mais: 
Ataques a Bolsonaro vão crescer, mas não devem tirá-lo do segundo turno, diz Eurasia
O "patinho feio fardado": a estratégia de Jair Bolsonaro após o isolamento

 

Contato