Em mercados / politica

Para FHC, Alckmin é um corredor de maratona, Bolsonaro atrasado e Barbosa uma incógnita

"Geraldo é um corredor de maratona, não de 100 metros. Às vezes, você vai correr maratona e sai com velocidade de 100 metros e queima na largada", afirmou o ex-presidente

Fernando Henrique Cardoso
(Tânia Rêgo/ Agência Brasil)

SÃO PAULO - Apesar de Geraldo Alckmin (PSDB/SP) estar estagnado pelas últimas pesquisas de intenção de voto, ao mesmo tempo em que outros presidenciáveis estão ganhando terreno, FHC (Fernando Henrique Cardoso) está tranquilo com a situação do ex-governador de São Paulo, já que ainda estamos a seis meses das eleições e muita coisa pode mudar neste meio tempo.

“Geraldo é um corredor de maratona, não de 100 metros. Às vezes, você vai correr maratona e sai com velocidade de 100 metros e queima na largada”, assim afirmou o ex-presidente em entrevista para o Estadão nesta sexta-feira (20). FHC relembrou sua campanha em 1994, quando somente decolou em junho na esteira do Plano Real e em outubro ganhou no primeiro turno.

Questionado sobre os outros candidatos na corrida presidencial, o ex-presidente não deixou de comentar sobre o perfil de Jair Bolsonaro (PSL/RJ). Segundo ele, o deputado carioca não representa nem a direita nem a esquerda, mas sim tem um pensamento "atrasado": "não sei o que ele representa. Um sentimento de ‘quero ordem, mata bandido?’ É um sentimento que não tem expressão política. O que significa na economia, na vida social? É só uma explosão", afirmou.

Sobre o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, que está ganhando cada vez mais espaço na corrida pela Presidência, FHC diz que ele ainda é uma incógnita e não acredita que somente seu sucesso como juiz será suficiente para ser presidente: "não sei o que ele pensa. O que ele pensa sobre economia? Sobre a sociedade? Pode ser que sim, mas eu não sei", disse o ex-presidente.

Quer saber mais sobre o cenário político e como se aproveitar dele? Clique aqui e assine o Mapa Político 

 

Contato