Em mercados / politica

William Waack: PT perdeu muito com "espetáculo vergonhoso" para tentar soltar Lula

Segundo o jornalista,o tipo de postura que o PT assume leva ao suicídio político ao insistir na candidatura do ex-presidente

SÃO PAULO - A batalha jurídica do último domingo com a decisão "surpresa" do desembargador plantonista do TRF-4 Rogério Favreto de soltar Lula (sendo depois barrado pelo presidente do Tribunal e pelo STJ) segue reverberando no noticiário político e trouxe de volta à tona a prisão do ex-presidente após um certo "esfriamento" sobre o assunto.

Leia mais: 
- William Waack: Dois males foram criados com "guerra de liminares" para soltar Lula
Moro evitou uma derrota à Lava Jato ao impedir soltura de Lula, mas ficou politicamente exposto

Vale destacar que os deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP), autores do pedido de habeas corpus, fizeram uma estratégia para que o pedido de habeas corpus fosse analisado necessariamente pelo desembargador Rogério Favreto, crítico a Sergio Moro no TRF-4, durante o seu plantão, com objetivo de desgastar o Judiciário.

Mas afinal, o PT ganhou ou perdeu com isso? Para William Waack, que classifica o episódio do último domingo como "espetáculo vergonhoso", o PT perde bastante. Isso porque o partido não precisa da militância e sim precisa conquistar votos de outros nichos, mas o que fez neste domingo difunde ainda mais o medo entre as pessoas. Assim, muitas delas podem destinar um voto útil - desde que seja contra o PT. 

"O tipo de postura que o PT assume parece que me leva ao suicídio político, ao insistir na candidatura de Lula - e Lula preso é inelegível, não por estar preso, mas por ser 'vítima' da Lei da Ficha Limpa", destaca o jornalista. Assim, a insistência torna muito difícil para o partido construir alianças e montar uma estratégia, que parece até agora de levar a candidatura até o final para depois transferir votos, aponta.

William Waack reforça ainda que Lula continua sendo um fenômeno político e "um dos eleitores mais importantes para o País", o que é ainda mais impressionante uma vez que ele está preso e também ligado a esquemas de corrupção. Desta forma, o jornalista ressalta: "não é exatamente o homem que precisa ser derrotado, mas sim as ideias que ele representa  - e muitas delas continuam por aí". 

Confira o comentário completo abaixo:

William Waack todas as manhãs em seu e-mail; receba a newsletter de graça!

 

Contato